O mundo do cinema sempre inspira os viajantes. E entre uma viagem e outra, nada melhor do que curtir um belo filme que mostre alguns destinos legais de se visitar. Pensando nisso, fiz uma lista de 15 filmes que já me inspiraram a viajar (e espero que te inspirem também rs). Há muito mais filmes sobre viagem, mas vai ficar para uma segunda lista. Você já assistiu a esses filmes?

1. Na natureza selvagem

Nada melhor do que começar com um dos mais clássicos filmes sobre viagem, Na natureza selvagem. Essa é uma história baseada em fatos reais sobre Christopher McCandless, criado numa família tradicional e rígida para ser um bem-sucedido estudante e ter um futuro profissional de sucesso. Após cumprir os desejos de sua família ao se formar na universidade, Christopher larga tudo para embarcar numa vida na natureza selvagem, longe de bens materiais e da hipocrisia da sociedade. Ele inclusive muda seu nome para Alexander Supertramp, e parte em busca da verdadeira liberdade, felicidade e autoconhecimento. Nessa busca passa por lugares incríveis, navega pelo rio Colorado, segue em direção ao México e depois ruma ao Alasca, conhecendo pessoas que mudam sua vida, assim como ele muda as delas. O filme, de 2008, ainda conta com uma incrível trilha sonora de Eddie Vedder. Baseado no livro de Jon Krakauer, o filme foi dirigido por Sean Penn.

2. Na mira do chefe

Esse filme de 2008 se passa na pequena e bela cidade de Bruges, na Bélgica, e me inspirou a visitar o local. Na mira do chefe (ou, em inglês, In Bruges) é um filme de humor negro em que dois matadores (Colin Farrell e Brendan Gleeson) são enviados para Bruges a fim de aguardar instruções de seu chefe (Ralph Fiennes). Porém, sentem-se deslocados e passam a turistar pela charmosa cidade medieval. Enquanto o personagem de Colin sente-se irritado de estar lá, o de Brendan se encanta com a cidade de contos de fadas. Vale a pena ver para se inspirar com as cenas de Bruges.

3. Casa comigo

Essa comédia romântica me deu vontade de sair correndo para visitar a Irlanda. Amy Adams, nesse filme de 2010, viaja para o país atrás de uma tradição local: o dia 29 de fevereiro é o único dia do ano em que as mulheres podem pedir os homens em casamento. Porém, após aterrissar no lugar errado, ela tem que atravessar o país com a ajuda do dono de uma hospedaria. Esse doce filme mostra lindas paisagens do interior da Irlanda e me inspirou a visitar o país.

4. Sob o sol da Toscana

O livro de Frances Mayes inspirou este belo filme, com clássicas paisagens da Toscana. No filme, a escritora embarca numa viagem à Toscana após receber o pedido de divórcio de seu marido. Deprimida, a personagem ganha a viagem de uma amiga para se curar, mas chegando lá, em um impulso, resolve comprar uma casa numa vila próxima a Cortona. Pouco a pouco Frances se deixa conquistar pela Toscana, pelos amigos que faz e se apaixona novamente. E esse filme de 2004 fará você se apaixonar e correr para a Toscana!

5. Livre

Livre (Wild) a princípio não me conquistou. Porém, após ler o livro, passei a admirar totalmente esse filme. Cheryl Strayed (Reese Whiterspoon), após a repentina morte da mãe, vê sua vida desmoronar. Distancia-se da família, desiste de seu casamento e entrega-se à heroína. Porém, 4 anos depois, resolve percorrer sozinha 1.770 km pela belíssima trilha Pacific Crest Trail, a PCT, na costa oeste dos Estados Unidos. Sem nenhuma experiência em trilhas, essa jornada a ajuda a se fortalecer e se autodescobrir, uma verdadeira história de superação. Baseado em fatos reais, Livre (2015) me fez ter vontade de fazer essa trilha completa um dia. Fica a dica para ler o livro também.

6. Uma caminhada na floresta

Com Robert Redford e Nick Nolte, Uma caminhada na floresta (A walk in the woods), de 2015, se passa em outra trilha dos Estados Unidos, a Appalachian trail, na costa leste do país. Após muitos mochilões pela Europa, o personagem de Robert Redford, já na terceira idade, resolve que nunca é tarde para aproveitar a vida e convida um antigo colega de viagens para fazer a trilha dos Apalaches, de 3.000 km, e provar que mesmo nessa idade ainda há muito o que se viver. Essa caminhada cheia de hilariantes surpresas te leva para conhecer mais uma trilha dos EUA.

7. Antes do amanhecer

Esse fascinante filme com Ethan Hawke e Julie Delpy te fará ter vontade de conhecer a bela Viena, na Áustria. Na história, o americano Jesse e a francesa Celine se conhecem num trem pela Europa e ele a convence a desembarcar em Viena. Atravessando uma noite inteira passeando pela cidade, eles se conectam por meio de reflexivas e interessantes conversas e pouco a pouco se apaixonam. Antes do amanhecer (Before Sunrise, de 1995) poderia ser maçante, mas em vez disso, ele se revela uma grata surpresa, doce, leve e apaixonante. Tanto que acabou gerando duas continuações, Antes do por do sol e Antes da meia-noite.

8. Chef

Com roteiro inusitado e uma trilha sonora ótima, este filme te fará ter vontade de fazer road trips. Com Jon Fravreau, Robert Downey Jr., Dustin Hoffman, Scarlett Johansson e Sofía Vergana, o filme conta a história de um renomado chef de cozinha que adora inovar, mas um dia recebe a visita de um crítico gastronômico que “detona” com suas opiniões negativas. O personagem, de gênio forte, acaba sendo demitido e a briga viraliza na internet. Sem perspectiva de arrumar emprego em outro restaurante ele resolve tentar a sorte com um food truck de lanches mexicanos e, viajando pelos EUA, redescobre o entusiasmo pela vida, pela gastronomia e o amor. Este filme leve e engraçado de 2014 não deixa de ser uma história de superação e vai te inspirar em muitos sentidos.

9. The fundamentals of caring

Também sobre uma road trip, esse filme de 2016 com Paul Rudd conta a história de Ben, um escritor frustrado com os problemas da vida, que decide se aventurar por uma nova carreira, a de cuidador. Porém, seu primeiro cliente é Trevor, um adolescente com distrofia muscular reclamão, mal-humorado e sarcástico que nenhum cuidador aguenta. Após descobrir os desejos do jovem de conhecer alguns lugares do país que ele via no noticiário, sobretudo um local que era dito o buraco mais fundo do mundo, Ben decide levá-lo para provar que é possível superar seu problema e realizar seus sonhos. Aos poucos eles se entendem e o filme mostra o valor que devemos dar às coisas simples da vida e à amizade.

10. O caminho

O caminho, ou The way, me fez ter vontade de embarcar já para a Europa e fazer o caminho de Santiago de Compostela. No filme, o filho de Tom (Martin Sheen) está prestes a iniciar o caminho de Santiago quando acaba perdendo a vida em uma fatalidade. Tom viaja para a França a fim de recolher o corpo de seu filho, mas, ao chegar lá, decide realizar o desejo dele: resolve na hora fazer o Caminho de Santiago, sem nenhum preparo ou experiência, levando as cinzas do filho. Durante essa peregrinação Tom encontra companheiros únicos de viagem e aprende que “você não escolhe uma vida, você vive uma”.

11. A vida secreta de Walter Mitty

Neste filme de 2013 com Ben Stiller, seu personagem Walter Mitty trabalha na revista Life como laboratorista de fotografias. Walter Mitty é um cara normal, cheio de sonhos, mas preso na rotina. Após receber os negativos das fotos da nova edição percebe que falta uma, a que deveria, segundo o famoso fotógrafo que as fez (Sean Penn), entrar como capa da revista. Isso funciona como um gatilho para que Walter Mitty saia em uma jornada atrás da foto faltante e seu fotógrafo, o que o faz sair da zona de conforto, passando por lugares belíssimos e mudando sua vida!

12. Up! Altas aventuras

Esta animação de 2009 me inspirou a procurar a terra das cachoeiras gigantes! E colocando esses dizeres do filme no Google, a princípio não achei o Monte Roraima e o Salto Angel, locais em que o filme se baseia, mas sim, a bela terra de cachoeiras gigantes brasileira, a paranaense Prudentópolis! Em seus primeiros minutos, o filme já é capaz de arrancar lágrimas de muita gente, contando a história de vida de Carl e sua amada Ellie, que se conheceram na infância e sempre sonharam em uma aventura na América do Sul. Porém, com o passar dos anos e muitas dificuldades, Ellie falece após uma vida de amor e alegrias ao lado de Carl. O personagem torna-se um velho rabugento, que é surpreendido com um empreendimento imobiliário que quer derrubar sua casa. É nessa hora que a história e a vida de Carl sofrem uma reviravolta: ele amarra milhares de balões à sua casa, que sai voando, porém, com um intruso, o escoteiro Russell. Assim eles saem em direção finalmente à terra das cachoeiras gigantes, o local em que Carl e sua falecida esposa sempre desejaram morar. O filme é uma lição de vida que diz para nunca desistir de seus sonhos!

13. Hector e a procura da felicidade

Hector é um psiquiatra que está à procura de resolver os problemas de seus pacientes e ajudá-los a encontrar a felicidade. Ao lado de sua esposa Clara, ele mesmo não sabe o verdadeiro significado da felicidade e vive em meio a dúvidas existenciais. Então ele decide sair pelo mundo procurando esse real significado para as pessoas e através de suas experiências. Nessa jornada ele visita a China, a África e Los Angeles, e com as pessoas que encontra, tira suas conclusões sobre o real valor da existência e da felicidade. É um filme (2016) leve, doce e cheio de lições de vida, com um toque de humor, mostrando belos lugares do mundo.

14. Copenhagen

Esse filme de 2014 me fez ter vontade de conhecer a bela cidade de Copenhagen. William é um imaturo jovem de 28 anos que viaja pela Europa e decide procurar por seu avô na cidade de Copenhagen. Lá ele conhece a jovem Effy, que o auxilia em sua busca, mas sem perceber, apesar de sua pouca idade, o ajuda a resolver seus problemas de maturidade. Com as cenas do filme, a Dinamarca entrou na minha lista de países a visitar!

15. Trilhas

Este filme é baseado no livro Trilhas (Tracks) de Robyn Davidson. O filme, de 2013, adapta as memórias de Robyn, que em 1977 cruzou sozinha os desertos australianos por 2.700 km em direção ao mar com sua cadela e 4 camelos. Com o papel interpretado por Mia Wasikowska, Robyn parte numa jornada de autoconhecimento. Ela aprende a treinar os camelos e aceita um patrocínio da National Geographic, que impõe a condição de que um fotógrafo a encontre em alguns pontos para fotografá-la para a revista. Nessa envolvente história de trekking Robyn enfrenta o extremo calor do deserto, a fome e a sede, cobras e camelos selvagens, sendo uma bela inspiração para trekkings de longa distância através da figura dessa forte heroína.

Pensa numa vila rústica e charmosa em uma praia perfeita. Pensou? Bem-vindo à Guarda do Embaú! Essa é uma das maravilhas do litoral catarinense, entre Floripa, Bombinhas, praia do Rosa e outras. Pertencente ao município de Palhoça, a Guarda fica a 50 km de Floripa sentido sul do estado.

Vilinha da Guarda do Embaú

Este é o rio da Madre

Conhecido reduto de surfistas por suas boas ondas, a Guarda do Embaú reserva também ótimas caminhadas, mirantes e piscinas naturais, além de ser considerada uma das 10 praias mais belas do Brasil. Fora isso, a diversão à noite é garantida com seus bares, restaurantes e lojinhas de artesanato.

Trilha do lado esquerdo do rio da Madre

É bem sinalizado!

A época do ano para visitar? É praia! Bora no verão! Mas evite períodos como Ano Novo e Carnaval, as estradas de Santa Catarina costumam acumular muito trânsito nessas épocas. Eu fui num feriado em novembro, e fiz um corridão, visitei em 4 dias inteiros:

– 1 dia na Guarda do Embaú

– 1 dia na Praia do Rosa

– 1 dia em Bombinhas

– 1 dia em Balneário Camboriú

Encontro do rio da Madre com o mar

Mirante da Pedra do Urubu (e a foto que abre o post também!)

É suficiente? Faltaram algumas coisas para conhecer. E foi um corridão, não tive muito tempo para ficar curtindo praia. Mas para esta pessoa hiperativa aqui foi ótimo! Neste relato descreverei os dois primeiros dias, Guarda do Embaú e Praia do Rosa. E em outro ficam Bombinhas e Balneário Camboriú.

Outro lado do mirante da Pedra do Urubu

Zoom na praia da Guarda!

Ou seja, se você quiser, é possível passar um fim de semana somente na Guarda, ou então fazer só Guarda e Praia do Rosa se só tiver esses poucos dias.

Trilha da Guarda até a praia da Pinheira

Trilha da Guarda até a praia da Pinheira

Para chegar à Guarda, se você for de algum estado longínquo, precisará pegar um voo para Florianópolis. De lá poderá seguir para a Guarda ou alugando um carro, opção que fiz, ou pegando um ônibus para a Praia da Pinheira com a Jotur ou a Santo Anjo.

Trilha da Guarda até a praia da Pinheira

Trilha da Guarda até a praia da Pinheira

Cheguei na Guarda e, após deixar as coisas em minha hospedagem, fui a pé para a praia. A Praia da Guarda é dividida da vilinha pelo rio da Madre. Essa praia parece ótima para curtir o dia e tem uma boa extensão para andar. Porém, para acessá-la você precisa atravessar o rio, a pé se a maré estiver baixa e de barquinho se estiver alta. No local há vários barqueiros que cobram R$ 3,00 para atravessar.

Trilha da Guarda até a praia da Pinheira: a vila da Guarda tá lá longe!

Trilha da Guarda até a praia da Pinheira: Guarda ao fundo

Como fui direto para as trilhas, não precisei atravessar o rio, mas sim, margeei pelo canto esquerdo. Desse modo, se prosseguir, você passará pela praia do Evori. Porém, minha primeira trilha foi para a Pedra do Urubu.

Trilha da Guarda até a praia da Pinheira: Prainha ao fundo

Essa é a Prainha

A Pedra do Urubu é um belíssimo mirante com uma incrível vista! Seguindo por essa trilha que mencionei, margeando o lado esquerdo do rio, você encontrará uma bifurcação à esquerda (há uma placa indicando). Pegue-a, depois mantenha sempre à direita. (Como toda trilha, indico sempre ir de tênis.) O começo da trilha é mais suave, depois, mais para o final, a subida fica mais íngreme. São uns 25 minutos de trilha mais ou menos. Apesar desse esforço final da subida, achei a caminhada relativamente tranquila. Chegando lá me emocionei com a lindíssima vista!

Trilha da Guarda até a praia da Pinheira: essa área é mais rural

Trilha da Guarda até a praia da Pinheira: trilha demarcada, passe pela porteira

Após descer pelo mesmo caminho que vim, fui fazer a segunda caminhada mais esperada da região, a trilha da praia da Guarda do Embaú até a praia da Pinheira. Seria na direção que prosseguiria se não tivesse pegado o desvio à esquerda para o mirante da Pedra do Urubu. Há uma placa indicando Prainha. São mais ou menos 7 km de caminhada, mas achei tranquilo. Só havia um trecho com pedras para subir, mas foi bem fácil.

Trilha da Guarda até a praia da Pinheira: siga o caminho

Praia do Maço, no vale da Utopia

Antes de continuar, veja a seguir o mapa dessa trilha. Eu não atravessei o rio, como mostrado nesse mapa. Em vez disso, segui margeando perto do ponto azul que está fora da rota. O ponto azul fora da orla é a Pedra do Urubu.

Clique para aumentar. Mapa da trilha da Guarda do Embaú até a praia da Pinheira. Fonte: http://pousadaraizesdaguarda.com.br/website/trilhas-na-guarda-do-embau/

Praia do Maço, no vale da Utopia

Praia do Maço, no vale da Utopia

Você passará por lindas paisagens. A primeira praia que encontrará será a Prainha. Muita gente pega esse caminho só para ir até ela, e volta por onde veio. Continuando você passará por belos costões rochosos muito bons para apreciar e fotografar. Nesse trecho, a área parece ficar um pouco mais rural, e é possível encontrar vacas pelo caminho. Siga pela porteira que está lá para as vacas não passarem e verá que a trilha está demarcada pelo trecho mais gasto do gramado.

Trilha da praia do Rosa até a Praia Vermelha

Trilha da praia do Rosa até a Praia Vermelha

Trilha da praia do Rosa até a Praia Vermelha: praia do Rosa ao fundo

Continuando, você chegará num local extremamente bonito: o Vale da Utopia, que abriga a linda Praia do Maço. Essa região é um reduto de hippies, mas quando passei não havia ninguém. Após comprar algo para beber no Bar da Praia do Maço, segui pela trilha até a Praia de Cima. Parece que nessa região há algumas piscinas naturais formadas pelas pedras que dizem ser muito boas para banho. Continuando, finalmente alcancei a Praia da Pinheira.

Trilha da praia do Rosa até a Praia Vermelha: chegando na Praia Vermelha

Saindo da Rosa Sul sentido praia do Luz

Essa parte já é urbana, e de lá, não precisei voltar para a Guarda pelo caminho que vim, mas voltei pela cidade. Esse trecho entre as ruas da cidade até a Guarda é bem menor que a trilha pela praia, são só 2 km, por isso cheguei de volta bem rápido (claro que essa distância depende do quanto você andar pela praia). Quem estiver hospedado na Praia da Pinheira pode fazer esse percurso todo que fiz ao contrário. Não se esqueça, para esse trajeto, de levar água, protetor solar e um lanchinho.

Saindo da Rosa Sul sentido praia do Luz: vista de cima do costão direito

Saindo da Rosa Sul sentido praia do Luz: praia do Rosa ao longe

Praia do Luz

No outro dia peguei o carro e fui até a praia do Rosa, no município de Imbituba, cerca de 30 km sentido sul do estado a partir da Guarda. Chegando lá minha primeira caminhada foi para o lado esquerdo da praia (via Rosa Norte). Lá há uma trilha bem fácil por cima de passarelas que leva até a Praia Vermelha, e se quiser pode continuar também até a praia do Ouvidor.

Lagoa de Ibiraquera

Praia do Luz

Depois retornei por onde vim e fui explorar o lado direito da praia do Rosa (seria Rosa Sul). Achei a vista desse lado mais bonita, conforme subia no costão os ângulos variavam, até eu encontrar o ponto perfeito para fotos. Continuando a caminhada, saí na praia do Luz, onde havia muitos praticantes de kitesurf, e seguindo mais um pouco saí na lagoa de Ibiraquera, onde havia várias pessoas curtindo a água. Aparentemente, essa lagoa é muito grande e eu poderia ter explorado mais o local.

Vista da Praia do Rosa de cima do costão direito

Vista da Praia do Rosa de cima do costão direito

Praia do Rosa

Depois retornei por onde vim, e segui para a região central da Praia do Rosa, onde está a Lagoa do Meio, também muito agradável para nadar. Para se localizar melhor, veja o mapa a seguir. Dizem que nessa região, nos meses de julho a novembro, é possível avistar baleias franca. Faltou conhecer a Praia da Ferrugem, que dizem ser muito bela. As caminhadas pela praia do Rosa oferecem belos mirantes e são bem agradáveis para quem gosta desse tipo de passeio, se não, a praia e a lagoa do Meio servem muito bem para passar o dia.

Clique para aumentar. Mapa da região da Praia do Rosa. Fonte: http://www.cabanasuhuru.com.br/imagens/mapa.jpg

Praia do Rosa

Lagoa do Meio, na praia do Rosa

Tanto na Guarda do Embaú quanto na Praia do Rosa achei tranquilo caminhar sozinha, e encontrei outros turistas passeando por essas trilhas. Esses dois destinos são encantadores e, independente do seu estilo de viagem, são locais que agradam a todos que visitam.

Tchau, praia do Rosa!

Escolher quais visitar entre 6000 ilhas gregas não é tarefa nada fácil, apesar de somente 227 serem habitadas (e mesmo assim, só 80 têm mais de 100 habitantes). Por isso, é certo que apenas em uma viagem à Grécia não será possível conhecer todas.

Estrada em Zakynthos

Península próxima a Porto Vromi vista da estrada

Para facilitar sua escolha, primeiro você precisa entender a geografia grega e o mar Egeu. As ilhas gregas são divididas em grupos: as Cíclades, o Dodecaneso, as Espórades, as Jônicas, as Sarônicas e as do norte do mar Egeu. Para entender melhor, veja o mapa:

Clique para abrir. Crédito mapa: http://www.greekisland.co.uk/greeks/greek-maps.htm

Estradinha para Porto Vromi

Vista da estradinha para Porto Vromi

No conjunto das ilhas Cíclades estão as famosas Santorini e Mykonos. Já Creta, maior ilha da Grécia, está na porção meridional do mar Egeu. Rhodes está no Dodecaneso. E o tema desta postagem, Zakynthos, além da Cefalônia e de Corfu, está entre as ilhas Jônicas.

Chegando em para Porto Vromi

Porto Vromi

Precisei pesquisar em muitos e muitos blogs para descobrir quais ilhas eu gostaria de ir em minha primeira visita à Grécia. Por fim, escolhi Santorini, Zakynthos e Cefalônia. Como eu queria ver aquela famosa arquitetura grega de casinhas brancas e tetos azuis, a escolha foi uma das ilhas Cíclades: Santorini. Isso porque é uma região com esse tipo de arquitetura, além de mais árida e com algumas ilhas vulcânicas. Essa ilha será tema de outro relato, mas por ela, eu vi que nem todas as ilhas gregas têm aquele mar azul brilhante. Que essas ilhas vulcânicas apresentam areia escura, ou até pedrinhas pretas no lugar de areia, e como é a cor da areia que determina a “cor” do mar, este seria “escuro”, apesar de transparente.

Porto Vromi

Porto Vromi: não é qualquer porto

Mas eu também queria ter a experiência com a qual sempre sonhei, aquele mar de filme, estonteantemente azul! Então eu consegui isso escolhendo as ilhas Jônicas, com um clima mais temperado e vegetação mais abundante. Esse conjunto de ilhas teve muita influência italiana, então você não encontrará as casinhas brancas das ilhas Cíclades. Por fim, eu queria conhecer a “praia mais bonita do mundo”, assim denominada pelo TripAdvisor. E queria conhecer mais uma outra ilha próxima, mas que também fosse paradisíaca. Escolha natural? Zakynthos e Kefalonia, bem próximas uma da outra!

Embarcando em Porto Vromi

Embarcando em Porto Vromi

Como são destinos de praia, a melhor época para visitar é sempre o verão, de junho a setembro.

Para chegar, se está vindo do Brasil, provavelmente precisará pegar voo para alguma capital da Europa. E de onde estiver, é provável que antes você visite Atenas.

Chegando na Navagio Beach

Finalmente: Navagio Beach

Você pode chegar a Zakynthos de várias formas.

Se for de avião:

Existem algumas cidades da Europa que oferecem voos diretos para Zakynthos. Mas de Atenas com certeza tem. Portanto, consulte os sites da Aegean Air, da Olympic Air, da EasyJet e da Ryanair. Eu viajei de Atenas a Zakynthos com a Aegean, os preços estavam muito bons e é apenas 1 hora de voo.

Navagio Beach: um sonho!

Navagio Beach: é muito azul!

Se for de ônibus (ou carro alugado) + ferry boat:

Em Atenas você pode pegar um ônibus no terminal KTEL (Rua Kifissou, 100). Esses são os preços e horários que ligam a capital do país a Zakynthos. São 3,5 horas de viagem.

Navagio Beach: praia do coração <3

Navagio Beach: paraíso azul

Na verdade, de ônibus (ou carro), você primeiro precisa ir até Kilini (ou Kyllini). Esse é o ponto no continente onde você pegará o ferry boat, e daí pode ser ou para Zakynthos ou para Kefalonia. A Kefalonian Lines e a Levante Ferries são as empresas de ferry boat que fazem o trajeto de Kilini a Zakynthos (ou a Kefalonia) e vice-versa. Nos sites você pode ver os preços atualizados, bem como os horários. O percurso é de 1 hora. (Note que há um preço para quem atravessa a pé e outro a mais para quem vai atravessar com um carro.)

Navagio Beach: sonhando

Navagio Beach: naufrágio que deu nome à praia

No verão, há também 2 horários por dia para fazer o trecho de ferry entre Zakynthos e Kefalonia, porém, como são poucos horários e o ferry não sai do centrinho principal de Zakynthos, mas sim de um lugar mais distante (Agios Nikolaos), achei que seria mais trabalhoso, no meu caso, ir de uma ilha à outra dessa forma, e preferi, assim, sair de Zakynthos, ir a Kilini e de Kilini a Kefalonia. Porém, se você tiver alugado um carro em Atenas e for atravessar para as ilhas no ferry com esse carro, imagino que será mais fácil circular pela ilha e escolher sua logística perfeita.

Navagio Beach: paraíso azul

Navagio Beach: navio Panagiotes

Eu comprei na hora o ferry e foi bem tranquilo, mas há muitos sites que vendem antecipado tanto esse trecho das ilhas jônicas quanto outros por toda a Grécia (por exemplo, Danae e Ionian Group e Paleologos e Ioninanpelagos e Helenic Sea Ways e Greek Ferries e Blue Star Ferries e Ferries.gr e Ferries Greek Islands e Anek). Quando fui a Santorini comprei antecipado. Escolhi o site mais simpático e deu certo rs. Foi pelo Greek Ferries. A compra foi pela internet, mas fui em Atenas na agência trocar o voucher pela passagem em si. Todos os ferries que peguei na Grécia mais pareciam navios de luxo, com wi-fi e restaurante (nada que lembre, por exemplo, as travessias de balsa de Santos a Guarujá ou de São Sebastião a Ilhabela rs).

Navagio Beach: canto esquerdo

Outra praia próxima a Navagio Beach

Zakynthos (ou Zaquintos ou Zante) é a terceira maior ilha jônica (Ionian Islands), com cerca de 45 km de extensão (125 km de litoral). Porém, as estradinhas da ilha muitas vezes são estreitas, apesar de todas asfaltadas e, por isso, é certo que você levaria mais de 1h para ir do sul até o norte.

Outra praia próxima a Navagio Beach: segunda parada do barco

Praia próxima a Navagio Beach: tão azul quanto

Eu me hospedei na região de Keri, na parte sul da ilha, e a escolha foi totalmente baseada no preço. Fiquei numa pousada onde o quarto era equipado com fogão e geladeira, o que me permitia cozinhar. Veja no mapa abaixo para se localizar melhor. Por esse mapa, os ferries para e de Kilini chegam onde está escrito Zakynthos, que seria como se fosse o “centrinho” da ilha, com maior quantidade de lojas, restaurantes e serviços. O aeroporto está um pouco à esquerda (perto de onde está escrito Kalamaki). Keri fica na extrema esquerda no sul. Se você for fazer o trajeto entre Zakynthos e Kefalonia direto, sem passar por Kilini, os ferries saem do extremo norte, onde está escrito Agios Nikolaos e Skimari. E onde está escrito Shipwreck, no norte do lado direito, é nossa menina dos olhos, o motivo de visitar Zakynthos, a Navagio Beach (ou Shipwreck, ou praia do Naufrágio). Observe também no mapa do lado esquerdo, entre Keri e Shipwreck, os highlights Porto Limnionas e Porto Vromi.

Clique para abrir maior. Crédito: http://www.zanteisland.com/en/zakynthos-maps.php

Clique para abrir maior. Crédito: http://www.bellavistazante.gr/en/about-zante

Praia próxima a Navagio Beach

Eu passei 2,5 dias em Zakynthos, e foi suficiente para conhecer os destaques que eu queria. Porém, depois que voltei descobri outros lugares que gostaria de ter visitado na ilha. Por exemplo, saindo de Keri há um passeio de barco que parece ser bem interessante a uma ilha chamada Marathonissi, um ponto de preservação de tartarugas, ou outras praias ao norte e ao leste da ilha (por exemplo, Xigia, Little Xigia e Makris Gialos), ou, ainda, alguns pontos históricos e a noite no distrito de Laganas. Descobri também que há agências que oferecem passeios diferenciados de bike e de caiaque, como a Zante Blue.

Passeio de barco a Navagio Beach

Blue Caves

Blue Caves

Cometi um erro muito bobo, por falta de pesquisa. Portanto, leiam e releiam este blog e todos os que puderem antes de fazerem suas viagens. Eu cheguei em Zakynthos e descobri um fato: não há transporte público em Zakynthos. E você não vai conseguir ir a pé até os lugares que quiser visitar.

Blue Caves: azul neon

Entrando nas Blue Caves

Na verdade, minha ideia era ir de táxi para todos os lugares. Porém, ao chegar lá, descobri que pegar um táxi é uma “pequena facada”. Foi uma experiência da qual depois dei risada, mas que na hora me deixou aflita. Mostrei o endereço de minha pousada para um taxista. Ele me deixou numa estrada de terra com algumas casas, apontou uma, fez uma ligação (em grego) e me disse que era lá, e então foi embora. Depois de esperar 40 minutos e encarar a realidade de que ele não conhecia o endereço, mas também não quis perder a corrida, saí nervosa caminhando com minha cargueira pela rodovia, sem saber para qual direção andar. Felizmente, depois de meia hora andando achei uma pequena vila. Lá achei uma locadora de carros e descobri que minha hospedagem era muito próxima.

Num ponto próximo às Blue Caves

Num ponto próximo às Blue Caves

Portanto, anotem: a melhor maneira de de circular pela ilha e conhecer Zakynthos e seus atrativos é alugando um carro, ou uma scooter, ou um quadriciclo. Depois de corrigir meu erro e alugar um carro (que consegui dividir com uma simpática japinha que conheci na locadora em Keri), fomos direto para um lugar único no mundo: Navagio Beach!

Blue Caves: são várias

Outra praia próxima às Blue Caves

Navagio Beach (ou Shipwreck) tem esse nome por conta de um antigo navio encalhado na praia, que acrescenta charme a um lugar que já é charmoso por natureza. Dizem que na década de 1980 o navio Panagiotes, que era de piratas, servia ao contrabando, traficava tabaco e bebidas e, ao encalhar, acabou sendo abandonado por lá.

Outra praia próxima às Blue Caves

Na verdade são pedrinhas, não areia

Para acessar essa praia, você terá que pegar um barco de um desses 3 lugares: Porto Vromi, Agios Nikolaos ou Skinari. Porém, como Porto Vromi é o local mais próximo, é também onde o valor do barco será o mais barato.

Vista do mirante da Navagio Beach

Mirante da Navagio Beach: navio naufragado

Dirigimos até Porto Vromi e, ao se aproximar, já da rodovia a visão de um mar azul nos deixava sem fôlego! Para acessar o local você desce por uma estreita e cheia de curvas estradinha, é preciso ir devagar e com atenção. Porém, quanto mais próximo chegávamos mais bonito ficava. Estacionamos em Porto Vromi e o lugar não parecia em nada com um porto comum. Isso porque o lugar é extremamente paradisíaco! Claro, é um local de onde saem barcos, mas eu poderia tranquilamente passar umas boas horas nadando por lá e curtindo a prainha de Porto Vromi.

Vista do mirante da Navagio Beach

Mirante da Navagio Beach: uma prainha escondida

Pegamos um pequeno barco a 15 euros para acessar a Navagio Beach. Rapidamente avistamos as falésias que cercam a famosa praia. É um lugar encantado! Descemos na praia de areias brancas e mar quente e curtimos 1 hora por lá. Eu ouvi dizer que se você quiser aproveitar mais tempo, é possível pedir ao barqueiro para voltar em outro barco, mas não tenho certeza dessa informação. Depois fizemos uma segunda parada numa outra praia próxima, tão paradisíaca quanto a Navagio, só que sem o navio e sem o excesso de turistas. Essa segunda parada numa praia próxima também vale muito a pena.

Mirante da Navagio Beach: estou encantada!

Mirante da Navagio Beach: imensidão azul

Em seguida fomos para as Blue Caves. É uma parte bem interessante do passeio, pois o barco entra em cavernas, onde podemos saltar para mergulhar, e a luz que vem de fora “acende” o azul do mar visto de dentro das cavernas.

Mirante da Navagio Beach: admirada

Naufrágio visto de cima

Após retornar ao estacionamento, pegamos o carro e fomos conhecer o famoso mirante para a Navagio Beach, na região de Volimes. Voltando para a rodovia principal e seguindo sentido norte até o mirante são 14 km. Há um mirante oficial com uma espécie de plataforma. Porém, a vista dele não é muito boa. Para se ter aquela vista perfeita, você precisa ir se distanciando para a direita, para os mirantes “não oficiais”. Tome cuidado nas pedras, mas conforme caminha terá as mais incríveis vistas do alto da Navagio Beach. É algo fantástico e que com certeza ficará para sempre no seu coração! Após muitas fotos dos mais diversos ângulos, curtimos um belíssimo por do sol de filme lá do mirante!

Mirante da Navagio Beach: até foto de casamento lá em cima

Mirante da Navagio Beach: esse casal com certeza é feliz

Mirante da Navagio Beach: conforme caminha você tem ângulos diferentes

Em meu segundo dia aproveitei para curtir outras praias que passamos no caminho do dia anterior. Primeiro fui a Porto Limnionas. Depois do dia anterior, confesso que não esperava tanto das outras praias. Porém, o local é super lindo e agradável, é um braço de mar cercado por pedras (não tem areia), um ótimo local para nadar.

Mirante da Navagio Beach: sol baixando

Mirante da Navagio Beach: um belo local para ver o por do sol

Mirante da Navagio Beach: belíssimo por do sol

Depois segui para Marathia, onde havia alguns pontos para nadar perto das pedras e parei para almoçar num restaurante local. Aqui, aproveito para ressaltar que todas as refeições que fiz na Grécia no geral foram na faixa de 10 euros incluindo a bebida.

Casal admirado com o por do sol visto do mirante da Navagio Beach

Porto Limnionas

Porto Limnionas

Após almoçar fui conhecer a praia de Keri. Achei essa praia mais simples comparada com as outras. Quando visitei, não sabia que de lá saem os barcos a Marathonissi, a ilha em frente, esse sim um lugar que vale a pena. Mas fica como um motivo para voltar no futuro.

Curtindo o Porto Limnionas

Marathias

Marathias

Fui embora de Zakynthos realizada, mas ainda tinha a Kefalonia para visitar. E ressalto que considero sim a Navagio Beach a praia mais linda do mundo, inclusive muito à frente das praias da Tailândia. Fecho este relato com um site com um pequeno dicionário inglês-grego para se inteirar um pouco do idioma.

Praia de Keri

Praia de Keri

Quando se pensa no Maranhão, logo vêm à cabeça os Lençóis Maranhenses. Porém, o estado abriga outra joia para quem curte natureza: a Chapada das Mesas. E se você tem vontade de conhecer todas as chapadas do Brasil, terá de incluir esta na sua lista! Paredões rochosos (formando “mesas”, daí o nome dessa chapada), estonteantes cachoeiras com muita água, piscinas naturais cristalinas e belíssimas paisagens compõem o incrível cenário desse destino.

O Parque Nacional da Chapada das Mesas, criado em 2005, tem 160.046 hectares de cerrado, e está na região dos municípios de Carolina, Riachão, Estreito e Imperatriz.

Cachoeira da Prata

Cachoeira da Prata

QUANDO? A melhor época para se visitar é de maio a setembro, que é a época seca. De dezembro a março pode ser bastante chuvoso. Como é uma região bastante quente o ano inteiro, eu fui em fevereiro, passei meu carnaval por lá. De fato peguei meia hora de chuva intensa, mas nada que atrapalhou o passeio no geral.

Cachoeira São Romão

Cachoeira São Romão

COMO CHEGAR? (Ai, que pergunta difícil! rs) Sua base para visitar os atrativos da Chapada das Mesas será a pequena cidade de Carolina, no sul do estado do Maranhão. O pensamento natural seria pegar um voo para São Luís. Porém, essa seria uma das soluções mais distantes, viável somente se você fosse combinar o destino com os Lençóis Maranhenses. Isso porque a capital do estado fica a mais de 800 km de Carolina. Quando fui aos Lençóis, de fato vi algumas empresas oferecendo transfer no aeroporto de São Luís, porém não sei se hoje em dia isso está operando.

Atrás da Cachoeira São Romão

Uma das maneiras mais próximas de alcançar esse paraíso é voar para Imperatriz, cidade a pouco mais de 200 km de Carolina. Porém, hoje somente a Latam e a Azul operam esse trecho. Com a retirada do voo da Gol, esse trecho ficou um pouco mais caro no geral. Outra opção seria voar para a cidade de Araguaína, a 150 km de Carolina, que conta com os voos da Gol, Latam e Azul. Mas quando fui o trecho também estava caro. Antes havia a Voe Sete, que voava direto para Carolina, mas ela deixou de operar. Minha solução foi voar para Palmas, a 500 km de Carolina.

Encanto Azul

Encanto Azul

Se você chegar por Imperatriz, o trecho terrestre desta cidade a Carolina é feito pela JR 400. Chegando por Araguaína ou por Imperatriz, há algumas vans e ônibus que fazem o trecho até Carolina, mas pesquise com sua hospedagem ou agência os horários antes de ir. De Palmas também há um ônibus por dia. Algumas pessoas alugam carro numa dessas cidades e dirigem o trecho todo. Outra maneira é pedir para uma agência de tours de Carolina fazer o transfer para você.

Como a capital mais próxima de Carolina é Palmas (a 500 km), muitas pessoas combinam uma viagem ao Jalapão com a Chapada das Mesas, no que costumam chamar de Jalapada (Jalapão com Chapada, dããã rs).

Cachoeira Santa Paula, no complexo Santa Bárbara

Chegando na Cachoeira Santa Bárbara, no complexo Santa Bárbara

Na Chapada das Mesas os atrativos ficam distantes uns dos outros. Por isso, ou você precisará estar de carro ou, então, contratar uma agência de passeios. Se você estiver com carro comum, é possível fazer alguns dos passeios com ele, mas outros exigem um 4×4. Por isso, de qualquer forma, pelo menos para uma parte dos atrativos, você precisará contratar uma agência. Existem algumas agências em Carolina, como a Eco Trilhas (Facebook e contato da guia), a Cia do Cerrado, a Torre da Lua e o Zecatur (site e Facebook), além das agências em Palmas.

Cachoeira Santa Bárbara, no complexo Santa Bárbara

Aí era onde era pra ser o Poço Azul, no complexo Santa Bárbara, mas com a chuva, olha como ficou!

Eu contratei um tour de 4 dias pela Chapada das Mesas. Com esse período, dá para conhecer os principais atrativos. Porém, se você ficar mais, há ainda outros passeios que ficaram de fora de meu roteiro.

Hospedei-me na Pousada Casarão Carolina, que fica num antigo casarão da cidade e estava com um bom preço. A cidade foi construída na década de 1950, e marcada pela passagem da imperatriz Maria Leopoldina, uma das esposas de Dom Pedro I. A região tem mais de 500 construções em estilo colonial.

Carolina é uma cidade pequenina, mas tem uma agradável praça com várias opções de restaurantes. Há também o Museu Histórico de Carolina, que conta a história da região, mas não consegui visitar porque passei todos os meus dias em passeios de natureza.

Fiz toda a minha viagem com o Zecatur, que me ofereceu o melhor custo-benefício. Estávamos em 6 pessoas, e pedi ao Zeca para nos buscar em Palmas. Ele foi muito disposto, pois são 6 horas de viagem, e ele foi até lá nos buscar e retornou conosco dirigindo a noite toda!

Após esse longo percurso, logo de manhã, atravessamos o Rio Tocantins de balsa, de Filadélfia a Carolina, chegando finalmente à cidade. Depois de deixar as coisas na pousada, seguimos para o primeiro passeio do dia.

Complexo Pedra Caída

Complexo Pedra Caída, subindo ao mirante

Meu primeiro dia já foi num dos lugares mais incríveis da região: as cachoeiras São Romão e Prata, no rio Farinha, dentro do Parque Nacional da Chapada das Mesas. Eu considero que esse é um dos passeios que precisa de um 4×4 para chegar, pois o percurso é feito entre terra e muitos trechos só de areia. São cerca de 90 km até lá, esse é um passeio de dia inteiro.

A cachoeira da Prata é somente para contemplação. Ela tem 26 metros de altura, mas a força de suas águas impressiona. Paguei R$ 5,00 para entrar. Depois de uma trilha curta, você acessa o lugar, que rende fotos ótimas.

Em seguida, fomos para a cachoeira de São Romão, com 25 metros de altura. São cobrados R$ 10,00 para entrar. Primeiro acessamos um mirante na parte de cima. Depois, seguimos para a parte de baixo. É aí que é feita a mágica, ponto alto do passeio para mim: você pode ir atrás da cachoeira, o que é uma experiência incrível. Porém, recomendo que tome bastante cuidado, pois há muitas pedras escorregadias. Se tiver chovido muito não será possível acessar a parte de trás da cachoeira. Como eu estava com o guia, ele ajudou todo mundo a ir atrás da cachoeira com segurança. Recomendo que leve uma câmera que possa molhar ou capinha à prova d’agua para celular (você vai ficar encharcado!) para registrar esse ângulo. Nessa cachoeira já é possível banhar-se, há uma espécie de prainha. Depois da experiência almoçamos no local, que oferece uma comida simples, mas saborosa. Veja alguns vídeos da cachoeira São Romão:

No segundo dia fomos para outro lugar clássico da Chapada das Mesas. Seguimos para o Complexo Santa Bárbara, a 136 km de Carolina, em Riachão. Você paga R$ 30,00 para entrar nessa região. Antes de entrar no complexo em si, fomos adiante em direção ao Encanto Azul. Devido às chuvas das semanas anteriores, eu achei a estradinha até o Complexo um pouco complicada. Porém, muitas pessoas vão com carro de passeio até esse ponto tranquilamente, e lá contratam um 4×4 somente para o trecho final até o Encanto Azul (6 km), que custa  20,00.

Vista do mirante do Complexo Pedra Caída

Vista do mirante do Complexo Pedra Caída

Chegando lá, há uma pequena trilha com uma escadaria, descendo por um cânion. Então você terá uma visão encantadora, uma belíssima piscina natural de um azul profundo! É um local perfeito para nadar e fazer flutuação com snorkel, com trechos mais rasos e outros mais profundos, com até 6 metros. Por ser uma nascente, o poço está sempre azul, mesmo que tenha chovido.

Tirolesa no Complexo Pedra Caída

Pirâmide no topo do teleférico no Complexo Pedra Caída

Na volta entramos no Complexo para almoçar. Após o almoço, o guia nos deixou à vontade para fazer as trilhas pelas passarelas dentro do Complexo, que são todas curtas. Infelizmente, todas as águas desse local estavam amarronzadas (coisas de se fazer esse passeio na época de chuvas). Primeiro, passa-se pela cachoeira Santa Paula (também dá para acessar a parte de cima dela, se quiser, para ver a vista). Descendo por ela, primeiro pegamos a passarela para a cachoeira Santa Bárbara. Chegando lá, há uma pequena gruta e uma ponte, de onde se tem uma visão muito bonita da paisagem. A cachoeira Santa Bárbara tem 76 metros de queda e foi a mais alta que visitei na região.

Mirante no Complexo Pedra Caída

Dentro da Pirâmide no topo do teleférico no Complexo Pedra Caída

Depois seguimos para o que seria o Poço Azul, mas que infelizmente estava marrom devido às chuvas dos dias anteriores. Pelo site oficial do local você pode ver algumas fotos de como o poço fica se não houvesse chovido. No geral, mesmo tendo chovido, achei que a visita compensou, por causa do Encanto Azul e pela Cachoeira Santa Bárbara.

Dentro da Pirâmide no topo do teleférico no Complexo Pedra Caída

Em meu terceiro dia, fomos a um inusitado lugar que concentra muitas atrações, o Complexo da Pedra Caída. Lá é bem tranquilo para ir com carro de passeio, pois ele fica na rodovia, a 35 km de Carolina. O local é quase um clube e, apesar dos salgados R$ 60,00 de entrada, vale muito a pena visitar. Esse valor de visitação dá direito apenas a entrada e ao uso das piscinas (que são ótimas para relaxar, contando inclusive com um “bar molhado”). Para fazer os passeios lá dentro, você terá que pagar por atrativo, e os valores atualizados constam no site. Por isso, quando eu fui, deixei cerca de R$ 125,00 lá mais o almoço, mas eu ainda digo que vale a pena.

Passarela subindo ao mirante no Complexo Pedra Caída

Passarela subindo ao mirante no Complexo Pedra Caída

Ao entrar no complexo, você recebe uma pulseira que é uma espécie de comanda, na qual marca o que consumir e os passeios em que for. Depois você segue para uma sala de vídeo, onde assistirá um filme explicando como funciona o local e quais as opções de passeios lá dentro. Nessa hora, você já deve marcar quais atividades fará no complexo, pois cada uma tem seus horários pré-determinados.

Cachoeira do Capelão, no Complexo Pedra Caída

Cachoeira do Capelão, no Complexo Pedra Caída

Além das cachoeiras, há uma enorme tirolesa, subindo por um teleférico ou então por uma passarela. Para subir pela passarela não paga (opção que escolhi). Lá em cima há uma espécie de pirâmide, e a vista é muito bonita. Olha só os vídeos da tirolesa:

Caminho para a Cachoeira da Caverna, no Complexo Pedra Caída

Cachoeira da Caverna, no Complexo Pedra Caída

Nosso guia nos instruiu sobre quais passeios reservar, que são os melhores. Isso porque não há como conhecer todas as cachoeiras num único dia e ainda fazer a tirolesa. Primeiro seguimos para a bela cachoeira do Capelão num carro do complexo. Depois, caminhamos por uma pequena trilha por dentro d’água, mas com o rio na altura dos tornozelos. A cachoeira tem 22 metros de altura, e seu charme é que suas águas são de um tom incrivelmente azul. É uma cachoeira muito bonita e boa para nadar.

Indo para a Cachoeira da Caverna, no Complexo Pedra Caída

Cachoeira da Caverna, no Complexo Pedra Caída

Depois rumamos para a cachoeira da Caverna, com 12 metros. A entrada dela é por uma pequena passarela. Achei ela bem diferente e inusitada. Ao entrar pela caverna, depois de andar por dentro de um pequeno trecho dentro da água (na altura dos tornozelos) você logo chega na cachoeira. Ela passa por uma abertura que já deve ter sido um teto que desabou de uma antiga gruta, que hoje fica ao ar livre (por isso não é necessário lanterna).

Habitante do Complexo Pedra Caída

Trilha para o Portal da Chapada

Após visitar essas cachoeiras, voltamos ao complexo para almoçar. Logo após o almoço fomos para a atração principal do local: a cachoeira do Santuário. Você vai caminhar por um trecho de 600 metros por passarelas e rampas para acessá-la. Na hora, eu não sabia muito bem o que esperar dessa cachoeira, pois não havia visto fotos.

Vista do Portal da Chapada

Vista do Portal da Chapada

Depois das passarelas, deixamos as coisas que não podem molhar e os calçados numa área própria para isso. Daí passamos por um lindo cânion, com fios de água escorrendo pelos paredões, e conforme adentrávamos o cânion, caminhando por dentro do rio, ele ia ficando mais profundo. Chegou um trecho onde a água estava na altura da cintura. Eu já estava achando tudo lindo e especial demais, e pensei que era só isso. Porém, eis que surge a incrível surpresa: ao fazer a curva do cânion, adentramos por uma espécie de gruta ainda formada pelos paredões, com uma pequena abertura no topo, de onde despencava a belíssima cachoeira do Santuário, com 46 metros de queda. É um lugar emocionante! E você vai sair todo molhado! Por conta do ambiente não muito claro e da água respingando por todo lado, entendi por que nunca vi fotos que mostram muito bem o local. A cachoeira do Santuário é inesquecível, uma grata surpresa! Veja o que deu pra filmar dessa cachoeira, na medida do possível:

Portal da Chapada: rende muitas fotos

Morro do Chapéu

Saímos felizes do complexo da Pedra Caída! Mas ainda havia mais uma aventura no dia. No caminho de volta para Carolina, paramos num trecho da estrada onde está a trilha para o Portal da Chapada. Esse local fica a 20 km de Carolina, e é o cartão-postal da região. Dá para estacionar o carro bem ao lado da rodovia. Algumas pessoas vão lá para ver o por do sol, outras para ver o nascer, outra parte ao longo do dia. Eu fui logo após visitar o Complexo da Pedra Caída, porém, acho que esse local merecia mais tempo. Talvez o ideal fosse visitar após o passeio do dia seguinte, as cachoeiras gêmeas do Itapecuru.

Vista do Portal da Chapada

Portal da Chapada rendendo muitas fotos!

Pagamos uma pequena taxa para os guias que ficam no local nos acompanharem pelo caminho arenoso, porém curto, até o portal. Cada trecho lá em cima é uma parada para foto, todas as vistas são extremamente lindas! Por isso eu gostaria de ter ido num dia não tão cheio de atividades, para curtir mais esse belo mirante. Acho o Portal da Chapada imperdível, a vista para os paredões é maravilhosa.

Portal da Chapada: tem gente que vem de bike

Este finalmente é o Portal da Chapada

Lá de cima vê-se o morro do Chapéu, uma das chapadas onde é possível fazer uma trilha até o topo de nível médio, que não fiz nessa viagem. O Portal da Chapada seria uma abertura na rocha, perfeita para ver o por do sol. Após a empolgação com tantas fotos de ângulos e vistas diferentes, acabamos descendo já há noite pelo caminho arenoso.

Amando o Portal da Chapada

Posando com a bike dos outros rs

No quarto dia fizemos um passeio mais curto, fomos conhecer as cachoeiras gêmeas do Itapecuru. Esse local também pode ser visitado com carro de passeio, e fica a 30 km de Carolina. Lá era uma antiga hidrelétrica que acabou virando uma espécie de clube. Paga-se R$ 10,00 para entrar. Há restaurante, chuveiros e banheiros, e às vezes há alguém que aluga caiaque. As cachoeiras são conhecidas como gêmeas por ficarem lado a lado, praticamente iguais, com 8 e 10 metros, respectivamente. Achei bonito, mas é mais um local para descansar. Por isso talvez esse fosse o dia ideal para rumar para o Portal da Chapada logo em seguida, tendo, assim, mais tempo para aproveitar esse mirante.

Cachoeiras do Itapecuru

Além da trilha para o Morro do Chapéu, há outra trilha que não fiz, no Refúgio Serra Torre da Lua, que dizem ser muito bonita. Também não visitei as cachoeiras do Dodô, do Garrote, do Brilho, da Pedra Furada, da Lua, Aldeia do Leão, Mansinha, Formosinha e Sumidouro, dentre outras.

No dia seguinte nosso guia dirigiu nos levando de volta para pegar nosso voo saindo de Palmas. Fomos embora extremamente realizados com a visita a esse local tão mágico que certamente vale conhecer!

Com ou sem emoção? Se seu destino for Natal, com certeza será com muita emoção! Natal oferece tantas possibilidades de praias e passeios que você poderia ficar muitos dias e ainda assim não ver tudo o que a região tem a mostrar! É um lugar que com certeza agrada a todos (e olha que eu visitei na volta de Fernando de Noronha, top máster de praias, e mesmo assim amei as belas paisagens de Natal e arredores).

Saindo para o passeio ao Litoral Norte

Litoral Norte: lagoa de Jenipabu

Quando? Esse belo destino do Rio Grande do Norte pode ser visitado o ano todo, mas de setembro a janeiro é a época mais seca do ano, e de abril a julho é quando a possibilidade de chuva é maior.

Litoral Norte: praia de Genipabu

Litoral Norte: praia de Genipabu

Como chegar? Você provavelmente chegará de avião, mas algumas pessoas que já estão pelo Nordeste podem alcançar Natal de ônibus vindo de outros estados e cidades da região ou de carro alugado. Se você chegou pelo aeroporto, como eu, para economizar no táxi, pode pegar um transfer até sua hospedagem. A Van Service oferece esse transporte a R$ 40,00 se estiver sozinho ou R$ 30,00 a partir de 2 pessoas.

Litoral Norte: travessia de balsa pelo rio Ceará Mirim

Litoral Norte: lagoa de Pitangui

E onde ficar? O bairro de Ponta Negra é o local preferido da maioria dos turistas, pois há uma grande oferta de hospedagens, bares e restaurantes, além de muitas feirinhas de artesanato. Também é onde está a melhor praia urbana. Não tem nada mais agradável do que caminhar pelo calçadão da praia de Ponta Negra e escolher pelo bairro onde vai ser o jantar do dia. Eu me hospedei no finado hostel Lua Cheia, um hostel em forma de castelo, que fechou e hoje abriga somente o Taverna Pub, local também muito agradável com temática medieval.

Litoral Norte: esquibunda na Lagoa de Jacumã

Litoral Norte: aerobunda na Lagoa de Jacumã

Eu fiquei 5 dias em Natal. O tempo que você deve dispor dependerá de quais passeios escolher, porém, acho que qualquer quantidade de dias é bem aproveitada.

Litoral Norte: aerobunda na Lagoa de Jacumã

Litoral Norte: esquibunda e aerobunda na Lagoa de Jacumã

Agora vamos ao que interessa!

Em Natal existem algumas praias urbanas que você pode aproveitar. A principal é a de Ponta Negra, cartão-postal da cidade, com muitos quiosques e restaurantes em sua orla, e é lá que fica o famoso Morro do Careca. Outra praia bem conhecida é a do Forte, onde fica o Forte dos Reis Magos e a Ponte Newton Navarro. Se você gosta de roteiros históricos, não deixe de visitar esse forte, fundado em 1599. A entrada custa R$ 3,00. Outra praia bem famosa é a praia dos Artistas, onde está o Centro de Artesanato, e a Praia do Meio, frequentada por moradores da região, além da Praia da Areia Preta e da Praia da Redinha. Aqui tem outros lugares que vendem artesanatos na região. Algumas pessoas tiram um dia para fazer esse roteiro de praias e histórico.

Litoral Norte: trenzinho que sobe a duna da Lagoa do Jacumã

Litoral Norte: Praia de Jacumã

Com exceção do passeio de buggy nas dunas, todos os outros passeios da região podem ser feitos de carro alugado, caso deseje ficar mais à vontade com seus horários. Porém, se não quiser alugar carro, você pode contratar todos os passeios com alguma agência local. Eu fiz meu roteiro com minha finada hospedagem, mas com certeza todos os hotéis, pousadas e hostels oferecem esse serviço. Para ter ideia de preços, encontrei na internet algumas agências, como exemplo a Natal Vans, a Marazul Receptivo e essa associação de bugueiros, mas há várias outras, e você pode fechar seus passeios na hora (eu passei o ano novo na cidade, e mesmo assim havia vaga em todos os passeios).

Litoral Norte: Praia de Jacumã

Litoral norte: de buggy pelas praias

Os dois passeios mais populares são o Litoral Norte e o Litoral Sul. Para cada um deles, você precisará de um dia inteiro. Em minha opinião, sem dúvida, o passeio ao Litoral Norte é o mais legal!

Dunas móveis

Dunas móveis

Juntei-me a outros viajantes do hostel e o buggy veio nos buscar para o passeio ao Litoral Norte, passamos pelo Aquário de Natal e, em seguida, fomos direto para as dunas. Para mim, toda a parte nas dunas fixas e móveis com o buggy era com emoção e muita diversão! Nossa primeira parada foi na lagoa de Jenipabu, que foi mais para fotos. Depois paramos na praia de Genipabu, que achei uma das paisagens mais bonitas. É nesse lugar que tem a possibilidade de andar de dromedário, mas este blog não incentiva esse tipo de turismo com animais. Veja no vídeo abaixo como é passear pelas dunas de buggy:

Nas dunas, a ponte Newton Navarro e a cidade de Natal ao fundo

Dunas de Natal

Natal e a Ponte Newton Navarro vistas das dunas

Em seguida fomos às praias de Santa Rita e Genipabu e, após uma travessia de balsa pelo rio Ceará Mirim, chegamos à Lagoa de Pitangui. Depois de um banho de lagoa e de se aventurar novamente pelas dunas de Jacumã, fizemos o passeio mais divertido do dia na Lagoa de Jacumã: o aerobunda e o esquibunda. Na verdade, o que chamam de aerobunda é uma tirolesa muito divertida que te joga direto na lagoa, mas há um barquinho improvisado te esperando lá embaixo para te resgatar. Depois, quando o barquinho enche, o guia rema até um pequeno trenzinho que sobe a duna da lagoa com os turistas de volta ao ponto de partida.

Veja o vídeo do aerobunda:

Centro de Lançamento da Barreira do Inferno

Maior cajueiro do mundo

Já o esquibunda na verdade é uma espécie de tobogã feito com uma lona, onde se escorrega até a lagoa. Eu achei tão legal que fui no aerobunda 2 vezes! Tanto o aerobunda quanto o esquibunda custam R$ 13,00 por descida. Depois paramos para almoçar na praia de Jacumã. Passando pela praia de Muriú, retornamos pelas dunas móveis, e nosso guia fez outro tour com emoção por elas, onde fizemos ótimas fotos! Esse passeio de buggy pelo litoral Norte realmente vale a pena!

Maior cajueiro do mundo: vista do mirante

Maior cajueiro do mundo

Um passeio que não fiz foi o do Parque das Dunas, onde há trilhas para fazer a pé. Há 3 trilhas e parece ser interessante.

Maior cajueiro do mundo tem até wi-fi!

Praia de Camurupim, litoral sul

No outro dia segui pela Rota do Sol para o passeio pelo Litoral Sul. A primeira parada foi o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno, inaugurado em 1965. Você sabia que há uma base de lançamento de foguetes em Natal? Se quiser ver um histórico clique aqui.

Mirante da praia de Tabatinga

Praia de Pipa

Depois fomos para o lugar mais interessante do dia, o maior cajueiro do mundo! Ele fica na praia de Pirangi. Gente, são 8.500 m2 de cajueiro e cerca de 80 mil cajus por safra! O lugar virou atração turística, com lojinha com produtos de caju, mirante para a parte superior, tem até wi-fi no cajueiro! Depois aproveitamos um pouco a praia de Camurupim. Outras paradas que podem ser feitas são na praia do Cotovelo, no mirante da praia de Tabatinga e na lagoa de Arituba. Esse roteiro pode ser feito tranquilamente de carro alugado se for o caso.

Praia de Pipa

Indo para Galinhos

Há outro passeio no litoral sul que não fiz, que são as lagoas da região já próximas do município de Nísia Floresta, como por exemplo a Lagoa Redonda, Lagoa de Arituba, Lagoa de Alcaçuz, Lagoa de Boágua, Lagoa de Ferreira Grande, Lagoa de Carcará e Lagoa do Urubu. Parece ser bem interessante.

Caminho de barco para Galinhos

Farol em Galinhos

No outro dia fiz um bate-volta até a praia de Pipa, no município de Tibau do Sul, a 85 km de Ponta Negra, também em direção ao sul. Achei a praia bonita, mas não tanto quanto as outras que visitei na região. Pesquisando várias opiniões, descobri que o charme de Pipa é dormir lá, pois dizem que a noite no vilarejo de Pipa é muito boa, não a praia em si. Chegando em Pipa caminhei pela praia próximo às falésias, depois peguei um passeio de barco para a Baía dos Golfinhos, mas confesso que foi bem difícil vê-los e não achei que valeu a pena. Talvez eu deva voltar um dia a Pipa e conhecer também a Praia do Amor, Praia do Madeiro, Cacimbinhas e Barra do Cunhaú, dentre outras que não visitei. Como dizem, o legal de Pipa é o charme de seu vilarejo, com o agito e os restaurantes à noite.

Farol em Galinhos

Farol em Galinhos

Em meu quarto dia fiz um bate-volta para um lugar mais distante, mas que valeu a pena demais! Sobretudo pela beleza do lugar… aliás, que lugar! A encantadora Galinhos fica no litoral norte do estado, a 180 km de Ponta Negra. Acho que se você estiver de carro ou de ônibus (Expresso Cabral) é melhor dormir uma noite por lá, pela distância. Porém, acho que dá para fazer apenas um bate-volta de Natal tranquilamente se for com agência.

Praia de Galinhos

Salinas em Galinhos

Um dos grandes charmes é a simplicidade de Galinhos. Você chegará pelo povoado de Pratagil. De lá precisará pegar um barco (custa R$ 5,00 e funciona a cada 30 minutos entre 5h30 e 18h) e em 10 minutos estará em Galinhos, que fica em uma península. Chegando em Galinhos, o que você vê é um vilarejo de pescadores muito simples, encantador, um lugar para relaxar e admirar. Na ponta da praia há um lindíssimo farol que combina completamente com as areias claras e, dependendo da maré, há ótimas piscinas naturais. Algumas pessoas vão até o farol numa carroça puxada por um jegue, mas eu incentivo a ir caminhando (não é longe).

Salinas em Galinhos

Buggy em Galinhos

Depois de curtir Galinhos você voltará ao barco e visitará as salinas, algo muito curioso, perto das dunas móveis e de um manguezal. Lá há algumas hélices para produção de energia eólica. De lá, ou você pega um buggy pelas dunas até Galos, para almoçar, ou volta ao barco e vai nele até esse almoço. Um dia voltarei a Galinhos para dormir uma noite por esse apaixonante lugar.

Hélices em Galinhos

Hélice em Galinhos

Em meu último dia em Natal aproveitei para fazer um passeio a um dos parrachos, que são as formações de corais nas piscinas naturais. As opções mais famosas são Maracajaú (a 55 km de Natal) e Perobas (a 70 km de Natal). Eu fiquei na dúvida sobre qual escolher, mas meu hostel disse que Perobas era mais bonito e menos cheio de gente, e confiei neles. Fora isso, Perobas é mais rasinho do que Maracajaú. Esses passeios de piscinas naturais sempre são feitos de acordo com a maré: quando ela está baixa é possível ir. Consulte a tábua de marés antes de ir, principalmente se você estiver indo por conta, sem agência.

De buggy em Galinhos

Sobre as dunas em Galinhos

Chegando em Perobas, no município de Touros, achei a praia belíssima! Pegamos o barco até os parrachos (a 5 km da costa) e as piscinas naturais mostraram seu azul profundo! Nesse tipo de passeio eu sempre levo meu próprio snorkel (por questões higiênicas rs).

Sobre as dunas em Galinhos

Praia de Perobas

Se você for por conta, pode reservar antes os passeios de barco em Perobas pelas agências: Perobas Aquática, Pousada do Vozinho e Parrachos de Perobas. Já por Maracajaú, as agências são: Maracajaú Diver, Portal de Maracajaú, Maracajaú Reservas e Ma-Noa Park.

Praia de Perobas

Praia de Perobas

Depois do passeio pelas piscinas naturais eu curti o local pelo rio Punaú, há uma tirolesa e passeios de quadriciclo. Optei por este último, que proporcionou muita emoção guiando pelas areias de Perobas.

Piscinas naturais de Perobas

Piscinas naturais de Perobas

Piscinas naturais de Perobas

Em uma outra visita a Natal preciso conhecer São Miguel do Gostoso, outro lugar que não deu tempo de ir. Algumas pessoas fazem bate-volta a João Pessoa, mas não sei se vale a pena.

Passeio de quadriciclo em Perobas

Passeio de quadriciclo em Perobas

Passeio de quadriciclo em Perobas

Como eu disse no início deste relato, visitar Natal e região proporcionam muitas experiências inesquecíveis e certamente, como eu, você terá vontade de voltar!

Rio Punaú, próximo a Perobas

Rio Punaú, próximo a Perobas

Você já se imaginou caminhando numa pintura? É assim que se sentirá ao visitar os jardins de Monet, local em que o famoso pintor impressionista Claude Monet viveu por 43 anos, desde 1883 até sua morte, em 1926. Durante os anos em que viveu nessa casa ele cultivou os jardins de flores e o jardim aquático, que foram uma grande inspiração para suas pinturas. Ou seja, além de pintar, também era um excelente jardineiro!

Jardins de Monet

Jardins de Monet: vista da janela da casa

Jardins de Monet

Esse incrível e charmoso lugar pode ser visitado a partir de um bate-volta de Paris, ou então, encaixado numa viagem de carro pela região da Normandia, também na França. Aliás, considero esse um dos mais lindos passeios saindo de Paris e voltando no mesmo dia. A cidade de Giverny, onde fica a Casa de Monet, está a cerca de 80 km da capital francesa.

Casa de Monet

Passeando pelos Jardins de Monet

Jardim das Águas

A Fundação Claude Monet hoje cuida do local, aberto a visitação desde 1980. A visitação não funciona no inverno, e seu período varia ano a ano, portanto, consulte o site para verificar a abertura e fechamento anuais para sua visita. Neste ano (2017), o período de visitação é de 24 de março a 1º de novembro, das 09h30 às 17h30. O ingresso custa 9,50 euros e pode ser comprado no site da Fundação, neste link de compra. Esse ingresso pode ser comprado na hora, mas, dependendo da época e horário, você pode perder um tempo nas filas. Portanto, se quiser se adiantar, compre pelo site.

Jardim das Águas

Jardim das Águas

Sapinhos no Jardim das Águas

A época mais apreciada para conhecer os jardins e a casa de Monet é a primavera, período em que está tudo mais florido (ou seja, a mais cheia também, por isso pode ser uma boa comprar ingresso on-line e não perder tempo em filas). Se quiser conhecer um pouco mais de Monet, pode visitar também o Musée de L’Orangerie, em Paris, onde está sua obra Les Nymphéas. Na Fundação Claude Monet, você pode, inclusive, comprar ingressos combinados dos jardins de Monet + Musée de L’Orangerie, ou + Musée Marmottan Monet, também em Paris e com coleções de Monet, ou + Musée des Impressionnismes, em Giverny, com obras de outros impressionistas também. Neste site você pode apreciar muitos dos quadros de Monet.

Sapinho no Jardim das Águas

Jardim das Águas

Ponte no Jardim das Águas

Considero o trem a melhor forma de chegar a Giverny. Os trens saem da estação Gare St.-Lazare, em Paris, mas o destino deve ser a cidade de Vernon. A viagem durará cerca de 45 minutos e o valor é de 14 a 15 euros por trecho. A partir de Vernon há ônibus até Giverny para percorrer os 7 km que dividem as cidades. Os horários dos ônibus são casados com os horários dos trens, e a tarifa custa 4 euros por trecho, pagos direto ao motorista. Verifique os horários desses ônibus neste link e neste link. Para a volta, anote ou fotografe os horários dos ônibus que aparecem no ponto.

Jardim das Águas

Caminhando pelos Jardins de Monet

Jardins de Monet

Quando visitei a região, cheguei bem cedo na estação St.-Lazare e comprei na hora a passagem. Porém, se não quiser perder tempo na estação em Paris e se adiantar, pode comprar pelo site também (de Paris a Vernon), pois pode haver grandes filas. Comprando pelo site, chegue antecipadamente à estação e procure uma máquina para inserir o número do ticket, passar o cartão usado na compra e retirar o ticket comprado. As estações em Paris são grandes, e é importante chegar com antecedência para comprar ou retirar sua passagem e localizar o local de embarque. Os trens que param em Vernon têm o destino final de Rouen, para que se localize mais facilmente nos painéis da estação. Antes de embarcar, valide seu ticket nas máquinas e guarde-o até o final da viagem, pois os fiscais podem pedir para verificar.

Jardins de Monet

Jardins de Monet

Jardins de Monet

Ao chegar em Vernon, algumas pessoas, em vez de pegar o ônibus, alugam uma bicicleta para percorrer os 7 km até Giverny, o que parece ser bem agradável. Porém, se você vai de ônibus, não se esqueça de verificar o horário de retorno deles para não ficar tempo demais esperando. Os ônibus param num estacionamento, a 5 minutos de caminhada da Fundação Claude Monet.

Admirada

Amando as flores!

Muitos artistas vêm para se inspirar!

Chegando na Fundação, compre seu ingresso, se já não comprou pelo site. A visita demora cerca de meio período, incluindo uma volta pela cidade de Giverny, também muito charmosa. Depois, aproveite para almoçar nos agradáveis restaurantes e cafés da cidade. Para ter uma ideia melhor de como é a visita, veja este mapa, que mostra a casa e os jardins de Monet.

Clique para abrir maior. Mapa da Fundação Monet. Fonte: http://fondation-monet.com/wp-content/uploads/2015/02/plan-des-jardins.jpg

A visita é dividida em 3 locais: o Jardim das Águas, o Jardim das Flores (Clos Normand) e a Casa de Monet. Algumas pessoas começam a visita pelo Jardim das Águas, para pegar o local com menos gente. Ele é acessado por uma passagem subterrânea a partir do jardim das flores (Clos Normand) em frente à casa. No Jardim das Águas está a famosa Ponte Japonesa e o Lago das Ninfeias, que você reconhecerá pelos quadros de Monet.

As belas flores…

Jardins de Monet

Apreciando o lugar…

Depois, visite o jardim das flores e, em seguida, a casa de Monet. É incrível pensar que os cenários da pintura foram todos feitos pelo jardineiro Claude Monet! Nos jardins de flores você apreciará uma variedade de belezas, e às vezes forma até um congestionamento de pessoas admirando as belas plantas.

Parece pintura

Os belos jardins da casa de Monet

Giverny

Na casa você verá os ambientes em que Monet vivia, e o destaque é seu ateliê, com reproduções de suas obras (porque as verdadeiras estão nos museus). A casa foi restaurada. Em cada aposento dá para ter uma ideia de como o artista vivia, e ter uma bela vista dos jardins do andar de cima. Na saída, claro, tem uma lojinha. Não é permitido tirar fotos no interior da casa, por isso apresento algumas do site da Fundação.

Fonte: http://fondation-monet.com/giverny/la-maison-de-monet/

Fonte: http://fondation-monet.com/giverny/la-maison-de-monet/

Fonte: http://fondation-monet.com/giverny/la-maison-de-monet/

Fonte: http://fondation-monet.com/giverny/la-maison-de-monet/

Fonte: http://fondation-monet.com/giverny/la-maison-de-monet/

É tudo tão lindo que você descobrirá por que Monet ficou tão inspirado a pintar seus jardins e o lago. O local é um museu vivo! Encerro esse post com dois lindos vídeos do site da Fundação Claude Monet.

O Parque Nacional Torres del Paine, na Patagônia chilena, abriga uma trilha considerada uma das mais lindas do mundo: o circuito O (ou o circuito W, parte do O). É um lugar incrivelmente surreal, perfeito para quem ama trilhas, mas que possibilita aventuras tanto para quem não é de trilha quanto para quem já é experiente. Criado em 1959, o parque tem 227.298 hectares, e foi considerado uma Reserva da Biosfera pela Unesco em 1978. A Corporação Nacional Florestal (CONAF) administra a área desde 1973.

Vista de El Calafate do avião

Quando ir?

Geralmente, o período de visitação é de 1 de outubro a 30 de abril. Ou seja, é possível visitar o parque o ano todo, porém, não aconselho a ir fora desse intervalo de datas, pois a maioria das trilhas fecha no período do inverno por excesso de neve (e excesso de possibilidade de perrengue!). Eu diria que outubro e abril já são os meses limite de visitação, pois você dependerá um pouco mais da sorte com as condições climáticas para conseguir fazer as atividades. Para você visitar feliz da vida, mas ainda com imprevisibilidade climática, porém maior chance de se dar bem, o ideal seria de novembro a março.

A entrada no parque custa 21.000 pesos chilenos, com pagamento somente em dinheiro. Para mais informações e atualizações, consulte o site do Parque Nacional Torres del Paine.

Vista de El Calafate do avião

Como chegar?

Para chegar, a cidade mais próxima do parque é Puerto Natales, uma cidade com alto nível de fofura! Você precisará pegar um ônibus de Puerto Natales para o parque, e neste link estão os horários e empresas que fazem o trajeto, como por exemplo a Buses Gomez e a Buses Maria José, além da Bus Sur. Para informações sempre atualizadas, consulte o próprio site de cada empresa que faz o trecho. Puerto Natales está a 115 km da portaria Laguna Amarga no parque, o que é feito em 1h de viagem. Eu comprei todas as passagens de ônibus dessa viagem na hora sem problemas e fui no período do carnaval, porém compre assim que chegar na cidade para garantir.

Vista de El Chalten do avião: veja o Fitzroy ao fundo

E Puerto Natales, como chegar? Você pode voar para Punta Arenas e de lá há ônibus regulares (que também comprei na hora, mas assim que cheguei na cidade para garantir), como por exemplo o da Buses Fernandez, Buses Pacheco e Bus Sur. O trajeto de Punta Arenas a Puerto Natales é de cerca de 3 horas pelos 248 km que dividem as cidades. Algumas pessoas, que estão viajando por outros locais da Patagônia, podem estar vindo de El Calafate, por exemplo, e a Bus Sur também faz o trajeto, de 5h de viagem. Muitas pessoas perguntam se é possível fazer apenas um bate-volta de El Calafate, e realmente não aconselho, pelas grandes distâncias.

Vista aérea de El Calafate

Como podem ver, há várias empresas de ônibus que fazem tanto o trajeto de Puerto Natales ao parque quanto de Punta Arenas ou El Calafate a Puerto Natales. As cidades de Punta Arenas e El Calafate recebem voos de empresas como Latam e Sky Airline vindos de outras cidades do Chile, como a capital Santiago.

Puerto Natales

Refúgio Torre Norte, Parque Nacional Torres del Paine

Os passeios

Como disse no início desta postagem, há várias maneiras de conhecer o Parque Nacional Torres del Paine. Para quem não quer fazer trilhas, ou faria apenas trilhas curtas, ou, ainda, não tem muitos dias disponíveis, existe a possibilidade de conhecer trechos do parque e fazer outras atividades diversificadas. Em Puerto Natales há agências que oferecem passeios “full day”, que duram de 1 a vários dias, e geralmente levam ao Monumento Natural Cueva del Milodón, Lago Nordenskjöld, Salto Grande, Lago Pehoe, rio Paine e lago Grey, por exemplo.

Perto do refúgio Torre Central, Parque Nacional Torres del Paine

Trilha para Las Torres del Paine

Algumas pessoas, em vez de agência, alugam um carro e visitam esses pontos mencionados por conta. Pode-se, por exemplo, ir até a Portaria Sarmiento, caminhar até o Salto Grande e de lá pegar uma trilha de 1 hora de ida até o Mirador dos Cuernos. Há passeios de barco no lago Pehoe também. Pode-se optar, por exemplo, por fazer somente uma navegação pelo lago Grey e caminhar por 2h (ida e volta) até o Glacial Grey, ou então, fazer 1 dia de caminhada (18 km ida e volta) até Las Torres, cartão-postal de Torres del Paine. Só aqui já tem 3 dias de passeio independentes um do outro.

Primeiro dia do circuito W: Trilha para Las Torres del Paine

Primeiro dia do circuito W: Trilha para Las Torres del Paine

O importante é sempre verificar as condições climáticas do parque, pois muitas vezes venta bastante, impossibilitando alguns passeios, ou então as Torres del Paine podem estar encobertas por nuvens, o que não deixaria o passeio tão bonito assim.

Primeiro dia do circuito W: mapa entre refúgio e las Torres

Primeiro dia do circuito W: trecho final da trilha para Las Torres del Paine

A trilha

Só que meu relato é sobre o circuito W, uma trilha de aproximadamente 70 km que seria uma parte do circuito completo, o circuito O, com cerca de 120 km. Para o circuito W, geralmente as pessoas fazem a trilha em 4 ou 5 dias. Eu pessoalmente acho 4 dias meio corrido e fiz em 5, que achei ideal (não sou nem uma atleta, mas não sou sedentária). Já para o circuito O (que ainda não fiz), leio relatos de gente que fez em 7 a 10 dias, mas 8 dias parece ser maioria. O mapa oficial abaixo mostra bem todos os atrativos e as rotas, bem como os tempos de caminhada. É possível ver que a parte inferior da rota marcada em vermelho forma o desenho de uma letra W, e a rota inteira seria um O, por ser circular. As trilhas são autoguiadas, os mapas são bem detalhados e há placas indicativas durante todo o caminho, portanto, se você tem um pouco de experiência com trilhas não é necessário contratar guia.

Clique para abrir maior. Mapa do Parque Nacional Torres del Paine. Fonte: http://www.parquetorresdelpaine.cl/upload/files/Mapa2017-2018.pdf

Torres del Paine, trilha do primeiro dia do Circuito W

Torres del Paine, trilha do primeiro dia do Circuito W

Para fazer o O é necessário ser um trilheiro já experiente. Para o W não precisa tanto, mas é preciso um condicionamento médio e experiência em trilhas e também em camping se for acampar. Verifique no mapa que, para fazer o O, é necessário uma direção específica para a caminhada. Já para o W não é preciso, mas a maioria das pessoas inicia por Las Torres. A CONAF reforça as normas de visitação alertando sobre a quantidade permitida de visitantes diários, o motivo de o circuito O (maciço Paine Grande) ser unidirecional e a necessidade de reservar mesmo os acampamentos gratuitos neste link.

Fauna encontrada pelo caminho nas trilhas

Fauna encontrada pelo caminho nas trilhas

Hospedagens

Antes de ir você precisará fazer as reservas das hospedagens, principalmente se for ficar nos refúgios. No circuito W há 2 campings gratuitos,  Guarderia Torres (perto já das Torres del Paine) e o Acampamento Italiano, e no O, o acampamento Paso também. O link para reserva é este. O site do Parque explica sobre o sistema de reservas de campings e abrigos. Encontrei também um camping particular pela internet que fica no Lago Pehoe, fora do circuito W, que talvez seja útil para quem não estiver fazendo o trekking, mas sim passeios de menos dias.

Segundo dia no Circuito W: de Torre Central a Los Cuernos

Segundo dia no Circuito W: de Torre Central a Los Cuernos

Alguns locais de hospedagem têm tomadas, mas nunca é garantido funcionarem, ou muitas vezes há excesso de pessoas tentando utilizá-las. Portanto, previna-se com baterias extras para garantir caso não consiga carregar seus equipos. Outra opção de hospedagem é ficar num dos caros hotéis dentro do parque, mostrados em uma pesquisa pelo Booking ou em seus sites oficiais.

Segundo dia no Circuito W: de Torre Central a Los Cuernos

Terceiro dia no Circuito W: de Los Cuernos ao acampamento Italiano

Os acampamentos e os refúgios precisam ser reservados com antecedência, pois principalmente os refúgios costuram ter as vagas esgotadas logo. São 2 empresas que tomam conta do sistema de reservas, a Fantástico Sur e a Vértice Patagônia. A Fantástico Sur administra os refúgios Torre Central, Torre Norte, Los Cuernos e El Chileno. Também é responsável pelos campings Serón, Los Cuernos, El Chileno, Central e Francês. Já a Vértice Patagônia é a concessionária dos refúgios Paine Grande, Grey e Dickson, bem como dos campings Paine Grande, Grey, Dickson e Los Perros. Veja abaixo um mapa com algumas das hospedagens que cada empresa administra.

Clique para aumentar. Mapa dos administradores das reservas de algumas hospedagens no parque. Fonte: http://www.parquetorresdelpaine.cl/es/sistema-de-reserva-de-campamentos-1

Terceiro dia no Circuito W: de Los Cuernos ao acampamento Italiano

Terceiro dia no Circuito W: de Los Cuernos ao acampamento Italiano

Nos acampamentos gratuitos a estrutura é bem simples, mas há sanitários e área de cozinha. Já nos campings pagos há chuveiro quente, cozinha e possibilidade de alugar equipamentos, inclusive a barraca. Aliás, se for acampar é importante levar uma barraca que aguente os intensos ventos patagônicos. Se não tiver, o melhor é alugar uma em Puerto Natales, e lá há vários locais que alugam o que você for precisar para sua estada em Torres del Paine bem mais barato que no parque.

Terceiro dia no Circuito W: de Los Cuernos ao acampamento Italiano

Terceiro dia no Circuito W: de Los Cuernos ao acampamento Italiano

Nos refúgios o que consta nas camas é lençol e travesseiro. Portanto, é importante levar um saco de dormir para se aquecer. Também nos refúgios você pode, ao reservar pelo site, escolher refeições inclusas. A vantagem de ficar nos refúgios é não precisar carregar peso de barracas e outros equipamentos. Porém, achei a comida no Torres del Paine muito cara, por isso reservei somente minhas hospedagens sem alimentação e levei um fogareiro e comida para todos os dias que permaneci no parque. Se você for cozinhar, isso deve ser feito nas cozinhas dos campings, mesmo que esteja hospedado nos refúgios. Quanto à água, leve sua garrafa e reabasteça-a no caminho, pois toda a água do parque é potável, tanto das torneiras das hospedagens quanto dos rios que cruzar (e não tem água mais gostosa que a de degelo das montanhas!).

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Mirador Vale do Francês

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Mirador Vale do Francês

Normas de segurança

Antes de iniciar seu tour, é importante estar atento às normas de segurança do parque. A mais importante de todas é não fazer fogueiras, pois tempos atrás houve um terrível incêndio no parque por conta de turistas que fizeram fogo. Também é expressamente proibido acender fogareiros fora das áreas permitidas para isso. Além disso, não pode acampar fora dos campings. Não seguir as regras implica em severas multas. Aqui estão todas as normas do parque. Segue um vídeo do parque explicando o principal.

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Mirador Vale do Francês

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Mirador Vale do Francês

O que levar?

É importante que leve roupa de trilha, corta-vento (capa de chuva), roupas para frio (segunda pele, fleece, gorro, luva etc.), tênis de trilha (e um par de chinelos para relaxar à noite), bastões de caminhada (de preferência 2, para te equilibrar nos momentos de vento), material para cozinhar se fizer suas refeições dessa forma, saco de dormir e lanterna, garrafa de água, algo para fotografar, protetor solar e protetor labial, óculos escuros, remédios e curativos. Porém, sempre priorize levar o mínimo de peso possível, que aguente carregar caminhando por todos esses dias.

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Mirador Vale do Francês

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Mirador Vale do Francês

Uma dica: se você não tiver uma capa de chuva para mochilas pode colocar suas coisas dentro de um saco de lixo grande e aí sim colocar o saco com as coisas dentro da mochila, assim tudo ficará protegido caso pegue chuva.

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Mirador Vale do Francês

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Mirador Vale do Francês

Agora, finalmente vamos ao meu relato!

Eu fiz essa viagem com uma grande amiga, e fomos só nós duas para o circuito W. Ao chegar em Puerto Natales, fui extremamente bem recebida por um hostel da cidade para pernoitar, pois seguiria para o parque somente no dia seguinte. Eles me indicaram locais para comprar um gás para meu fogareiro (não pode levar o gás no avião, só o fogareiro) e alugar o que precisava. Passei num mercadinho e adquiri o que seriam minhas refeições pelos próximos 5 dias: intercalei um dia de macarrão com molho vermelho com um dia de arroz de saquinho e feijão pronto; coisas para beliscar por 5 dias, como maçã e barra de cereal; um pão e algo para passar nele para o café da manhã, e café solúvel. Os hostels de Puerto Natales geralmente guardam as coisas que você levou e que não vai precisar no trekking, assim você não precisa carregar peso desnecessário.

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Mirador Vale do Francês

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Mirador Vale do Francês

Primeiro dia

No dia seguinte peguei o ônibus para iniciar o circuito W, descendo na portaria Laguna Amarga. É preciso guardar bem o ingresso do parque, pois é possível que te peçam durante sua caminhada. Quando você comprar o ingresso, receberá também um mapa do parque. Se estiver com seu passaporte, há um belo carimbo de TDP nessa portaria para estampá-lo. Dessa portaria peguei o ônibus (3.000 pesos chilenos) para o refúgio Torre Central, comprado à parte na hora (são 7 km). Minha hospedagem da noite seria o refúgio Torre Norte.

Terceiro dia no Circuito W: Mirador Vale do Francês

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Mirador Vale do Francês

Chegando lá e após me acomodar e deixar minhas coisas, parti somente com mochila de ataque para a trilha em direção às Torres del Paine. Deu tempo de fazer isso somente porque o por do sol no verão é tardio, pois iniciei a trilha no horário do almoço (após comer bem para aguentar a caminhada rs). A trilha do refúgio Torre Central até as Torres del Paine tem 18 km ida e volta. São 3,5h a 5h de trilha só de ida, mais o tempo que ficar lá. Portanto, eu cheguei de volta em meu refúgio por volta das 21h ou 21h30 (quase o horário limite de usar a cozinha do camping).

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Mirador Vale do Francês

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Refúgio Paine Grande

No início a visão das Torres estava encoberta, mas depois o tempo foi abrindo. Tive sorte, pois é possível fazer essa trilha e não ver esse belíssimo lugar por conta das condições climáticas. Ela é bem demarcada e certamente, não só nesse trecho como em outros do Circuito W, haverá outras pessoas fazendo o mesmo percurso que você. Você verá belíssimas paisagens pelo caminho. Do meio para o final da ida boa parte da trilha é subida, é um trekking cansativo, sobretudo no final, com várias pedras, mas com persistência será recompensador! Não desista, pois a visão das 3 torres com seu belo lago esmeralda na frente jamais sairá de sua cabeça!

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Refúgio Paine Grande

Terceiro dia no Circuito W: do acampamento Italiano ao Refúgio Paine Grande

Algumas pessoas se hospedam numa parte do caminho dessa “perna” do W, no refúgio/acampamento Chileno ou no camping Torres (este último, principalmente se o plano for ver o por ou o nascer do sol nas Torres). Caso vente ou chova excessivamente, dê um tempo na sua caminhada até as condições climáticas abrandarem.

Terceiro dia no Circuito W: chegando ao Refúgio Paine Grande

Terceiro dia no Circuito W: tudo bem sinalizado sempre!

Segundo dia

Em meu segundo dia caminhei já com minha mochila cargueira com todas as coisas, pois iria do refúgio Torre Norte para meu segundo ponto de pernoite, o refúgio Los Cuernos. Esse trecho de 11 km é previsto para ser feito em 4,5 horas, e no caminho você terá a bela vista do lago Nordenskjöld. Como tinha feito as Torres no dia anterior, ainda estava relativamente descansada, e achei esse dia de caminhada mais tranquilo por ser mais curto e com menos subidas. Aliás, essa foi uma vantagem de fazer as Torres no primeiro dia, estar bem descansada. Porém, algumas pessoas, que fazem o W invertido, pensam em deixar as Torres para o último dia para ter uma folga de dias depois: caso não dê para ir nas Torres por conta de condições climáticas no dia que chegarem na região, podem tentar no dia seguinte. Mas daí você já estará cansado do circuito inteiro e isso poderá ser mais exaustivo.

Quarto dia no Circuito W: do Refúgio Paine Grande ao Refúgio Grey

Quarto dia no Circuito W: do Refúgio Paine Grande ao Refúgio Grey

Se você for fazer o W invertido, após seu ônibus passar na portaria Laguna Amarga você deve entrar no ônibus de volta e seguir para a portaria Pudeto e pegar o barco para o refúgio Paine Grande, algo que vou descrever ao contrário no final deste relato.

Quarto dia no Circuito W: do Refúgio Paine Grande ao Refúgio Grey

Quarto dia no Circuito W: do Refúgio Paine Grande ao Refúgio Grey

Chegando no refúgio Los Cuernos, assim como no Torre Norte, o clima foi de descontração, pois os refúgios são quase hostels, com vários trilheiros trocando experiências, a cozinha cheia de gente jogando conversa fora e todos animados apesar do cansaço.

Quarto dia no Circuito W: o Refúgio Grey

Quarto dia no Circuito W: Glacial Grey

Terceiro dia

Meu terceiro dia foi o mais puxado de todos. Fiz a parte central da letra W, caminhando do refúgio Los Cuernos, passando pelo acampamento Italiano para fazer essa “perna” central do W subindo até o Mirador Francês e Mirador Britânico, e daí descendo de volta até o acampamento Italiano e caminhando até o refúgio Paine Grande. Somando tudo, foram uns 25 km andando nesse dia. De Los Cuernos até o acampamento Italiano foram 5 km, deste até o Mirador Francês e Mirador Britânico, mais 6 km. Depois, mais 6 km da volta do mirador até o acampamento Italiano, e deste até o refúgio Paine Grande, 7,6 km. Foram cerca de 8h a 10h caminhando, um dia todo!

Quarto dia no Circuito W: Glacial Grey

Quarto dia no Circuito W: Glacial Grey

O trecho de Los Cuernos até o acampamento Italiano foi relativamente tranquilo. Quando você chega no acampamento Italiano, você pode deixar sua mochila no local para subir até o Mirador Francês e Mirador Britânico sem peso (o que é extremamente reconfortante!). Pode deixar suas coisas, ninguém mexe! A caminhada do acampamento Italiano até o Mirador é toda de subida e cheia de pedras. Porém, do caminho você verá lindas geleiras, avistará os lagos Nordenskjöld e Pehoe, é um trecho imperdível! Força porque, ao chegar no Mirador, a vista para a cadeira de montanhas, os Cuernos, é incrível! Tive a sorte de pegar tempo aberto e essa vista é rodeada das lindas montanhas, é um dos destaques do dia!

Quarto dia no Circuito W: Glacial Grey

Quarto dia no Circuito W: Glacial Grey

A descida foi mais tranquila, voltei ao acampamento Italiano, recuperei minha mochila e segui para o refúgio Paine Grande. Depois da cansativa subida ao Mirador do Vale do Francês, já estava fatigada, e esse trecho de 7,6 km até o Paine Grande pareceu não acabar nunca! A uns 2 km do refúgio conheci finalmente os fortes ventos patagônicos da região e agradeci por estar com 2 bastões, que me equilibraram com o peso que eu carregava na trilha. Até agora eu não acredito que eram só 2 km que faltavam! Cheguei quase anoitecendo ao refúgio.

Esse é o Calafate!

Quinto dia no Circuito W: do Refúgio Grey ao Refúgio Paine Grande

Quarto dia

No quarto dia acordei descansada e segui para a trilha de 11 km do refúgio Paine Grande até o refúgio Grey, a “perna” final do W. Antes de sair, confirmei meu barco para ir embora para o dia seguinte saindo do Paine Grande, às 11h30. As pessoas que fazem o circuito W em 4 dias geralmente fazem esse trecho de Paine Grande ao Grey ida e volta no mesmo dia, totalizando 22 km. Porém, como fiz em 5 dias e caminho tranquilamente, eu fiz só a ida e dormi no refúgio Grey (sou uma trilheira de nível médio rs).

Quinto dia no Circuito W: do Refúgio Grey ao Refúgio Paine Grande

Quinto dia no Circuito W: do Refúgio Grey ao Refúgio Paine Grande

A caminhada não é muito difícil, mas eu estava cansada dos dias anteriores. Segundo o mapa são 3,5 horas, mas eu fiz em umas 5h. Passa-se pela Laguna de Los Patos e no geral, a vista é para o Lago Grey, que é lindíssimo! Em todas as vistas para esse lago avistei alguns icebergs. Depois, finalmente você chegará ao Mirador Grey, onde se vê o glacial Grey, uma visão belíssima! Continuando daí, já via o refúgio, que fica próximo do glacial, e parecia próximo, mas nunca chegava, numa descida extensa.

Quinto dia no Circuito W: do Refúgio Grey ao Refúgio Paine Grande

Quinto dia no Circuito W: do Refúgio Grey ao Refúgio Paine Grande

Após finalmente chegar, larguei as coisas no refúgio Grey e fui ver o glacial de mesmo nome, que fica bem próximo. No caminho, com um outro viajante, aprendi a identificar os calafates, uma frutinha de planta rasteira e espinhenta que dá nome à cidade de El Calafate. Depois desse lanchinho me esbaldei de tirar fotos de icebergs e gelo! O lago com o glacial é incrível, você chega bem pertinho! Ao lado desse trecho do lado há um pequeno morro onde é possível subir e ter uma visão mais de cima. Estou maravilhada até hoje!

Quinto dia no Circuito W: Lago Pehoe

Quinto dia no Circuito W: Lago Pehoe

O clima no refúgio, como nos outros, era bem alegre, inclusive no bar do refúgio vendiam licor de calafate, a frutinha que comi no dia anterior. Eu até fiquei alegre demais e quase perdi minha bolsinha com todos os documentos e dinheiro, e as passagens de barco e ônibus do dia seguinte! Mas recuperei, ufa!

Quinto dia no Circuito W: barco que leva pelo Lago Pehoe do Paine Grande até a portaria Pudeto

Quinto dia no Circuito W: navegando pelo Lago Pehoe para ir embora 🙁

Quinto dia

No dia seguinte fizemos o caminho de volta do Grey ao Paine Grande em menos tempo, 3,5 a 4h, caminhei mais depressa porque estava preocupada com o horário do barco. Aproveitando, esses são os horários dos barcos de partida, e geralmente o horário do barco de Paine Grande à portaria Pudeto é casado com o horário do ônibus de Pudeto para Puerto Natales.

Quinto dia no Circuito W: navegando pelo Lago Pehoe para ir embora 🙁

Quinto dia no Circuito W: navegando pelo Lago Pehoe para ir embora 🙁

Fui embora cansada do total da caminhada, mas feliz. Despedi-me do parque passeando pelo lindo lago Pehoe, chegando à portaria e pegando o ônibus. O circuito W é inesquecível, e um dia voltarei para fazer o circuito O. Agora tenho a certeza do motivo pelo qual as trilhas do Parque Nacional Torres del Paine estão na lista das trilhas mais lindas do mundo!

O Monte Roraima povoa o imaginário de muitos mochileiros e trilheiros. Mas por que não tornar esse sonho realidade? Esse tepui (tipo de relevo em forma de mesa formado há cerca de 2 bilhões de anos) encontra-se em 3 países: Brasil, Venezuela e Guiana, porém, apenas 10% estão no Brasil. Do lado brasileiro ele pertence ao Parque Nacional Monte Roraima, já do lado venezuelano, ao Parque Nacional Canaima (que se estende desde a região do Salto Angel, o mais alto do mundo, até Santa Elena de Uairén, abrangendo também a região da Gran Sabana). Há mais de 100 tepuis na região, sendo o Monte Roraima o mais elevado da cadeia, com 2810 metros de altitude (no seu ponto mais alto, a rocha Maverick). A parte superior tem 31 km2, com suas falésias caindo por 400 m de altura.

Trilha do 1º dia: Porteador e sua “mochila indígena’

Trilha do 1º dia: Veja quanta coisa eles carregam

E o que tem lá em cima dessa “grande mesa”, Sabrina? Uma incrível paisagem que mais parece uma mistura do tempo dos dinossauros com a superfície de algum planeta estranho. Eu só digo que é fascinante e, se você gosta de travessias, deve colocar já essa na lista! Para acessar o local, é preciso entrar pela Venezuela, sendo obrigatório guia para o trekking. As agências geralmente oferecem 6 ou 8 dias de caminhada. Porém, eu recomendo fortemente que faça em 8 dias, tanto para percorrer com calma cada etapa do percurso quanto porque, assim, é possível andar de uma ponta até a outra do Monte Roraima, conhecendo os principais atrativos (sim, tem rio, tem cachoeira, tem mirante, tem rochas em formatos exóticos que não se sabe como estão equilibrados dessa maneira, tem lagos, tem vegetações de montanha, tem cavernas etc. Ou você achou que não tinha nada lá em cima? rs). Se fizer o trekking em 6 dias terá que correr mais e/ou só irá até o comecinho da parte superior (NOOO!).

Trilha do 1º dia: No começo o Monte Roraima estava um pouco encoberto

Trilha do 1º dia: nuvem cobrindo o Monte Roraima

E quando eu vou? Diz-se que de maio a setembro seria a época mais chuvosa, e de outubro a abril, a mais seca. Se você for combinar o trekking ao Monte Roraima com o Salto Angel, é importante ressaltar que em dezembro começam as secas no Salto Angel e que, a partir daí, existe a possibilidade de não ter como visitar o Salto Angel por escassez de água no rio (o barco não tem como avançar). Eu visitei o Monte Roraima e o Salto Angel em dezembro (passei meu natal e ano novo lá). Ainda consegui visitar o Salto Angel (tema de relato futuro), apesar de o rio já ter começado a baixar. Porém, amigos meus quase não conseguiram fazer esse outro roteiro em março, por exemplo. Portanto, se for programar Salto Angel também, estude bem que época ir.

Trilha do 1º dia: o sol começa a sair e um arco-íris dá o ar da graça

Trilha do 1º dia: Kukenan à esquerda e Monte Rorama à direita

Além do Monte Roraima e do Salto Angel, outro roteiro bem popular na região é a Gran Sabana, conjunto de cachoeiras bem espalhadas pelo Parque Nacional Canaima, podendo ser visitadas com roteiros de 1 a vários dias. Eu fiz 1 dia de Gran Sabana entre o Salto Angel e o Monte Roraima, na folga de dias que tinha. Isso em 26 de dezembro, porque no dia 25 de dezembro nada funcionou em Santa Elena de Uairén.

Trilha do 1º dia: tá abrindo o tempo, gente!

Trilha do 2º dia: eu não resisto a uma placa!

Muitas pessoas deixam para contratar um guia, que é obrigatório para o trekking no Monte Roraima, na hora. Porém, dessa maneira, é preciso ter uma folga de dias, pois talvez não haja nenhuma agência ou guia saindo nas datas que precisa. Eu contratei minha agência daqui do Brasil, por e-mail. As agências do Brasil geralmente cobram um valor bem maior, e as agências venezuelanas têm os melhores preços. Algumas pessoas contratam guias independentes também.

Trilha do 2º dia: a aproximação

Trilha do 2º dia: uma queda d’água de cada lado

Eu recomendo a agência Mystic (site e Facebook; e-mail: [email protected]), mas também há boas recomendações de outras agências e guias, como a Backpackers (site e Facebook) e a Kamadac (site e Facebook), por exemplo. Pesquise bem o preço de todas, bem como a reputação. Algumas pessoas que conheço foram com o guia Gregory Lans e recomendam (contato do Facebook), mas há vários que atuam na região.

Trilha do 2º dia: deslumbrada já

Trilha do 2º dia: dei sorte, nem sempre tem cachu

Outra coisa importante é pesquisar sobre pessoas que tenham ido recentemente, ou então entrar em contato por e-mail com as agências para saber como anda a situação dessa parte da Venezuela. Fui no final de 2015 e conheço pessoas que foram normalmente em 2016, e ouvi dizer de gente indo agora em 2017. Não necessariamente é perigoso ou impossível visitar esse local na situação do país hoje, mas é mais importante pesquisar e contatar as agências de lá do que especular.

Trilha do 2º dia: acampamento base

Trilha do 2º dia: olha a vista do acampamento base!

Recomendo também a contratação de um seguro-viagem que tenha a opção de resgate de helicóptero, a única maneira de ser resgatado no caso de acidentes no Monte Roraima. A melhor maneira de conhecer o Monte Roraima é pegando um voo para Boa Vista (Roraima). Meu voo chegou quase 2h da manhã em Boa Vista, e peguei um táxi (preço tabelado de R$ 30,00) para o Hotel Mecejana. Precisei me hospedar em Boa Vista, pois a essa hora não havia transporte para a Venezuela.

Trilha do 2º dia: quando o sol começa a se por a cachu fica assim

Trilha do 2º dia: já escurecendo

No dia seguinte, meu plano era pegar um táxi coletivo de Boa Vista a Santa Elena. Para isso, é preciso ir ao terminal do Caimbé (Av. dos Imigrantes, 230), em Boa Vista. Em qualquer lugar que você perguntar, todo mundo sabe de onde saem os táxis para Santa Elena. Se não conseguir um táxi para Santa Elena, pode pegar um para Pacaraima, a última cidade brasileira antes da fronteira, e de lá, outro para Santa Elena. De Boa Vista, os táxis saem um atrás do outro, assim que lotam. De Boa Vista a Santa Elena são 230 km, feitos em cerca de 3h, e o valor da viagem por pessoa é de R$ 40,00. Não se preocupe, ouvi dizer que sempre tem gente indo para Santa Elena ou Pacaraima para dividir esses táxis coletivos. Porém, aconselho que chegue bem cedo, lá pelas 7h, para garantir. Eu não sei dizer se há táxis saindo mais tarde ou no período da tarde.

Trilha do 3º dia: arepas para aguentar a terrível caminhada do terceiro dia

Trilha do 3º dia: esse é o começo, com mais terra

Agora, como eu sempre tenho que fazer as coisas “com emoção”, comigo foi diferente. Assim que cheguei ao Hotel Mecejana, de madrugada, um jovem recepcionista disse que achava que eu poderia sair umas 9h para pegar o táxi para Santa Elena. Então tive uma noite de miss no hotel, aproveitando a cama e o chuveiro ao máximo. Às 9h saí do quarto e, ao chegar na recepção, o funcionário do dia disse que os táxis coletivos já haviam todos saído cedinho (por isso eu te digo para chegar umas 7h lá no terminal para pegar esse táxi). Entrei em desespero, pois eu iria primeiro ao Salto Angel e minha passagem de ônibus para a noite já estava comprada e meus dias estavam contadinhos para os passeios.

Trilha do 3º dia: logo vêm as pedras

Trilha do 3º dia: essa é a foto mais próxima do Paso das Lagrimas que consegui… era muita água caindo lá de cima

Fiz o recepcionista telefonar para todos os taxistas da “agenda” dele. Todos estavam sem sinal, por já estarem na estrada, ou os que atendiam falavam que também já estavam na estrada e não tinham como voltar. Nesse meu momento de desespero, eis que aparece o salvador: o dono do hotel Mecejana chegou e precisava ir a Santa Elena trocar um controle remoto de uma televisão do hotel e poderia me dar uma carona. Foi um dos momentos mais felizes da viagem! A carona foi tranquila, ele foi muito simpático e salvou minha vida!

Trilha do 4º dia: ai ai, o topo…

Trilha do 4º dia: não parece outro planeta?

Fiquei na fronteira, em Pacaraima. Tinha uma enorme fila para passar na imigração, mas demorou no máximo meia hora. Chegando a minha vez, a saída do Brasil foi tranquila, um rápido carimbo. Algumas pessoas não passam na imigração, entrando direto na Venezuela. Isso é muito perigoso, pois lá na Venezuela, se algum guarda te parar, você pode sofrer as consequências, ser extorquido pela polícia e até coisas piores, como pegarem suas coisas, por exemplo. Por isso, não deixe de carimbar tanto sua saída do Brasil quanto sua entrada na Venezuela (se você pular a imigração do Brasil e for direto para a da Venezuela eles vão te fazer voltar para carimbar a saída do Brasil). Além disso, se você tiver passagem de ônibus ou de avião dentro do país obrigatoriamente vai precisar mostrar esse carimbo, se não não embarca. É possível os guardas te pararem na estrada para o Monte Roraima, por exemplo, e pedirem para ver esse carimbo. Então, por favor, carimba!

Trilha do 4º dia: plantas carnívoras lá em cima

Trilha do 4º dia: esse é o sapinho preto que só habita o Monte Roraima

Você pode entrar na Venezuela com seu passaporte ou com seu RG (que deve ter menos de 10 anos de expedição). Outro documento que podem pedir é o Certificado Internacional de Vacinação, com o carimbo de vacina de febre amarela. Importante: carteira de motorista não passa como documento de viagem, não se esqueça disso.

Trilha do 4º dia: só tem lá no Monte Roraima

Trilha do 4º dia: a paisagem surreal

Depois que saí da fronteira brasileira caminhei por uns 500 metros até a fronteira venezuelana. No caminho, já havia alguns venezuelanos fazendo câmbio do real para o Bolivar, moeda do país. O dinheiro deles é muito desvalorizado em relação ao nosso. Não precisa ter medo de trocar moeda assim, na rua. É assim que funcionam as coisas por lá, você pode trocar um pouco de dinheiro na fronteira para pagar o táxi até Santa Elena, e trocar o resto na rua na cidade, mas as cotações eram iguais. Eu fui com meus pacotes pagos e troquei uns 200 reais para alimentação, deu um enorme bolo de notas! Esse dinheiro rendeu bastante.

Trilha do 4º dia: lindo e intrigante

Trilha do 4º dia: Ponto Triplo

Chegando na fronteira venezuelana a fila estava pequena e foi rápido. Não me perguntaram nada e carimbaram. Ouvi histórias terríveis de extorsão ou de pegarem suas coisas na fronteira, mas comigo foi realmente tranquilo. Passando a fronteira havia uns táxis para Santa Elena e já era bem perto de lá. O táxi custou, convertendo para real, menos de 10 reais.

Trilha do 4º dia: Vale dos Cristais

Trilha do 4º dia: Vale dos Cristais

Santa Elena é uma cidade pequena, com algumas lojas e uma praça central. Não há muito o que se fazer por lá, a não ser utilizá-la como ponto de partida. Quando cheguei ainda era muito cedo para meu ônibus para o Salto Angel (passagem comprada pela agência Mystic) e o simpático funcionário da Mystic deixou eu repousar por lá e depois me acompanhou até a rodoviária. Mas essa não é a história que vou contar agora, já que estamos falando do Monte Roraima. Então, na volta do Salto Angel a Santa Elena fui para minha hospedagem (reservada daqui do Brasil), a pousada L’Auberge. Essa pousada é muito confortável e com preço bom, indico totalmente. Em Santa Elena gastei no máximo 20 reais em cada refeição incluindo bebida. Um dia almocei no restaurante da agência Backpackers. Em uma noite comi num ótimo restaurante chinês que está na praça, onde um bem servido e gostoso arroz frito com vegetais chegou à bagatela de 3 reais! Lá em Santa Elena há também locais para comprar frutas e lanchinhos de trilha, como castanhas e bananinhas, por exemplo.

Trilha do 4º dia: isso branco no chão é tudo cristal!

Trilha do 4º dia: Acampamento Quati

Até aqui eu tinha feito tudo sozinha, Salto Angel e Gran Sabana (depois vou contar como cruzei a Venezuela sozinha e fui ao Salto Angel a partir de Ciudad Bolivar), e então chegaram meus amigos que me acompanhariam ao Monte Roraima. Na noite anterior ao início do trekking os guias que nos acompanhariam passaram na pousada para nos explicar como seria cada dia da caminhada. Olha como seria nosso trekking:

CLIQUE PARA AUMENTAR. Mapa do Monte Roraima. Fonte: www.hike-venezuela.com

CLIQUE PARA AUMENTAR. Mapa do topo do Monte Roraima. Fonte: www.roraimadefato.com

O pacote ao Monte Roraima incluiu guia, transporte de ida e volta de Santa Elena ao início do trekking, barracas para os campings, todas as refeições (menos os lanchinhos de trilha), carregadores que levaram barracas e alimentos e cozinharam todos os dias, barraca que era o banheiro, saquinhos e descarte apropriado para o número 2. Era possível, também, contratar um carregador para levar nossas coisas. Eu não quis, pois estava com o dinheiro contado e, por isso, resolvi levar o mínimo possível de coisas para aguentar carregar.

Minha bagagem consistia em: 3 camisetas e blusinhas de tecido bem leve, que fosse possível eu lavar e reutilizar, sabonete biodegradável da Granado para tomar banho e lavar roupa no rio, lenços umedecidos para os dias de frio na hora do banho, fleece, corta-vento, calça de trilha, calça e blusa segunda-pele para a noite, gorro e luvas, chapéu para o sol, coisas de higiene pessoal, saco de dormir para frio, isolante térmico, capa de chuva para a mochila, lanterna e bastão de caminhada. Ou seja, roupa de trilha no geral, para calor de dia e para frio à noite. DICA: se você não tem capa de chuva para mochila, você pode usar um saco de lixo grande dentro dela, com as coisas por dentro. Levei um cantil de 2 litros d’água apenas, pois todos os dias há vários pontos de abastecimento de água, bastando, para isso, você levar Clor-in para purificá-la.

Trilha do 4º dia: Acampamento Quati

Trilha do 5º dia: Rumo à proa

Trilha do 5º dia: caminho do Lago Gladys

Eu acredito que a trilha no Monte Roraima seja entre o nível médio e o difícil de dificuldade. Não precisa ser atleta, mas é necessário ter uma boa disposição. Nesses 8 dias, caminhei cerca de 90 km. Quando chegamos ao início da trilha nos registramos na entrada do parque, e pude notar que havia muitos cachorros famintos nesse ponto. Gostaria de ressaltar aqui que se alguém puder levar ração para doar nesse lugar, por favor, ajude-os. Falando nisso, é muito bom também se você puder levar coisas de trekking e dinheiro para doar para a equipe que te assistir nessa trilha, e sugiro que entregue em mãos para cada um. Eles trabalham pesado carregando, na maioria das vezes, 15 a 30 kg numa espécie de mochila indígena, feita de fibras de madeira.

Trilha do 5º dia: um dos incríveis mirantes

Trilha do 5º dia: mirante no caminho para o lago Gladys

Trilha do 5º dia: o topo de uma das cascatas que cai lá de cima

No primeiro dia caminhamos por cerca de 12 km, de Paraitepuy ao acampamento Tek. Iniciamos meio tarde, após o meio-dia, e chegamos já quase escurecendo ao acampamento, numa caminhada de umas 4 a 5h, com algumas subidas, mas nada muito intenso. Já nesse primeiro dia dá para ter a magnífica visão do Monte Roraima e do Monte Kukenan ao seu lado, cada vez mais linda à medida que se aproxima. O acampamento Tek fica perto de um rio, como quase todos os outros acampamentos, e assim você pode banhar-se e lavar o que for preciso. A cozinheira preparou o jantar e os carregadores montaram nossas barracas. Nas refeições sempre tinha as tradicionais arepas venezuelanas, espécie de “pão” feito com farinha de milho, super aprovado!

Trilha do 5º dia: Lago Gladys

Trilha do 5º dia: Lago Gladys

Agora você vai descobrir como é essa história de barraca banheiro: é uma barraca mais alta e estreita com uma espécie de banquinho com uma privada encaixada. Você posiciona seu saquinho plástico na privada e faz o serviço! Depois você amarra e deixa do lado de fora. No final de cada dia um dos carregadores (eu não queria ser esse cara!) coloca todos os saquinhos cheios no “shit tube” e leva com ele (eu realmente espero que não seja a mesma pessoa que carrega a comida!). Na volta do Monte Roraima, já na estrada, eles param o carro e jogam tudo numa lixeira.

Trilha do 5º dia: voltando para o acampamento Quati

Trilha do 5º dia: no caminho de volta ao acampamento Quati

No segundo dia, fomos do acampamento Tek ao acampamento base, uns 11 km, mas como saímos de manhã, chegamos cedo ainda nesse ponto. Nesse dia as subidas ficam um pouco mais íngremes e a trilha mais cansativa, mas nada muito forte também. Cruzamos o rio Kukenan, onde também há outro acampamento. Para cruzar os rios, se estiver com dificuldade por causa de pedras escorregadias, pode tirar o tênis e passar somente com as meias, que aderem bem a superfícies lisas demais. Ao se aproximar do acampamento base, as paisagens vão ficando cada vez mais lindas. Tive sorte de ter duas belas cascatas caindo do Monte Roraima. Não é sempre que elas estão lá, pois ocorrem de acordo com as chuvas. Essas cascatas e o Monte Roraima inspiraram o desenho Up! Altas aventuras (muita gente pensa que é o Salto Angel, mas é o Monte Roraima quando está com as cascatas). Eu fiz um vídeo para vocês terem uma ideia melhor do Monte inteiro com as cascatas aqui.

Infelizmente em nosso terceiro dia amanheceu chovendo, e choveu por 24h. Esse é o dia de subir o Monte Roraima. São só 3 km, mas a subida é bem mais intensa e fizemos em umas 5h. De subida, ele é o trecho mais difícil. No começo há uns “degraus” de terra, que estavam molhados pela chuva. Depois há vários trechos em que é preciso segurar nas pedras para se apoiar e subir. Esse trecho se chama La Rampa. Um dos pontos que se passa nessa etapa se chama El Passo de Lagrimas. É um local que, no meio da subida, caminhando por cima de pedras, você passa debaixo de uma das cachoeiras que viu lá do acampamento base. É muito lindo e molha muito também, então tenha suas coisas que não podem molhar bem guardadas.

Trilha do 6º dia: El Fosso

Trilha do 6º dia: El Fosso

Trilha do 6º dia: caminho até o Hotel Principal

Acabamos saindo meio tarde do acampamento base por causa da chuva. Todos os grupos já haviam partido e, por isso, quando chegamos no topo do Monte Roraima tinha escurecido. Apesar de a trilha até aqui ser razoavelmente clara, nessa parte superior o local mais parecia um labirinto. Nosso guia nos levou para nos abrigar em uma espécie de caverna. Os guias chamam essas cavernas de Hotel, e cada grupo dorme em uma das muitas que existem nessa região. Foi o dia de maior perrengue porque a chuva não parou nem um minuto, justo no dia mais tenso de subida, e chegamos cansados para dormir nessa pequena caverna.

Trilha do 6º dia: olha o que tinha perto do Hotel Principal, comi tanto!

Trilha do 6º dia: Jakuzzis

Trilha do 6º dia: jacuzzis, eu juro que entrei!

Felizmente, no dia seguinte, o quarto dia, a chuva parou e não voltou mais até o fim da viagem. Quando saímos da caverna nos deparamos com uma paisagem mágica de rochas que mais parecem ter saído da lua. Nesse dia caminhamos do Hotel Índio até o acampamento Coati, passando pelo ponto triplo, cerca de 10 km feitos em umas 6h. A caminhada no topo é mais ou menos plana, mas há vários “pula pedra”. Cansa bem menos que as subidas até agora, mas é preciso ter atenção para pisar corretamente nesses trechos. Em alguns pontos passamos por belíssimos mirantes, de onde conseguíamos observar a paisagem e até uma cascata caindo lá de cima. Pegamos uns trechos com neblina, mas que não durou muito tempo. O clima lá em cima parece mudar muito rápido nessa inóspita paisagem. Outra curiosidade é que no topo do Monte Roraima existe uma espécie de sapinho preto que só tem lá.

Trilha do 7º dia: de cima do Maverick

Trilha do 7º dia: visual incrível de cima do Maverick

O ponto triplo é onde Brasil, Venezuela e Guiana fazem fronteira. De lá, saímos um pouco da trilha num trecho curto para visitar o Vale dos Cristais. Como o nome diz, o chão e as pedras são repletos de lindos cristais. Lembre-se de que não se pode retirar absolutamente nada do Monte Roraima, inclusive porque na saída do parque, no último dia, os guardas irão te revistar e toda a sua bagagem para ter certeza de que você não retirou nada, inclusive esses cristais (podem te revistar também na fronteira voltando ao Brasil). Chegamos no acampamento Coati, um incrível abrigo debaixo das pedras. Lá foi nosso ano novo, com direito a sopinha antes do jantar! Fizemos nossa contagem regressiva de acordo com o horário do Brasil. O local é bem curioso, uma espécie de caverna, mas sem o teto.

Trilha do 7º dia: eu não resisto… do mirante do Maverick

Trilha do 7º dia: AHAAAAAA, vocês acharam que eu não ia fazer o Up! Altas Aventuras?

No quinto dia caminhamos até o lago Gladys e a proa, uns 8 km por umas 6h. Para a proa é necessário corda para realmente ver o fim do Monte Roraima, e a maioria dos guias não leva, por isso só andamos até onde foi seguro sem corda. O lago Gladys tem uma linda paisagem para se avistar de cima. Dormimos novamente no acampamento Coati.

Trilha do 7º dia: ainda de cima do Maverick

Trilha do 7º dia: a descida.. tem que voltar mesmo?

No sexto dia iniciamos nosso retorno à outra ponta do Monte Roraima, em direção ao Hotel Principal, já perto do Hotel Índio, que dormimos na terceira noite. Foram mais ou menos 10 km percorridos em umas 4h. No caminho, passamos pelo El Fosso, uma espécie de buraco com um lago embaixo, de onde se pode saltar para nadar lá embaixo. Para sair há um caminho por uma gruta. Depois de chegar ao Hotel Principal, deixamos nossas coisas e fomos até as Jacuzzis, um dos lugares mais esperados para mim. São piscinas naturais de água amarelada (e extremamente gelada, como todas as águas da região) e muito convidativas para o banho pelo lindo visual delas, um incrível lugar.

Trilha do 7º dia: seus joelhos vão gritar! Mas bastão ajuda rs

Trilha do 7º dia: o paredão ta ficando longe

No sétimo dia primeiro passamos no Maverick, o ponto mais alto do Monte Roraima. Bastam apenas alguns minutos para subir, e a vista é realmente compensadora, de lá é possível ver alguns dos platôs do Monte Roraima e do Kukenan. Depois caminhamos de volta ao acampamento Tek (aquele do primeiro dia) por cerca de 15 km por umas 8h. Essa parte é bem cansativa, pois engloba a descida do Monte Roraima que foi o trecho de subida mais difícil na ida. Nessa hora eu digo: joelhos para que te quero! Essa descida força bem os músculos das pernas e os joelhos, então é bem útil se você tiver levado bastões de caminhada para te amparar. Almoçamos no acampamento base, mas em seguida prosseguimos para o Tek, onde fizemos o último pernoite.

Trilha do 8º dia: Tchau, Monte Roraima e Kukenan!

No último dia caminhamos por uns 12 km de volta ao Paraitepuy por umas 4h. Ainda paramos para almoçar na estrada na volta para Santa Elena. Chegando na cidade peguei minhas coisas que não levei para a trilha e tinha deixado no L’auberge e de lá, um táxi para a fronteira. Dali carimbamos a saída da Venezuela e a entrada no Brasil e facilmente consegui um táxi para Boa Vista no fim da tarde, pois meu voo de volta para minha cidade era a 01h30 da manhã.

O Monte Roraima, com suas paisagens surreais, foi um sonho realizado! Voltei para casa com uma gratificante sensação, lembrando dos lugares pelos quais passei e nunca vou esquecer!

Trilha do 8º dia: agora é bye-bye!

Muitas vezes, visitar Foz do Iguaçu não é a primeira escolha dos viajantes. Porém, todos que conhecem voltam maravilhados! E como não se impressionar com tamanha vazão d’água? O rio Iguaçu forma 19 saltos (com 275 quedas), as Cataratas do Iguaçu, destas, 5 no lado brasileiro e o restante no lado argentino. As quedas têm até 80 metros de altura e 2780 metros de largura.

Parque Nacional Iguazu, lado argentino

Trem da Selva no Parque Nacional Iguazu, lado argentino

O Parque Nacional do Iguaçu foi inaugurado em 1939, e foi a primeira unidade de conservação a ser instituída como Sítio do Patrimônio Mundial Natural pela Unesco, em 1986. Já o lado argentino foi inaugurado antes, em 1934. Em 2011, as Cataratas do Iguaçu ganharam o título de uma das Sete Novas Maravilhas da Natureza.

Cuidado com os quatis!

Indo para a Garganta do Diabo, Parque Nacional Iguazu, lado argentino

Foz do Iguaçu pode ser visitada o ano todo, porém, na primavera e no verão o local tende a ser mais chuvoso, e no outono e no inverno, mais seco. Portanto, nas estações chuvosas o volume d’água será maior e a água estará mais barrenta. Já nas estações secas haverá menos água, porém as cachoeiras estarão mais definidas.

Esse roteiro pode ser feito desde somente um fim de semana até muitos dias. Eu particularmente acho que pelo menos da primeira vez é ideal ficar pelo menos 3 dias.

Indo para a Garganta do Diabo, Parque Nacional Iguazu, lado argentino

Indo para a Garganta do Diabo, Parque Nacional Iguazu, lado argentino

O aeroporto de Foz do Iguaçu é o ponto de partida de muitos viajantes. Porém, é possível também chegar de ônibus, com as viações Pluma, São Geraldo, Itapemirim, Catarinense, Kaiowa e outras, dependendo de onde estiver vindo. Muitas pessoas dirigem até a localidade, e um carro pode ser útil para os passeios, mas não essencial.

A cidade tem muita oferta de hospedagem, incluindo hostels muito bons. Minha hospedagem me auxiliou com o transporte para meu primeiro dia de passeio na região, o lado argentino das cataratas.

A Garganta do Diabo, Parque Nacional Iguazu, lado argentino

A Garganta do Diabo, Parque Nacional Iguazu, lado argentino

O lado argentino é o mais aventureiro, onde você chega bem perto das cataratas e caminhará mais para visitar o local todo, além de ter mais coisas para ver. Porém, é mais emocionante (e ainda assim conta com boa estrutura de acessibilidade) e o passeio de barco pelas cataratas é mais barato. Já o lado brasileiro é excelente para contemplação, a caminhada é mais curta, mas a visão das cataratas é mais panorâmica. É uma visão mais ampla que não se tem do lado argentino. Dos dois lados, tome cuidado com os quatis, que são fofos, mas podem morder e roubar sua comida, não mexa com eles!

Circuito inferior, Parque Nacional Iguazu, lado argentino

Circuito inferior, Parque Nacional Iguazu, lado argentino

Contratei com minha hospedagem uma van que me deixou na portaria do Parque Nacional Iguazú, porém, é possível ir de ônibus de linha também. Neste último caso, é preciso pegar um ônibus para a rodoviária de Puerto Iguazú e de lá um circular que passa no parque. Consulte os horários das linhas de Foz do Iguaçu aqui. Ao passar pela imigração, o visitante deve apresentar seu RG (que deve ter menos de 10 anos) ou passaporte, para só depois seguir viagem. Você precisará comprar pesos argentinos para essa visita, pois a compra do ticket (e do estacionamento, se estiver de carro) só pode ser paga em espécie e na moeda local. Já no interior do parque você pode pagar o que for comprar ou consumir no cartão. Há algumas casas de câmbio em Foz do Iguaçu e também no caminho até o parque, você pode trocar antes de chegar.

Circuito inferior, Parque Nacional Iguazu, lado argentino

Circuito inferior, Parque Nacional Iguazu, lado argentino

O Parque Nacional Iguazú funciona todos os dias das 8h às 18h, porém a entrada é permitida até as 16h30. O valor de entrada para residentes do Mercosul é de 250 pesos argentinos (cerca de 51 reais). Sugiro que chegue bem cedo e reserve o dia todo para conhecer essa maravilha!

Circuito superior, Parque Nacional Iguazu, lado argentino

Circuito superior, Parque Nacional Iguazu, lado argentino

Você pode iniciar seu passeio pelo Trem da Selva (incluso já no valor da visita). Muitas vezes a fila para o trem está muito grande, e é possível alterar a ordem dos passeios também. O trem sai de 20 em 20 minutos e é uma viagem muito agradável (dura uns 15 minutos), passando pelo meio da mata. Saindo da Estação Central, ele passa pela Estação Cataratas, de onde se tem acesso aos circuitos Superior e Inferior, e segue para a Estação Garganta do Diabo. De lá se inicia a passarela de 1100 metros atravessando o Rio Iguazú até a Garganta do Diabo. A paisagem do percurso é incrível e a queda d’água é de tirar o fôlego nos seus 80 metros! O tempo estimado de visita para esse percurso todo é de 2h.

Circuito superior, Parque Nacional Iguazu, lado argentino

Aventura Náutica, Parque Nacional Iguazu, lado argentino

Depois, pegue o trem de volta até a Estação Cataratas (se você tivesse iniciado seu passeio por essa estação, pode ir a pé da portaria até ela, pois são só 600 metros pelo Caminho Verde). O Circuito Inferior tem 1700 metros e sua duração média é de 1h45. As passarelas chegam a ter uma escada, então pode-se dizer que ele não é totalmente acessível. A caminhada é bem tranquila, e é maravilhoso o contato com a parte inferior das Cataratas de tão perto! De lá eu fiz o passeio de barco com a Iguazu Jungle, a Aventura Náutica. Achei emocionante, o barco chega muito próximo da queda principal perto da ilha de San Martin e passa debaixo de algumas outras quedas. Realmente achei que comparado com o passeio de barco do lado brasileiro, este é com mais emoção. Ele custa 450 pesos argentinos (cerca de 93 reais). Eu sei que é caro, mas a diversão é garantida!

Ice Bar Iguazu

Ice Bar Iguazu, até o copo é de gelo!

Depois siga para o Circuito Superior, com 1750 metros, com duração de 2h (parando muito para fotos, dá para fazer em bem menos tempo). Esse circuito é quase um mirante, pois você passa pelo topo das quedas que viu no Circuito Inferior, e também é muito bonito e próximo das cachoeiras.

Brrrrr!! Ice Bar Iguazu

Faltou fazer o “Sendero Macuco y Salto Arrechea”, uma trilha de 7 km no parque com duração de cerca de 3h. Uma boa aliada à visita nas Cataratas, seja o lado argentino ou o brasileiro, é a capa de chuva, pois em algum ponto você vai se molhar! Segue um mapa do parque para que você se localize nas atrações que falei:

Clique para aumentar. Fonte: http://www.iguazujungle.com/images/mapa_back.jpg

 

Parque Nacional do Iguaçu, lado brasileiro

Parque Nacional do Iguaçu, lado brasileiro

Saindo do lado argentino aproveitei que estava em Puerto Iguazu para visitar o Ice Bar Iguazu, o Bar de Gelo. Ao chegar, o visitante coloca uma roupa especial para frio e entra em uma sala de aclimatação para se acostumar com as baixas temperaturas. Já dentro do Ice Bar são 10 graus negativos, para preservar as curiosas esculturas de gelo. São 30 minutos de open bar, e no site tem um cardápio. Mas confesso que esse tempo é dividido entre tirar fotos e realmente aproveitar as bebidas. Eu achei muito divertido! O Ice Bar funciona todos os dias das 14h às 23h30 e custa 300 pesos argentinos (R$ 61,00). Se ainda estiver animado para passear pode até dar uma volta por Puerto Iguazu, aproveitando os restaurantes e cassinos, como o Cassino Iguazú, por exemplo.

Parque Nacional do Iguaçu, lado brasileiro

Parque Nacional do Iguaçu, lado brasileiro

Parque Nacional do Iguaçu, lado brasileiro

No dia seguinte visitei as cataratas do lado brasileiro. Nesse dia eu fui de ônibus de linha e foi bem fácil. O Parque Nacional do Iguaçu funciona todos os dias das 9h às 17h. O ingresso para brasileiros custa R$ 40,00. Lá tem a opção de fazer o voo panorâmico de helicóptero, mas estava fora de minhas possibilidades (R$ 310,00), se é que você me entende hehe. Quando você for comprar o ingresso também pode optar pelo Macuco Safari, que é o passeio de barco do lado brasileiro, que inclui parte com carro elétrico pela mata e parte de barco (mas o lado argentino era com emoção e também mais barato, este nem tanto, lembra? rs), mas custa R$ 215,40. Também há a trilha do Poço Preto (R$ 278,00) e a Trilha das Bananeiras. Você pode consultar os valores atuais por e-mail.

Parque Nacional do Iguaçu, lado brasileiro

Molha mesmo!!!! Parque Nacional do Iguaçu, lado brasileiro

Molha tudo, gente!! Parque Nacional do Iguaçu, lado brasileiro

Agora, iniciando o passeio, você pegará o ônibus incluso no valor do ingresso. Se não for fazer os passeios pagos que citei, você descerá na Estação Trilha das Cataratas e irá caminhando (1200 metros), pois passará por vários mirantes pelo caminho. Cada mirante é um show! No final você segue por uma passarela que chega bem perto da Garganta do Diabo, achei o ponto alto do passeio, prepare-se para se molhar. A caminhada termina na Estação Porto Canoas. O passeio pelo lado brasileiro das Cataratas demora cerca de 1,5h hora, mas pode durar 2,5h se você for fazer o Macuco Safari. Você pode entender bem o parque vendo este mapa.

Clique para aumentar. Fonte: http://www.cataratasdoiguacu.com.br/cataratas-do-iguacu-sa/mapa

 

Parque das Aves

Olha como é o percurso no Parque das Aves

Eu acho que o lado argentino e o lado brasileiro das Cataratas se complementam, você deve conhecer ambos, e é muito legal fazer passeio de barco em um deles. Alguns preferem o lado brasileiro e outros preferem o lado argentino (eu prefiro o argentino), mas é um gosto pessoal.

Parque das Aves

Parque das Aves

Saindo do Parque Nacional do Iguaçu, do outro lado da rua está o Parque das Aves. Ele funciona todos os dias das 8h30 às 17h e custa R$ 40,00. A visita demora cerca de 2h, então dá para fazer meio período Parque das Aves e meio período Parque Nacional do Iguaçu no mesmo dia. O Parque das Aves tem mais de 1320 aves, com cerca de 143 espécies diferentes. A visita é bem interessante, você caminha por dentro de diversos viveiros e tem contato direto com tucanos, araras, gralhas, flamingos e outros, incluindo um borboletário. Ao entrar num viveiro, feche a porta para as aves não saírem. Dá para fazer fotos excelentes!

Parque das Aves

Parque das Aves

Outro lugar que fica próximo ao lado brasileiro das Cataratas é o Museu de Cera, que não visitei, e também o Vale dos Dinossauros (que me disseram que agrada mais as crianças) e as Maravilhas do Mundo (museu com miniaturas das Maravilhas).

Algumas pessoas contratam agências para fazer transfer para as atrações e também diferenciar os passeios, como a Loumar Turismo, pois há possibilidades de city tour interessantes não só por Foz do Iguaçu, mas também por Puerto Iguazu e arredores, inclusive para as ruínas de San Ignácio Mini e as Minas de Wanda, atrações da Argentina.

Outra atração bem popular em Foz do Iguaçu é a Hidrelétrica Itaipu Binacional, uma das maiores obras de engenharia moderna já construídas. Há vários tipos de passeios, e você pode escolher a sua opção no site. Só para ver a parte externa você pode fazer a Visita Panorâmica (duração de 1,5 hora), mas o Circuito Especial percorre também a parte interna (com duração de 2,5 horas), e há também um passeio de iluminação noturna.

Usina de Itaipu. Fonte: https://www.turismoitaipu.com.br/pt

Muitas pessoas aproveitam a visita a Foz para fazer compras no Paraguai, atravessando a Ponte da Amizade para a Ciudad del Este. Há ótimos preços, mas você deve ficar atento e preferir comprar em shoppings (como o Monalisa e a SAX e Shopping del Este) do que na rua, para comprar com segurança e evitar os vendedores que te abordam pelo caminho. Você pode ir a pé, de ônibus, com táxi ou agência. O local é feio, mais parece uma 25 de março (rua de compras no centro de São Paulo), então vá se você for comprar algo, e não como um passeio. Fique atento à cota de 300 dólares para as compras. Também há outra opção para compras no Duty Free da Argentina.

Templo Budista em Foz do Iguaçu

Templo Budista em Foz do Iguaçu

Templo Budista em Foz do Iguaçu

Um passeio que gostei muito de fazer é o Templo Budista de Foz do Iguaçu. Ele funciona de terça a domingo das 9h30 às 17h e a entrada é gratuita. Vale muito visitar mesmo que você não seja adepto do budismo, pois o local é muito bonito, com 120 lindas estátuas. Ele fica na Rua Dr. Josivalter Vila Nova, 99 e a visita dura mais ou menos 1h. Eu fui de ônibus, mas ele é um pouco demorado e dá muitas voltas, então muitas pessoas vão com agência.

Templo Budista em Foz do Iguaçu

Templo Budista em Foz do Iguaçu

Algumas pessoas também visitam a Mesquita Islâmica (de segunda a sábado). Bem popular também é o passeio ao Marco das 3 Fronteiras (Argentina, Brasil e Paraguai). Aqui há uma descrição de como é o passeio e este é o site oficial, com o valor de ingressos e horários. Há um ônibus de City Tour que passa no Marco das 3 Fronteiras, no Templo Budista e na Mesquita. Agências como a Loumar Turismo oferecem opções de jantares temáticos também.

Olha um pedacinho das cataratas do avião, sente do lado direito

Seja quantos dias ficar, Foz do Iguaçu é essencial para todo tipo de viajante, e há grande possibilidade de você se apaixonar e querer voltar para fazer outros passeios ou repetir os que já fez.

Este é meu primeiro post. Resolvi escrever este blog por conta de muitos amigos me perguntarem de minhas viagens, de como é num determinado lugar, de como ir lá da maneira que eu fui etc.

É um jeito de eu contar minhas experiências e eu poder ajudar quem quiser ir e fazer o mesmo ou pelo menos acrescentar algumas dicas úteis sobre cada destino.

Fico imensamente feliz em ajudar no que puder e contar minhas histórias e relatos!

E que venham os posts!