São Miguel das Missões e sua história

Se você gosta de história e de ruínas esse lugar vai te dar uma aula!  São Miguel das Missões é parte importantíssima da história do Brasil e das missões (ou reduções), também na Argentina e no Paraguai. Consideradas Patrimônio Mundial da Unesco, as construções dessa região (Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo) tiveram início em 1687, e seu objetivo era trazer o cristianismo aos índios. As reduções ficaram conhecidas como os Sete Povos das Missões, compreendendo as cidades de Santo Ângelo, São Nicolau, São Luiz Gonzaga, São Lourenço Mártir, São João Batista, São Miguel das Missões e São Francisco de Borja.

No caminho para São Miguel das Missões

Catedral Angelopolitana

São Miguel das Missões foi o maior agrupamento de índios e jesuítas da região. A igreja principal foi construída a partir de 1735. Durante os séculos XVII e XVIII os índios aderiram às missões não por serem obrigados, mas porque, desse modo, aprendiam técnicas de agricultura e tinham melhores condições sanitárias e de saúde, embora, para isso, precisassem abdicar de seus costumes.

Praça da Catedral Angelopolitana

Praça da Catedral Angelopolitana

As missões foram abandonadas na região por conta da Guerra Guaranítica, quando os índios e os jesuítas foram expulsos em razão do Tratado de Madri. Esse é só um resumo, mas visitando a cidade você poderá conhecer mais detalhes sobre as missões e a história do local nessa época.

Placa indicativa (mas a entrada é a 100 m, repare que foi escrita à mão rs)

Sítio arqueológico de São João Batista

A catedral em São Miguel das Missões, feita com pedra grês, é o que está mais preservado nas ruínas do Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo. Porém, na cidade de Santo Ângelo, a quase 60 km de lá, você pode ver uma igreja que imita o estilo do que seria a catedral em São Miguel das Missões. Essa catedral em Santo Ângelo se chama Catedral Angelopolitana, também de pedra grês, mas datando de 1929. Em seu pórtico estão esculpidos os santos padroeiros dos Sete Povos das Missões.

Sítio arqueológico de São João Batista

Sítio arqueológico de São João Batista

Algumas pessoas visitam São Miguel das Missões seguindo a Rota das Missões, em uma viagem mais longa englobando as missões dos países vizinhos. Há também o Caminho das Missões, que tem 180 km e passa por várias cidades que abrigavam as missões. Algumas pessoas percorrem de carro, outras a pé. Porém, eu fiz um roteiro mais básico: um fim de semana partindo de Porto Alegre. É um pouco cansativo, mas recompensador se o assunto te agrada, e um passeio diferente no Rio Grande do Sul, que foge dos mais tradicionais em Gramado, Canela e Bento Gonçalves.

Portal de São Miguel das Missões

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo e a Cruz Missioneira

A melhor maneira de visitar as missões no Rio Grande do Sul é de carro. Eu aluguei um veículo em Porto Alegre, a cerca de 480 km de São Miguel das Missões, levando mais ou menos 6h. Como a cidade de Santo Ângelo fica antes na rodovia, aproveitei para dar uma passada na praça que abriga a formosa Catedral Angelopolitana.

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Se você não for alugar carro, é possível ir de ônibus. Não há ônibus direto, mas a viação Ouro e Prata te leva até Santo Ângelo, e de Santo Ângelo a São Miguel das Missões o trajeto é feito pela viação Antonello (neste site e neste site).

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Detalhe do Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Saindo de Santo Ângelo, mas ainda antes de chegar a São Miguel das Missões, há uma entrada na rodovia para o sítio arqueológico de São João Batista. Há uma placa, mas a entrada é um pouco confusa, pois há uma saída de carros bem na placa, mas a entrada em si fica alguns metros à frente. Tive que perguntar para certificar-me de que estava no sentido correto. Então segui por uma estrada de terra em boas condições (onde furei meu pneu no cascalho) para, então, chegar ao sítio arqueológico. Esse local está no município de Entre-Ijuís, a 24 km de São Miguel Arcanjo. São João Batista foi a primeira fundição de ferro do território brasileiro. As ruínas estão bem degradadas em relação às de São Miguel Arcanjo, mas, apesar de simples, pode ser um complemento a sua visita à região.

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Continuando o passeio, segui para meu destino principal. São Miguel das Missões é bem pequena, com poucos atrativos, e você vai encontrar facilmente as ruínas. Antes disso, o portal da cidade já chama a atenção, uma homenagem ao povo Guarani com a frase em Guarani “Co Yvi Oguereco Yara”, que significa “Esta terra tem dono”. A visita ao Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo é de terça a domingo das 9h às 12h e das 14h às 18h, porém, no horário de verão, funciona até 20h. O ingresso custa R$ 5,00. É possível contratar um guia para contar sobre a história do local, e no início você pode assistir a um vídeo de apresentação. A grandiosidade desse sítio arqueológico é notável, é impossível não se impressionar! A poucos metros da ruína da catedral está a bela Cruz Missioneira.

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Ao lado do sítio arqueológico havia o Museu das Missões (Museu Lúcio Costa), construído em 1940, baseado nas residências missioneiras, e abrigava esculturas feitas pelos Guaranis. Administrado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), o museu foi destruído em abril de 2016 pelo tornado que passou no local. Porém, as obras foram salvas e estão em exposição temporária. Atualmente o museu está em obras de recuperação.

Esculturas do Museu Lúcio Costa

Todos os dias, incluindo as segundas-feiras, acontece o Espetáculo Som e Luz, e custa R$ 15,00 (no horário de verão, às 21h30; em fevereiro, março, abril, setembro e outubro, às 20h; e de maio a agosto, às 19h). Informações atualizadas e também sobre horários do Espetáculo Som e Luz em espanhol e em inglês podem ser acessadas neste site (lá também tem informações sobre outros passeios na região). O espetáculo é interessante por apresentar, durante 50 minutos, mais um pouco da história das missões na região. É um show de luzes que deixa as ruínas muito bonitas gravado com vozes de atores famosos. Minha dica é levar roupas para frio para assistir ao espetáculo, pois nessa região à noite a temperatura costuma cair bem.

Espetáculo Som e Luz

Espetáculo Som e Luz

Não visitei, mas na cidade há também a Fonte Missioneira, que abastecia os guaranis na época, a 1 km de São Miguel Arcanjo. O Ponto da Memória Missioneira tem vários documentos e objetos que trazem um pouco da história da região. A Aldeia Indígena Tekoa Koenjú (Secretaria Municipal de Turismo: (55) 33811294) e a Fazenda da Laje (Agendamento: (55) 9972-1148) também são pontos para incrementar seu passeio. É possível também visitar o Sítio Arqueológico de São Lourenço Mártir, no município de São Luiz Gonzaga, e o Sítio Arqueológico de São Nicolau, na cidade de mesmo nome. Você pode pesquisar mais sobre esses locais no site da Pousada das Missões, na aba Atrativos Turísticos.

Clique para aumentar. Mapa das Missões. Fonte: http://www.fenamilhointernacional.com/site/conheca-santo-angelo/

As ruínas das missões são muito interessantes e inusitadas, inseridas em uma região onde o turismo não é ainda tão explorado. Cada detalhe tem sua beleza própria e a história e as ruínas te transportam numa viagem pelo tempo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *