Quando se pensa no Maranhão, logo vêm à cabeça os Lençóis Maranhenses. Porém, o estado abriga outra joia para quem curte natureza: a Chapada das Mesas. E se você tem vontade de conhecer todas as chapadas do Brasil, terá de incluir esta na sua lista! Paredões rochosos (formando “mesas”, daí o nome dessa chapada), estonteantes cachoeiras com muita água, piscinas naturais cristalinas e belíssimas paisagens compõem o incrível cenário desse destino.

O Parque Nacional da Chapada das Mesas, criado em 2005, tem 160.046 hectares de cerrado, e está na região dos municípios de Carolina, Riachão, Estreito e Imperatriz.

Cachoeira da Prata

Cachoeira da Prata

QUANDO? A melhor época para se visitar é de maio a setembro, que é a época seca. De dezembro a março pode ser bastante chuvoso. Como é uma região bastante quente o ano inteiro, eu fui em fevereiro, passei meu carnaval por lá. De fato peguei meia hora de chuva intensa, mas nada que atrapalhou o passeio no geral.

Cachoeira São Romão

Cachoeira São Romão

COMO CHEGAR? (Ai, que pergunta difícil! rs) Sua base para visitar os atrativos da Chapada das Mesas será a pequena cidade de Carolina, no sul do estado do Maranhão. O pensamento natural seria pegar um voo para São Luís. Porém, essa seria uma das soluções mais distantes, viável somente se você fosse combinar o destino com os Lençóis Maranhenses. Isso porque a capital do estado fica a mais de 800 km de Carolina. Quando fui aos Lençóis, de fato vi algumas empresas oferecendo transfer no aeroporto de São Luís, porém não sei se hoje em dia isso está operando.

Atrás da Cachoeira São Romão

Uma das maneiras mais próximas de alcançar esse paraíso é voar para Imperatriz, cidade a pouco mais de 200 km de Carolina. Porém, hoje somente a Latam e a Azul operam esse trecho. Com a retirada do voo da Gol, esse trecho ficou um pouco mais caro no geral. Outra opção seria voar para a cidade de Araguaína, a 150 km de Carolina, que conta com os voos da Gol, Latam e Azul. Mas quando fui o trecho também estava caro. Antes havia a Voe Sete, que voava direto para Carolina, mas ela deixou de operar. Minha solução foi voar para Palmas, a 500 km de Carolina.

Encanto Azul

Encanto Azul

Se você chegar por Imperatriz, o trecho terrestre desta cidade a Carolina é feito pela JR 400. Chegando por Araguaína ou por Imperatriz, há algumas vans e ônibus que fazem o trecho até Carolina, mas pesquise com sua hospedagem ou agência os horários antes de ir. De Palmas também há um ônibus por dia. Algumas pessoas alugam carro numa dessas cidades e dirigem o trecho todo. Outra maneira é pedir para uma agência de tours de Carolina fazer o transfer para você.

Como a capital mais próxima de Carolina é Palmas (a 500 km), muitas pessoas combinam uma viagem ao Jalapão com a Chapada das Mesas, no que costumam chamar de Jalapada (Jalapão com Chapada, dããã rs).

Cachoeira Santa Paula, no complexo Santa Bárbara

Chegando na Cachoeira Santa Bárbara, no complexo Santa Bárbara

Na Chapada das Mesas os atrativos ficam distantes uns dos outros. Por isso, ou você precisará estar de carro ou, então, contratar uma agência de passeios. Se você estiver com carro comum, é possível fazer alguns dos passeios com ele, mas outros exigem um 4×4. Por isso, de qualquer forma, pelo menos para uma parte dos atrativos, você precisará contratar uma agência. Existem algumas agências em Carolina, como a Eco Trilhas (Facebook e contato da guia), a Cia do Cerrado, a Torre da Lua e o Zecatur (site e Facebook), além das agências em Palmas.

Cachoeira Santa Bárbara, no complexo Santa Bárbara

Aí era onde era pra ser o Poço Azul, no complexo Santa Bárbara, mas com a chuva, olha como ficou!

Eu contratei um tour de 4 dias pela Chapada das Mesas. Com esse período, dá para conhecer os principais atrativos. Porém, se você ficar mais, há ainda outros passeios que ficaram de fora de meu roteiro.

Hospedei-me na Pousada Casarão Carolina, que fica num antigo casarão da cidade e estava com um bom preço. A cidade foi construída na década de 1950, e marcada pela passagem da imperatriz Maria Leopoldina, uma das esposas de Dom Pedro I. A região tem mais de 500 construções em estilo colonial.

Carolina é uma cidade pequenina, mas tem uma agradável praça com várias opções de restaurantes. Há também o Museu Histórico de Carolina, que conta a história da região, mas não consegui visitar porque passei todos os meus dias em passeios de natureza.

Fiz toda a minha viagem com o Zecatur, que me ofereceu o melhor custo-benefício. Estávamos em 6 pessoas, e pedi ao Zeca para nos buscar em Palmas. Ele foi muito disposto, pois são 6 horas de viagem, e ele foi até lá nos buscar e retornou conosco dirigindo a noite toda!

Após esse longo percurso, logo de manhã, atravessamos o Rio Tocantins de balsa, de Filadélfia a Carolina, chegando finalmente à cidade. Depois de deixar as coisas na pousada, seguimos para o primeiro passeio do dia.

Complexo Pedra Caída

Complexo Pedra Caída, subindo ao mirante

Meu primeiro dia já foi num dos lugares mais incríveis da região: as cachoeiras São Romão e Prata, no rio Farinha, dentro do Parque Nacional da Chapada das Mesas. Eu considero que esse é um dos passeios que precisa de um 4×4 para chegar, pois o percurso é feito entre terra e muitos trechos só de areia. São cerca de 90 km até lá, esse é um passeio de dia inteiro.

A cachoeira da Prata é somente para contemplação. Ela tem 26 metros de altura, mas a força de suas águas impressiona. Paguei R$ 5,00 para entrar. Depois de uma trilha curta, você acessa o lugar, que rende fotos ótimas.

Em seguida, fomos para a cachoeira de São Romão, com 25 metros de altura. São cobrados R$ 10,00 para entrar. Primeiro acessamos um mirante na parte de cima. Depois, seguimos para a parte de baixo. É aí que é feita a mágica, ponto alto do passeio para mim: você pode ir atrás da cachoeira, o que é uma experiência incrível. Porém, recomendo que tome bastante cuidado, pois há muitas pedras escorregadias. Se tiver chovido muito não será possível acessar a parte de trás da cachoeira. Como eu estava com o guia, ele ajudou todo mundo a ir atrás da cachoeira com segurança. Recomendo que leve uma câmera que possa molhar ou capinha à prova d’agua para celular (você vai ficar encharcado!) para registrar esse ângulo. Nessa cachoeira já é possível banhar-se, há uma espécie de prainha. Depois da experiência almoçamos no local, que oferece uma comida simples, mas saborosa. Veja alguns vídeos da cachoeira São Romão:

No segundo dia fomos para outro lugar clássico da Chapada das Mesas. Seguimos para o Complexo Santa Bárbara, a 136 km de Carolina, em Riachão. Você paga R$ 30,00 para entrar nessa região. Antes de entrar no complexo em si, fomos adiante em direção ao Encanto Azul. Devido às chuvas das semanas anteriores, eu achei a estradinha até o Complexo um pouco complicada. Porém, muitas pessoas vão com carro de passeio até esse ponto tranquilamente, e lá contratam um 4×4 somente para o trecho final até o Encanto Azul (6 km), que custa  20,00.

Vista do mirante do Complexo Pedra Caída

Vista do mirante do Complexo Pedra Caída

Chegando lá, há uma pequena trilha com uma escadaria, descendo por um cânion. Então você terá uma visão encantadora, uma belíssima piscina natural de um azul profundo! É um local perfeito para nadar e fazer flutuação com snorkel, com trechos mais rasos e outros mais profundos, com até 6 metros. Por ser uma nascente, o poço está sempre azul, mesmo que tenha chovido.

Tirolesa no Complexo Pedra Caída

Pirâmide no topo do teleférico no Complexo Pedra Caída

Na volta entramos no Complexo para almoçar. Após o almoço, o guia nos deixou à vontade para fazer as trilhas pelas passarelas dentro do Complexo, que são todas curtas. Infelizmente, todas as águas desse local estavam amarronzadas (coisas de se fazer esse passeio na época de chuvas). Primeiro, passa-se pela cachoeira Santa Paula (também dá para acessar a parte de cima dela, se quiser, para ver a vista). Descendo por ela, primeiro pegamos a passarela para a cachoeira Santa Bárbara. Chegando lá, há uma pequena gruta e uma ponte, de onde se tem uma visão muito bonita da paisagem. A cachoeira Santa Bárbara tem 76 metros de queda e foi a mais alta que visitei na região.

Mirante no Complexo Pedra Caída

Dentro da Pirâmide no topo do teleférico no Complexo Pedra Caída

Depois seguimos para o que seria o Poço Azul, mas que infelizmente estava marrom devido às chuvas dos dias anteriores. Pelo site oficial do local você pode ver algumas fotos de como o poço fica se não houvesse chovido. No geral, mesmo tendo chovido, achei que a visita compensou, por causa do Encanto Azul e pela Cachoeira Santa Bárbara.

Dentro da Pirâmide no topo do teleférico no Complexo Pedra Caída

Em meu terceiro dia, fomos a um inusitado lugar que concentra muitas atrações, o Complexo da Pedra Caída. Lá é bem tranquilo para ir com carro de passeio, pois ele fica na rodovia, a 35 km de Carolina. O local é quase um clube e, apesar dos salgados R$ 60,00 de entrada, vale muito a pena visitar. Esse valor de visitação dá direito apenas a entrada e ao uso das piscinas (que são ótimas para relaxar, contando inclusive com um “bar molhado”). Para fazer os passeios lá dentro, você terá que pagar por atrativo, e os valores atualizados constam no site. Por isso, quando eu fui, deixei cerca de R$ 125,00 lá mais o almoço, mas eu ainda digo que vale a pena.

Passarela subindo ao mirante no Complexo Pedra Caída

Passarela subindo ao mirante no Complexo Pedra Caída

Ao entrar no complexo, você recebe uma pulseira que é uma espécie de comanda, na qual marca o que consumir e os passeios em que for. Depois você segue para uma sala de vídeo, onde assistirá um filme explicando como funciona o local e quais as opções de passeios lá dentro. Nessa hora, você já deve marcar quais atividades fará no complexo, pois cada uma tem seus horários pré-determinados.

Cachoeira do Capelão, no Complexo Pedra Caída

Cachoeira do Capelão, no Complexo Pedra Caída

Além das cachoeiras, há uma enorme tirolesa, subindo por um teleférico ou então por uma passarela. Para subir pela passarela não paga (opção que escolhi). Lá em cima há uma espécie de pirâmide, e a vista é muito bonita. Olha só os vídeos da tirolesa:

Caminho para a Cachoeira da Caverna, no Complexo Pedra Caída

Cachoeira da Caverna, no Complexo Pedra Caída

Nosso guia nos instruiu sobre quais passeios reservar, que são os melhores. Isso porque não há como conhecer todas as cachoeiras num único dia e ainda fazer a tirolesa. Primeiro seguimos para a bela cachoeira do Capelão num carro do complexo. Depois, caminhamos por uma pequena trilha por dentro d’água, mas com o rio na altura dos tornozelos. A cachoeira tem 22 metros de altura, e seu charme é que suas águas são de um tom incrivelmente azul. É uma cachoeira muito bonita e boa para nadar.

Indo para a Cachoeira da Caverna, no Complexo Pedra Caída

Cachoeira da Caverna, no Complexo Pedra Caída

Depois rumamos para a cachoeira da Caverna, com 12 metros. A entrada dela é por uma pequena passarela. Achei ela bem diferente e inusitada. Ao entrar pela caverna, depois de andar por dentro de um pequeno trecho dentro da água (na altura dos tornozelos) você logo chega na cachoeira. Ela passa por uma abertura que já deve ter sido um teto que desabou de uma antiga gruta, que hoje fica ao ar livre (por isso não é necessário lanterna).

Habitante do Complexo Pedra Caída

Trilha para o Portal da Chapada

Após visitar essas cachoeiras, voltamos ao complexo para almoçar. Logo após o almoço fomos para a atração principal do local: a cachoeira do Santuário. Você vai caminhar por um trecho de 600 metros por passarelas e rampas para acessá-la. Na hora, eu não sabia muito bem o que esperar dessa cachoeira, pois não havia visto fotos.

Vista do Portal da Chapada

Vista do Portal da Chapada

Depois das passarelas, deixamos as coisas que não podem molhar e os calçados numa área própria para isso. Daí passamos por um lindo cânion, com fios de água escorrendo pelos paredões, e conforme adentrávamos o cânion, caminhando por dentro do rio, ele ia ficando mais profundo. Chegou um trecho onde a água estava na altura da cintura. Eu já estava achando tudo lindo e especial demais, e pensei que era só isso. Porém, eis que surge a incrível surpresa: ao fazer a curva do cânion, adentramos por uma espécie de gruta ainda formada pelos paredões, com uma pequena abertura no topo, de onde despencava a belíssima cachoeira do Santuário, com 46 metros de queda. É um lugar emocionante! E você vai sair todo molhado! Por conta do ambiente não muito claro e da água respingando por todo lado, entendi por que nunca vi fotos que mostram muito bem o local. A cachoeira do Santuário é inesquecível, uma grata surpresa! Veja o que deu pra filmar dessa cachoeira, na medida do possível:

Portal da Chapada: rende muitas fotos

Morro do Chapéu

Saímos felizes do complexo da Pedra Caída! Mas ainda havia mais uma aventura no dia. No caminho de volta para Carolina, paramos num trecho da estrada onde está a trilha para o Portal da Chapada. Esse local fica a 20 km de Carolina, e é o cartão-postal da região. Dá para estacionar o carro bem ao lado da rodovia. Algumas pessoas vão lá para ver o por do sol, outras para ver o nascer, outra parte ao longo do dia. Eu fui logo após visitar o Complexo da Pedra Caída, porém, acho que esse local merecia mais tempo. Talvez o ideal fosse visitar após o passeio do dia seguinte, as cachoeiras gêmeas do Itapecuru.

Vista do Portal da Chapada

Portal da Chapada rendendo muitas fotos!

Pagamos uma pequena taxa para os guias que ficam no local nos acompanharem pelo caminho arenoso, porém curto, até o portal. Cada trecho lá em cima é uma parada para foto, todas as vistas são extremamente lindas! Por isso eu gostaria de ter ido num dia não tão cheio de atividades, para curtir mais esse belo mirante. Acho o Portal da Chapada imperdível, a vista para os paredões é maravilhosa.

Portal da Chapada: tem gente que vem de bike

Este finalmente é o Portal da Chapada

Lá de cima vê-se o morro do Chapéu, uma das chapadas onde é possível fazer uma trilha até o topo de nível médio, que não fiz nessa viagem. O Portal da Chapada seria uma abertura na rocha, perfeita para ver o por do sol. Após a empolgação com tantas fotos de ângulos e vistas diferentes, acabamos descendo já há noite pelo caminho arenoso.

Amando o Portal da Chapada

Posando com a bike dos outros rs

No quarto dia fizemos um passeio mais curto, fomos conhecer as cachoeiras gêmeas do Itapecuru. Esse local também pode ser visitado com carro de passeio, e fica a 30 km de Carolina. Lá era uma antiga hidrelétrica que acabou virando uma espécie de clube. Paga-se R$ 10,00 para entrar. Há restaurante, chuveiros e banheiros, e às vezes há alguém que aluga caiaque. As cachoeiras são conhecidas como gêmeas por ficarem lado a lado, praticamente iguais, com 8 e 10 metros, respectivamente. Achei bonito, mas é mais um local para descansar. Por isso talvez esse fosse o dia ideal para rumar para o Portal da Chapada logo em seguida, tendo, assim, mais tempo para aproveitar esse mirante.

Cachoeiras do Itapecuru

Além da trilha para o Morro do Chapéu, há outra trilha que não fiz, no Refúgio Serra Torre da Lua, que dizem ser muito bonita. Também não visitei as cachoeiras do Dodô, do Garrote, do Brilho, da Pedra Furada, da Lua, Aldeia do Leão, Mansinha, Formosinha e Sumidouro, dentre outras.

No dia seguinte nosso guia dirigiu nos levando de volta para pegar nosso voo saindo de Palmas. Fomos embora extremamente realizados com a visita a esse local tão mágico que certamente vale conhecer!