Montevidéu é uma daquelas capitais cheias de história e charme. É ideal para se visitar quando se tem poucos dias, por isso muitas pessoas passam apenas um fim de semana lá. Porém, com um pouco mais de tempo é possível conhecer outras incríveis cidades do Uruguai.

Bairro de Pocitos, em Montevidéu

Praia de Pocitos – Montevidéu

A maioria dos turistas explora o trio Montevidéu, Punta del Este e Colonia del Sacramento, embora existam inúmeros outros locais atraentes no país, como, por exemplo, Punta Ballena, Punta del Diablo, Cabo Polonio e Piriápolis.

Letreiro em Pocitos

Rambla de Pocitos

Fiz um roteiro de 3 dias, que será o descrito aqui. Visitei Montevidéu no primeiro dia, Punta del Este no segundo e Colonia no terceiro. Esse é um roteiro corrido, mas é possível e agradável, apesar de o melhor ser pelo menos mais um dia em Montevidéu e mais um dia para explorar Punta Ballena ou outra região que você queira.

Farol de Punta Carretas

Palácio Salvo, na Plaza Independencia

A época mais agradável para conhecer o país é o verão, pois o inverno pode ser um pouco frio. Eu visitei o Uruguai em novembro, peguei um ar gelado, porém com sol suficiente para queimar. Além disso, no inverno as cidades ficam um pouco mais vazias e paradas, e no verão há mais agito.

Palácio Salvo, na Plaza Independencia

Mausoleo General José Artigas, na Plaza Independencia

Acessei Montevidéu por voo vindo do Brasil. É possível também, se você estiver em Porto Alegre, chegar de ônibus. Algumas pessoas vêm de Buenos Aires de balsa, combinando os dois países. Encontrei muitas pessoas fazendo road trip, principalmente de moto, vindo tanto de São Paulo, passando por várias cidades do Sul do Brasil até chegar ao Uruguai, quanto saindo de alguns estados do Sul mesmo. Isso porque as estradas do Uruguai me pareceram muito boas e o país aparenta ser bem seguro. Se você vem por voo, duas boas alternativas para sair do aeroporto são o ônibus de linha que leva à cidade ou então umas vans que, assim que enchem de passageiros, saem para deixá-los em suas hospedagens. Porém, há também o táxi comum e agora o Uber.

Porta de la Ciudadela, na Plaza Independencia

Fonte dos Cadeados

Fiquei hospedada na região de Pocitos, bairro muito agradável e arborizado (eu achei todas as ruas desse bairro parecidas com “a rua mais bonita do mundo”, em Porto Alegre rs). Comecei com um roteiro a pé, seguindo em direção às Ramblas, mais especificamente à Praia de los Pocitos. As Ramblas são as avenidas “litorâneas” em Montevidéu, local muito agradável, com 22 km te extensão. Quando se chega às praias, há a impressão de que se avista o mar, mas na verdade seria o Rio da Prata.

Mirador da Intendencia

Vista do Mirador da Intendencia

Caminhei talvez por cerca de 20 minutos calmamente até o famoso letreiro escrito Montevideo, ponto clássico para fotografar. Ele fica na Rambla República del Perú em uma parte mais alta, então a vista é excelente! Nessa caminhada à beira-rio passei por várias pessoas turistando, praticando exercícios e levando seus cachorros para passear, é algo muito agradável caminhar tanto pelo calçadão quanto pela areia da praia.

Parque Rodó

Parque Rodó

De lá peguei o caminho reverso pela Rambla de Pocitos. Esses bairros de Pocitos, Punta Carretas e Carrasco são ótimos e com edifícios modernos. Fui até Punta Carretas, onde há um lindo farol. Algumas pessoas praticavam caiaque nessa área. Depois tomei um ônibus para a Plaza Independencia. É bem fácil se locomover de ônibus em Montevideo, dá para ir facilmente a todos os pontos turísticos e identifica-se o destino pelos letreiros neles. Também há opção de táxi e Uber. Algumas pessoas também compram o Bus Turístico, que faz parada em diversos pontos legais de visitar.

Parque Rodó

A Plaza Independencia é um dos lugares mais famosos de Montevidéu. É onde fica o Palácio Salvo, inaugurado em 1928. Essa praça divide a Ciudad Vieja e o centro. Antigamente uma muralha dividia essa região, mas hoje restou somente a Porta de la Ciudadela. No centro da praça está o Mausoleo General José Artigas, onde estão as cinzas desse considerado herói militar.

Caminhei em direção à Avenida 18 de julho, com muitas lojas e restaurantes. Abro parênteses aqui para dizer que nessa parte é onde estão as casas de câmbio com a melhor cotação de Montevidéu. Troquei um pouco de dinheiro no aeroporto (real por peso chileno) apenas para chegar até esse local, onde troquei o restante que precisaria para minha viagem. Segui caminhando pela avenida, passando pela Fonte dos Cadeados (com a clássica ideia de casais apaixonados colocarem cadeados com seus nomes) e continuei até o Mirador da Intendencia (prefeitura) de Montevideo. Esse lugar é interessante, pois pegando um elevador até o 22º andar há um bom mirante. Pode-se visitar o local entre 10h e 16h, mas, apesar de ser gratuito, é necessário pegar um ticket de entrada no posto de informações turísticas bem em frente. Para certificar-se do horário e do funcionamento, pode-se checar no site.

Em seguida, peguei um ônibus para o Parque Rodó. Ele é um parque urbano com 85 hectares localizado no bairro de Punta Carretas. Há muitas áreas de lazer e pedalinhos para passear pelo lago. Próximo a ele há um parque de diversões.

Parque Rodó

Parque de diversões próximo ao parque Rodó

Meu dia em Montevidéu terminou aí, porém senti falta de fazer a visita guiada ao Teatro Sólis (perto da Plaza Independencia), que data de 1856. Veja sobre a programação e as visitas guiadas aqui. Não passei também pela Catedral Metropolitana, na mesma região, seguindo pela rua Sarandí. Não fiz a visita guiada no Palácio Legislativo, nem fui ao Mercado del Puerto. Há alguns museus na cidade também, a feira de artesanato Tristan Narvaja (mas visitei outra feirinha que não me recordo a localização), ou o Baar Fun Fun, para ver danças típicas. Outro local que gostaria de ter visitado é a Vinícola Bodega Bouza, a mais próxima de Montevidéu, a 15 km da cidade, onde é possível agendar uma visita guiada com antecedência pelo site. Este site fala sobre outras vinícolas no Uruguai.

La Mano, Punta del Este

La Mano, Punta del Este

La Mano, Punta del Este

No fim do dia segui para Punta del Este, eu tinha uma passagem comprada pelo site da COT. Foi com essa viação de ônibus que fiz todos os trechos rodoviários, mas existem outras também. Os ônibus são ótimos, e o wifi funciona muito bem! A viagem dura cerca de 2,5 horas (cerca de 130 km de Montevidéu). Algumas pessoas preferem alugar um carro em Montevidéu para fazer as viagens para Punta del Este e Colonia, o que também parece ser uma boa opção se está viajando com mais gente, pois as estradas são boas.

Mirador de onde sai a estradinha para a Casapueblo

Península de Punta Ballena

Casapueblo

Punta del Este é badalada e luxuosa, cheia de cassinos e festas. Lá o Rio da Prata já encontra o Oceano Atlântico. Assim como em Montevidéu, a cidade é mais agitada nos meses de verão, no inverno é um lugar mais tranquilo e pacato, porém ótimo para visitar as atrações turísticas.

Vista da Casapueblo

Casapueblo

Casapueblo

Assim que saí da rodoviária já dei de cara com a atração mais famosa de Punta: o Monumento Los Dedos (ou La Mano, ou Monumento al Ahogado), criado por Mario Irarrázabal em 1982. Corri para fazer as clássicas fotos tentando pegar o mínimo de outras pessoas possível. Porém, um minuto depois um ônibus de excursão com mais de 40 crianças chegou e elas lotaram o lugar. Por isso, retornei no dia seguinte bem cedinho, quando finalmente consegui fazer as fotos sem ninguém além de mim.

Vista da Casapueblo

Casapueblo

Península de Punta Ballena

No dia seguinte voltei à rodoviária e peguei um ônibus para a Casapueblo. Ele é o mesmo ônibus que vai de Punta del Este a Montevidéu, mas você compra na hora e paga o valor proporcional para descer na Casapueblo. Na volta para Punta del Este depois do passeio, apesar de me dizerem que não havia um ônibus de linha que fazia esse trajeto, foi num desses que voltei para a cidade. A Casapueblo fica já em Punta Ballena, a pouco menos de 15 km de Punta del Este, e o trajeto do ônibus demora cerca de 20 a 30 minutos. Ele para na rodovia, num belo mirante para a praia de Portezuelo, onde há uma placa indicando uma rua menor para a Casapueblo. Da placa se caminha 2 km, cerca de 20 minutos andando até a atração. O lugar é muito bonito, do final da península avista-se Punta Ballena. Foi por causa dessa caminhada, que finaliza numa bela vista para as praias, que senti vontade de ficar mais um dia na região, explorando os atrativos naturais dessa área.

Praia Brava, Punta del Este

Praia Brava, Punta del Este

Praia Brava, Punta del Este

A Casapueblo é uma grande e criativa construção branca que lembra muito as casinhas de Santorini, na Grécia (tema de um post futuro neste blog). Ela foi criada pelo pintor e escultor Carlos Paez Vilaró. O local é uma mistura de museu com galeria de arte, mas tem hotel e restaurante também. A visita vale a pena, porque o visual de lá é lindíssimo. Acho que é a segunda atração mais famosa para quem visita Punta del Este. Eu visitei esse local de manhã, porém, dizem que o pôr do sol de lá é espetacular! Você pode pesquisar mais detalhes do site do artista, mas ele funciona das 10h até o pôr do sol e a entrada custa 240 pesos uruguaios (pouco mais de 26 reais). Em no máximo meio período do dia você visita o local, pois não é muito grande.

Igrejinha próxima ao farol, Punta del Este

Farol, Punta del Este

Las Sirenitas, Punta del Este

Depois retornei a Punta del Este e fiz uma caminhada por toda a península, que está dividida entre as praias Brava e Mansa. Os nomes já descrevem um pouco como elas são. Eu iniciei pela praia Brava e fui contornando a península.

Localize-se na península em Punta del este, olha como é fácil! Crédito: http://www.vivapunta.com/es/contenido/vinculos/mapas/

Passando pela Playa el Emir e pela Playa de Los Ingleses, você pode acessar o Farol seguindo pela rua El Faro. Ele é bem charmoso, mas não estava aberto para visitação quando passei por lá. O Farol de Punta del Este foi construído em 1860 e tem 45 metros de altura (você pode pegar informações sobre ele e como visitar aqui).

Punta del Este

Praia perto do porto, Punta del Este

Porto, Punta del Este

Porto, Punta del Este

Retornei à rua da praia para continuar contornando a península, até encontrar, bem na ponta dela, a escultura Las Sirenitas (ou El Canto de las Sirenas), na chamada Punta de la Salina, na Plazoleta Grã-Bretanha. Apesar de deterioradas, acho essa escultura bem interessante! Seguindo a península saí numa região mais chique, onde está o Porto de Punta del Este, cheio de restaurantes e bares. Caminhei até a praia Mansa e até o hotel Conrad e seu famoso Cassino. Depois tentei ir até o Mirador La Vista, um restaurante giratório no último andar do Edifício Torreón, mas achei um pouco caro para subir e desisti.

Porto, Punta del Este

Porto, Punta del Este

Praia Mansa

Cassino Conrad

À noite retornei de ônibus (COT) para Montevidéu, de onde, no dia seguinte, fiz um bate e volta também de ônibus para Colonia del Sacramento. São 2h45 de viagem (180 km). Achei que a cidade lembra Paraty, mas bem menor. Ela é bem charmosa, mas em meio período visitei a cidade toda. Colonia foi fundada em 1680 por Portugal, sendo um centro comercial e militar na época. A parte histórica está bem preservada, e é de lá que saem as balsas para Buenos Aires, o Buquebus ou Seacat (1h de viagem).

Colonia del Sacramento

Colonia del Sacramento

Portón de Campo, Colonia del Sacramento

Chegando na rodoviária, a cerca de 10 minutos a pé, você acessa a parte histórica de Colonia pelo Portón de Campo, onde está um centro de informações turísticas que pode ajudar caso queira mais informações sobre o local. Adentrando por ele, essa parte parece um forte, dá até para subir numa parte da muralha. Seguindo você sai na Plaza Mayor. A mais clássica foto é na Calle de los Suspiros, rua mais antiga da cidade. Apesar de ser fundada por portugueses, a cidade depois passou definitivamente aos espanhóis. Ela foi tombada como Patrimônio Cultural e Natural Mundial pela Unesco em 1995.

Calle de los Suspiros, Colonia del Sacramento

Calle de los Suspiros, Colonia del Sacramento

Colonia del Sacramento

Outro ponto interessante é o farol, que está parte em ruínas, e é possível subir nele, pois há uma bela vista. Na cidade também há alguns pequenos museus, como o do Azulejo, o Municipal e o Naval, além do museu do Humor. Acabei entrando somente no museu do humor (muito criativo!) e depois curti mais passear pelas ruas históricas da cidade, o que foi bem agradável, porém, como disse, em meio período dá para conhecer tudo.

Colonia del Sacramento

Colonia del Sacramento

Farol, Colonia del Sacramento

Voltei para Montevidéu à tarde para pegar meu voo. O Uruguai me encantou, é um lugar cheio de história e muito tranquilo, e certamente retornarei para visitar os pontos que faltaram!

Vista do farol, Colonia del Sacramento

Colonia del Sacramento

Colonia del Sacramento