E não é que é Bonito mesmo?

Todo mundo que visita Bonito volta de lá dizendo que não é Bonito… é LINDO (para dizer o mínimo)! E não é à toa que esse polo ecoturístico deve estar na lista de todos que adoram viagens de natureza. A 300 km de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, esse é um dos destinos mais organizados e sustentáveis do Brasil.

É claro que a exuberância toda de Bonito não é barata. Porém, é necessário reservar os passeios com meses de antecedência, pois todos eles têm limite de visitação diária, o que é excelente para não agredir tanto a natureza. Por isso, essa reserva antecipada acaba permitindo o parcelamento dos pacotes de passeios que fizer (afinal, na vida tudo se parcela rs).

Uma viagem a Bonito exige planejamento, pois há muitas opções de passeios por lá, e com certeza você precisará escolher quais fazer e quais deixar de fora. Acho que o mínimo para uma primeira vez na região são 4 dias, onde é possível encaixar atrativos mais diferenciados um do outro se assim desejar. Como todos os passeios têm limite de visitação, como mencionei, é necessário reservar previamente (na hora dificilmente haverá vagas para os mais legais).

Flutuação no Rio da Prata

Quando ir?

Esse destino pode ser visitado em qualquer época do ano. Porém, de dezembro a março é o período de chuvas, que podem atrapalhar e até cancelar muitos passeios, apesar de ser quando as cachoeiras estarão mais cheias e haverá mais animais para avistar. De maio a agosto é o período mais seco, mas talvez haja menos animais e algumas cachoeiras estarão mais secas. No entanto, é quando as águas estão mais claras e a visibilidade, melhor. Então talvez os meses intermediários, os de outono e primavera, sejam os mais indicados, pois há menor chance de chuva e ao mesmo tempo há boa visibilidade na água.

Macaquinho no Rio do Peixe

OPA: Outra coisa que não se pode esquecer antes de chegar é que existe diferença de fuso horário de 1h a menos em relação ao fuso horário de Brasília.

Como chegar?

Algumas vezes por semana há um voo da Azul para Bonito, mas como não é tão frequente, a maneira mais usual de se chegar é pelo aeroporto de Campo Grande. De lá, existem algumas formas para ir a Bonito. A Viação Cruzeiro do Sul faz o percurso de ida e volta entre Campo Grande e Bonito algumas vezes por dia, consulte o site.

É possível também contratar um transfer de alguma agência de passeios de Bonito, inclusive saindo do aeroporto de Campo Grande. Para essa opção, entre em contato previamente com sua agência. Acho essa uma boa maneira caso o horário de seu voo não se encaixe com os horários dos ônibus, pois as vans têm horários mais diversificados de partida e além disso já te deixam em sua hospedagem em Bonito.

Algumas pessoas preferem alugar carro. Essa opção vale a pena se você estiver disposto a dirigir (pois são 300 km até Bonito e a maioria dos atrativos fica distante da cidade, a cerca de 50 km) e em um número mínimo de pessoas, que compense o valor do aluguel e combustível; porém, chegando em Bonito você poderá ir de carro aos atrativos. Caso contrário, se optar por ônibus ou van precisará contratar os transfers das agências para os locais dos passeios. Portanto, estude o melhor custo-benefício para você.

Flutuação no Rio da Prata

Existem inúmeras agências na cidade, e todos os passeios são obrigatoriamente feitos através de uma. Isso porque o turismo na cidade opera por um sistema de vouchers vendidos somente nas agências e que devem ser entregues nos atrativos, todos em propriedades particulares, que seguem critérios rigorosos de preservação do meio ambiente (na “porta” não vende). É tudo muito organizado. Os preços são todos tabelados, e você pode ter uma ideia de valores na Associação dos Atrativos de Bonito. Eu fechei todos os meus passeios com a Bonitour, mas minha hospedagem, o excelente Bonito Hostel também oferece passeios. Além disso, ouvi falar bem de inúmeras outras agências da cidade.

Acho que a principal atividade em Bonito são as flutuações nos rios. Por isso, é interessante levar algum equipamento para registrar seu tour, como câmera à prova d’água, celular com capa impermeável ou similares. Se não tiver, as agências costumam oferecer esse tipo de equipamento para locação. Muitos dos atrativos não permitem a entrada na água com protetor solar e repelente, fique atento às regras de visitação. Em cada atrativo são fornecidos snorkel, máscara, roupa de neoprene, colete salva-vidas e o que mais for necessário. Se você tiver receio da água e da flutuação, é importante informar os locais, pois muitas vezes há pessoas preparadas para te assistir em relação a isso, e nem mesmo é necessário saber nadar.

Flutuação no Rio Sucuri

Flutuação no Rio da Prata

Se você só tiver tempo para fazer uma única flutuação, reserve a do Rio da Prata. O local fica a 50 km de Bonito e é um passeio de meio período. Após a explicação e uma pequena caminhada pela mata, a flutuação começa no Rio Olho D’água, que depois se junta com o Rio da Prata em si. É tão transparente que parece que você está nadando em um aquário! É deslumbrante nadar com as piraputangas, dourados, pacus, curimbas e muitas outras espécies. Não é necessário dar braçadas, pois, no geral, a correnteza leve vai te conduzindo pelo curso do rio. Após a experiência é possível almoçar no local. O Rio da Prata ganhou como a melhor atração turística do Brasil no Guia 4 Rodas em 2008 e 2009.

Flutuação no Rio Sucuri

Flutuação no Rio da Prata

Uma flutuação que fica no mesmo local que o Rio da Prata é a Lagoa Misteriosa. É possível fazer flutuação, mas a graça dela é que lá você pode mergulhar com cilindro, descendo até 8 m de profundidade (se você tiver curso de mergulho pode baixar até 18 a 25 metros). Dizem que ela tem esse nome porque ainda não descobriram sua profundidade total, e o máximo que o homem chegou foi a 220 m. Esse atrativo só funciona de abril a setembro, os meses de maior transparência da água.

Araras na fazenda do Rio do Peixe

Arara na fazenda do Rio do Peixe

Outra opção de passeio para combinar com o Rio da Prata é o Buraco das Araras, que fica a 5 km de lá. Esse é um passeio para fim de tarde, para depois das 16h, que é o horário que as araras retornam ao local. Não tem nada como contemplar as araras nessa dolina de 100 m de profundidade, formação geológica originada do desmoronamento de blocos rochosos.

Buraco das Araras. Fonte: http://www.turismo.bonito.ms.gov.br/bonito/atrativos-turisticos/buraco-das-araras

Voltando às flutuações, outra bem popular é o Rio Sucuri, a 19 km de Bonito. Assim como o Rio da Prata, ele também é tão transparente por causa da presença do calcário na água. Este também é um passeio de meio período e funciona nos mesmos moldes das outras flutuações. Um barco acompanha o percurso da flutuação, portanto é possível seguir dentro dele em alguns trechos. Achei que neste rio há menos peixes que no Rio da Prata, mas também é bem bonito, pois a vegetação subaquática é bem rica. Se for fazer os dois passeios, talvez seja melhor deixar o Rio da Prata para o final, pois se impressionará mais. O Rio Sucuri não tem sucuris de fato, mas é assim chamado por causa de seu formato sinuoso.

Flutuação no Rio Sucuri

Outras flutuações que merecem destaque são: a Barra do Sucuri (onde é feito primeiro um passeio de barco rio acima, para depois voltar fazendo a flutuação no sentido da correnteza), o Aquário Natural (a 7 km de Bonito), o Bonito Aventura (Rio Formoso), a Nascente Azul e o Parque Ecológico Rio Formoso. Em todas as flutuações é necessário o uso do equipamento completo fornecido, pois não se pode tocar o fundo dos rios, para não turvar a água, o que prejudicaria a transparência dela. Todos os passeios são acompanhados por monitores credenciados.

Flutuação no Rio da Prata

Flutuação no Rio Sucuri

Um lugar que acho bem relaxante e bonito em Bonito (dããã rs) é o Rio do Peixe, a 35 km da cidade. Apesar de também ser um passeio de rio, ele não é uma flutuação. Esse é um passeio para curtir as cachoeiras e apreciar os possíveis animais que avistará. São 2 km de caminhada nível fácil com 7 paradas para banho. O local é muito bom para passar o dia, e o almoço é excelente, com destaque para os doces caseiros, em especial o doce de leite queimado.

Fazenda do Rio do Peixe

Fazenda do Rio do Peixe

Tirolesa na Fazenda do Rio do Peixe

Um destaque do atrativo é o próprio dono da fazenda, o seu Moacyr e seus “causos”. Com sua simpatia, ele explica como alimentar os macacos que frequentam a fazenda. Outra “cria” do seu Moacyr é a fofíssima Gigi! A Giovana é uma anta que chegou machucada na fazenda e, depois de seu Moacyr cuidar dela, acho que foi são bem tratada que resolveu virar moradora fixa, pois apesar de solta ela não vai embora. Depois de fazer a alegria dos turistas posando para fotos e nadando do rio, Gigi se apressa ao ouvir seu Moacyr chamar, já voltando para casa: “Gigiiii!” E lá vai ela desesperada correndo para acompanhá-lo! É uma fofíssima!

Piraputangas na fazenda do Rio do Peixe

Redário na Fazenda do Rio do Peixe: ótimo pra depois do almoço!

Minha paixão, a Gigi!

Depois do almoço ocorre o momento mais esperado do dia: é a hora que o seu Moacyr alimenta as araras que frequentam sua fazenda, como a Lara (olha como ele trata bem os bichinhos aqui neste vídeo também abaixo). Todos os dias nesse horário ele espalha as sementes para elas comerem, e é a oportunidade perfeita para fazer ótimas fotos com araras, pois algumas deixam seu Moacyr colocá-las nas mãos dos turistas por alguns segundos para fotografar. Aliás, em Bonito aprendi que é importante checar sempre se suas torneiras estão fechadas, como você pode ver neste vídeo também abaixo. O passeio na fazenda do Rio do Peixe é daqueles que você não dá nada, mas é um dos dias mais divertidos em Bonito em minha opinião.

Seu Moacyr chama as araras

Conversando! rs

Foi amor!

Além das cachoeiras do Rio do Peixe, existem outros passeios com cachoeira, como a Boca da Onça (a queda mais alta do estado, com 156 metros de altura, em uma trilha de 4 km passando por várias cachoeiras; é possível fazer um rapel de 90 m), as cachoeiras da Serra da Bodoquena (além das trilhas e do banho, há possibilidade de fazer passeio de bote, caiaque e duck), a Ceita Corê, a Estância Mimosa e o Parque das Cachoeiras.

Cachoeira Boca da Onça. Fonte: https://www.bonitour.com.br/passeio/boca-da-onca?lang=pt-br

Um passeio bem popular em Bonito é a Gruta do Lago Azul. O nome já é meio explicativo, e a gruta tem 80 metros de profundidade, formando um visual incrível com seu belo lago e as formações de caverna. Esse é um passeio mais contemplativo, pois não é possível entrar na água, apenas apreciar e tirar fotos. (Atenção aos 293 degraus para acessar a gruta.) Muitas pessoas combinam esse passeio com a Gruta de São Miguel, para assim poder caminhar mais por uma caverna e apreciar suas formações espeleológicas.

Gruta do Lago Azul

Gruta do Lago Azul: é MUITO azul!

Gruta do Lago Azul: olha as formações no teto da caverna!

Falando em gruta, um passeio bem diferente é o Abismo Anhumas, também o mais caro de Bonito. Não fiz esse passeio, mas já ouvi muita gente dizendo que é um dos lugares mais lindos da região. O passeio consiste em uma descida de 72 m em rapel por uma fenda na rocha, levando a uma magnífica caverna com um lago cristalino embaixo. A luz natural entra pela fenda, e lá embaixo há um deque flutuante. Para essa aventura é necessário fazer um treinamento no dia anterior. Os monitores orientam um rapel menor na cidade e avaliam quem poderá de fato descer o abismo. Depois de descer o abismo, lá embaixo, faz-se um reconhecimento da área da caverna em um bote, e daí pode-se fazer o snorkel no lago. Quem tem curso de mergulho com cilindro pode descer até 18 m (contratando previamente). Dizem que lá está o maior cone do mundo, formação com 19 m. Nesse passeio é necessário levar lanche e precisa de um pouquinho de preparo para a subida de volta. No Portal Bonito tem uma boa descrição desse passeio (e de todos os outros também).

Abismo Anhumas: o rapel é feito por esse feixe de luz. Fonte: www.agenciasucuri.com.br/

Outros passeios de aventura em Bonito: rafting, boiacross, mergulho com cilindro, arvorismo, passeio de quadriciclo (rota boiadeira, pode ser uma opção de passeio noturno), passeio de bike, cavalgadas e o Projeto Jiboia (outro passeio que pode ser feito à noite).

Passeio de quadriciclo: Rota Boiadeira (foi com emoção!)

Projeto Jiboia: essa foi da primeira vez que fui, ainda era castanha!

Projeto Jiboia: curtindo..

Para relaxar, o Balneário Municipal é uma área de lazer a 8 km de Bonito, frequentado pelos moradores da cidade. Esse lugar parece até um tipo de clube, com quadras, lanchonetes e restaurante, mas o rio Formoso é bem bonito. Há também o Balneário Ilha Bonita, o Balneário do Sol, a Ilha do Padre, o Lago da Capela e a Praia da Figueira.

Balneário Municipal

Balneário Municipal

Para quem deseja ter um gostinho de Pantanal há um passeio mais distante, a Fazenda São Francisco, a 162 km de Bonito. Lá é feito uma espécie de safári fotográfico, onde é possível avistar várias espécies de animais, e depois um passeio de chalana. Por causa da distância, algumas pessoas fazem pernoite no local.

Balneário Municipal

Balneário Municipal

As agências de Bonito podem te ajudar a encaixar melhor os atrativos que escolher, conciliando-os de acordo com o tempo gasto e a distância de cada um, já que alguns dos passeios são de meio período. E aí, conseguiu decidir sua programação nesse.. bonito não, maravilhoso lugar?

2 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *