Todo mundo que visita Bonito volta de lá dizendo que não é Bonito… é LINDO (para dizer o mínimo)! E não é à toa que esse polo ecoturístico deve estar na lista de todos que adoram viagens de natureza. A 300 km de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, esse é um dos destinos mais organizados e sustentáveis do Brasil.

É claro que a exuberância toda de Bonito não é barata. Porém, é necessário reservar os passeios com meses de antecedência, pois todos eles têm limite de visitação diária, o que é excelente para não agredir tanto a natureza. Por isso, essa reserva antecipada acaba permitindo o parcelamento dos pacotes de passeios que fizer (afinal, na vida tudo se parcela rs).

Uma viagem a Bonito exige planejamento, pois há muitas opções de passeios por lá, e com certeza você precisará escolher quais fazer e quais deixar de fora. Acho que o mínimo para uma primeira vez na região são 4 dias, onde é possível encaixar atrativos mais diferenciados um do outro se assim desejar. Como todos os passeios têm limite de visitação, como mencionei, é necessário reservar previamente (na hora dificilmente haverá vagas para os mais legais).

Flutuação no Rio da Prata

Quando ir?

Esse destino pode ser visitado em qualquer época do ano. Porém, de dezembro a março é o período de chuvas, que podem atrapalhar e até cancelar muitos passeios, apesar de ser quando as cachoeiras estarão mais cheias e haverá mais animais para avistar. De maio a agosto é o período mais seco, mas talvez haja menos animais e algumas cachoeiras estarão mais secas. No entanto, é quando as águas estão mais claras e a visibilidade, melhor. Então talvez os meses intermediários, os de outono e primavera, sejam os mais indicados, pois há menor chance de chuva e ao mesmo tempo há boa visibilidade na água.

Macaquinho no Rio do Peixe

OPA: Outra coisa que não se pode esquecer antes de chegar é que existe diferença de fuso horário de 1h a menos em relação ao fuso horário de Brasília.

Como chegar?

Algumas vezes por semana há um voo da Azul para Bonito, mas como não é tão frequente, a maneira mais usual de se chegar é pelo aeroporto de Campo Grande. De lá, existem algumas formas para ir a Bonito. A Viação Cruzeiro do Sul faz o percurso de ida e volta entre Campo Grande e Bonito algumas vezes por dia, consulte o site.

É possível também contratar um transfer de alguma agência de passeios de Bonito, inclusive saindo do aeroporto de Campo Grande. Para essa opção, entre em contato previamente com sua agência. Acho essa uma boa maneira caso o horário de seu voo não se encaixe com os horários dos ônibus, pois as vans têm horários mais diversificados de partida e além disso já te deixam em sua hospedagem em Bonito.

Algumas pessoas preferem alugar carro. Essa opção vale a pena se você estiver disposto a dirigir (pois são 300 km até Bonito e a maioria dos atrativos fica distante da cidade, a cerca de 50 km) e em um número mínimo de pessoas, que compense o valor do aluguel e combustível; porém, chegando em Bonito você poderá ir de carro aos atrativos. Caso contrário, se optar por ônibus ou van precisará contratar os transfers das agências para os locais dos passeios. Portanto, estude o melhor custo-benefício para você.

Flutuação no Rio da Prata

Existem inúmeras agências na cidade, e todos os passeios são obrigatoriamente feitos através de uma. Isso porque o turismo na cidade opera por um sistema de vouchers vendidos somente nas agências e que devem ser entregues nos atrativos, todos em propriedades particulares, que seguem critérios rigorosos de preservação do meio ambiente (na “porta” não vende). É tudo muito organizado. Os preços são todos tabelados, e você pode ter uma ideia de valores na Associação dos Atrativos de Bonito. Eu fechei todos os meus passeios com a Bonitour, mas minha hospedagem, o excelente Bonito Hostel também oferece passeios. Além disso, ouvi falar bem de inúmeras outras agências da cidade.

Acho que a principal atividade em Bonito são as flutuações nos rios. Por isso, é interessante levar algum equipamento para registrar seu tour, como câmera à prova d’água, celular com capa impermeável ou similares. Se não tiver, as agências costumam oferecer esse tipo de equipamento para locação. Muitos dos atrativos não permitem a entrada na água com protetor solar e repelente, fique atento às regras de visitação. Em cada atrativo são fornecidos snorkel, máscara, roupa de neoprene, colete salva-vidas e o que mais for necessário. Se você tiver receio da água e da flutuação, é importante informar os locais, pois muitas vezes há pessoas preparadas para te assistir em relação a isso, e nem mesmo é necessário saber nadar.

Flutuação no Rio Sucuri

Flutuação no Rio da Prata

Se você só tiver tempo para fazer uma única flutuação, reserve a do Rio da Prata. O local fica a 50 km de Bonito e é um passeio de meio período. Após a explicação e uma pequena caminhada pela mata, a flutuação começa no Rio Olho D’água, que depois se junta com o Rio da Prata em si. É tão transparente que parece que você está nadando em um aquário! É deslumbrante nadar com as piraputangas, dourados, pacus, curimbas e muitas outras espécies. Não é necessário dar braçadas, pois, no geral, a correnteza leve vai te conduzindo pelo curso do rio. Após a experiência é possível almoçar no local. O Rio da Prata ganhou como a melhor atração turística do Brasil no Guia 4 Rodas em 2008 e 2009.

Flutuação no Rio Sucuri

Flutuação no Rio da Prata

Uma flutuação que fica no mesmo local que o Rio da Prata é a Lagoa Misteriosa. É possível fazer flutuação, mas a graça dela é que lá você pode mergulhar com cilindro, descendo até 8 m de profundidade (se você tiver curso de mergulho pode baixar até 18 a 25 metros). Dizem que ela tem esse nome porque ainda não descobriram sua profundidade total, e o máximo que o homem chegou foi a 220 m. Esse atrativo só funciona de abril a setembro, os meses de maior transparência da água.

Araras na fazenda do Rio do Peixe

Arara na fazenda do Rio do Peixe

Outra opção de passeio para combinar com o Rio da Prata é o Buraco das Araras, que fica a 5 km de lá. Esse é um passeio para fim de tarde, para depois das 16h, que é o horário que as araras retornam ao local. Não tem nada como contemplar as araras nessa dolina de 100 m de profundidade, formação geológica originada do desmoronamento de blocos rochosos.

Buraco das Araras. Fonte: http://www.turismo.bonito.ms.gov.br/bonito/atrativos-turisticos/buraco-das-araras

Voltando às flutuações, outra bem popular é o Rio Sucuri, a 19 km de Bonito. Assim como o Rio da Prata, ele também é tão transparente por causa da presença do calcário na água. Este também é um passeio de meio período e funciona nos mesmos moldes das outras flutuações. Um barco acompanha o percurso da flutuação, portanto é possível seguir dentro dele em alguns trechos. Achei que neste rio há menos peixes que no Rio da Prata, mas também é bem bonito, pois a vegetação subaquática é bem rica. Se for fazer os dois passeios, talvez seja melhor deixar o Rio da Prata para o final, pois se impressionará mais. O Rio Sucuri não tem sucuris de fato, mas é assim chamado por causa de seu formato sinuoso.

Flutuação no Rio Sucuri

Outras flutuações que merecem destaque são: a Barra do Sucuri (onde é feito primeiro um passeio de barco rio acima, para depois voltar fazendo a flutuação no sentido da correnteza), o Aquário Natural (a 7 km de Bonito), o Bonito Aventura (Rio Formoso), a Nascente Azul e o Parque Ecológico Rio Formoso. Em todas as flutuações é necessário o uso do equipamento completo fornecido, pois não se pode tocar o fundo dos rios, para não turvar a água, o que prejudicaria a transparência dela. Todos os passeios são acompanhados por monitores credenciados.

Flutuação no Rio da Prata

Flutuação no Rio Sucuri

Um lugar que acho bem relaxante e bonito em Bonito (dããã rs) é o Rio do Peixe, a 35 km da cidade. Apesar de também ser um passeio de rio, ele não é uma flutuação. Esse é um passeio para curtir as cachoeiras e apreciar os possíveis animais que avistará. São 2 km de caminhada nível fácil com 7 paradas para banho. O local é muito bom para passar o dia, e o almoço é excelente, com destaque para os doces caseiros, em especial o doce de leite queimado.

Fazenda do Rio do Peixe

Fazenda do Rio do Peixe

Tirolesa na Fazenda do Rio do Peixe

Um destaque do atrativo é o próprio dono da fazenda, o seu Moacyr e seus “causos”. Com sua simpatia, ele explica como alimentar os macacos que frequentam a fazenda. Outra “cria” do seu Moacyr é a fofíssima Gigi! A Giovana é uma anta que chegou machucada na fazenda e, depois de seu Moacyr cuidar dela, acho que foi são bem tratada que resolveu virar moradora fixa, pois apesar de solta ela não vai embora. Depois de fazer a alegria dos turistas posando para fotos e nadando do rio, Gigi se apressa ao ouvir seu Moacyr chamar, já voltando para casa: “Gigiiii!” E lá vai ela desesperada correndo para acompanhá-lo! É uma fofíssima!

Piraputangas na fazenda do Rio do Peixe

Redário na Fazenda do Rio do Peixe: ótimo pra depois do almoço!

Minha paixão, a Gigi!

Depois do almoço ocorre o momento mais esperado do dia: é a hora que o seu Moacyr alimenta as araras que frequentam sua fazenda, como a Lara (olha como ele trata bem os bichinhos aqui neste vídeo também abaixo). Todos os dias nesse horário ele espalha as sementes para elas comerem, e é a oportunidade perfeita para fazer ótimas fotos com araras, pois algumas deixam seu Moacyr colocá-las nas mãos dos turistas por alguns segundos para fotografar. Aliás, em Bonito aprendi que é importante checar sempre se suas torneiras estão fechadas, como você pode ver neste vídeo também abaixo. O passeio na fazenda do Rio do Peixe é daqueles que você não dá nada, mas é um dos dias mais divertidos em Bonito em minha opinião.

Seu Moacyr chama as araras

Conversando! rs

Foi amor!

Além das cachoeiras do Rio do Peixe, existem outros passeios com cachoeira, como a Boca da Onça (a queda mais alta do estado, com 156 metros de altura, em uma trilha de 4 km passando por várias cachoeiras; é possível fazer um rapel de 90 m), as cachoeiras da Serra da Bodoquena (além das trilhas e do banho, há possibilidade de fazer passeio de bote, caiaque e duck), a Ceita Corê, a Estância Mimosa e o Parque das Cachoeiras.

Cachoeira Boca da Onça. Fonte: https://www.bonitour.com.br/passeio/boca-da-onca?lang=pt-br

Um passeio bem popular em Bonito é a Gruta do Lago Azul. O nome já é meio explicativo, e a gruta tem 80 metros de profundidade, formando um visual incrível com seu belo lago e as formações de caverna. Esse é um passeio mais contemplativo, pois não é possível entrar na água, apenas apreciar e tirar fotos. (Atenção aos 293 degraus para acessar a gruta.) Muitas pessoas combinam esse passeio com a Gruta de São Miguel, para assim poder caminhar mais por uma caverna e apreciar suas formações espeleológicas.

Gruta do Lago Azul

Gruta do Lago Azul: é MUITO azul!

Gruta do Lago Azul: olha as formações no teto da caverna!

Falando em gruta, um passeio bem diferente é o Abismo Anhumas, também o mais caro de Bonito. Não fiz esse passeio, mas já ouvi muita gente dizendo que é um dos lugares mais lindos da região. O passeio consiste em uma descida de 72 m em rapel por uma fenda na rocha, levando a uma magnífica caverna com um lago cristalino embaixo. A luz natural entra pela fenda, e lá embaixo há um deque flutuante. Para essa aventura é necessário fazer um treinamento no dia anterior. Os monitores orientam um rapel menor na cidade e avaliam quem poderá de fato descer o abismo. Depois de descer o abismo, lá embaixo, faz-se um reconhecimento da área da caverna em um bote, e daí pode-se fazer o snorkel no lago. Quem tem curso de mergulho com cilindro pode descer até 18 m (contratando previamente). Dizem que lá está o maior cone do mundo, formação com 19 m. Nesse passeio é necessário levar lanche e precisa de um pouquinho de preparo para a subida de volta. No Portal Bonito tem uma boa descrição desse passeio (e de todos os outros também).

Abismo Anhumas: o rapel é feito por esse feixe de luz. Fonte: www.agenciasucuri.com.br/

Outros passeios de aventura em Bonito: rafting, boiacross, mergulho com cilindro, arvorismo, passeio de quadriciclo (rota boiadeira, pode ser uma opção de passeio noturno), passeio de bike, cavalgadas e o Projeto Jiboia (outro passeio que pode ser feito à noite).

Passeio de quadriciclo: Rota Boiadeira (foi com emoção!)

Projeto Jiboia: essa foi da primeira vez que fui, ainda era castanha!

Projeto Jiboia: curtindo..

Para relaxar, o Balneário Municipal é uma área de lazer a 8 km de Bonito, frequentado pelos moradores da cidade. Esse lugar parece até um tipo de clube, com quadras, lanchonetes e restaurante, mas o rio Formoso é bem bonito. Há também o Balneário Ilha Bonita, o Balneário do Sol, a Ilha do Padre, o Lago da Capela e a Praia da Figueira.

Balneário Municipal

Balneário Municipal

Para quem deseja ter um gostinho de Pantanal há um passeio mais distante, a Fazenda São Francisco, a 162 km de Bonito. Lá é feito uma espécie de safári fotográfico, onde é possível avistar várias espécies de animais, e depois um passeio de chalana. Por causa da distância, algumas pessoas fazem pernoite no local.

Balneário Municipal

Balneário Municipal

As agências de Bonito podem te ajudar a encaixar melhor os atrativos que escolher, conciliando-os de acordo com o tempo gasto e a distância de cada um, já que alguns dos passeios são de meio período. E aí, conseguiu decidir sua programação nesse.. bonito não, maravilhoso lugar?

Se você gosta de história e de ruínas esse lugar vai te dar uma aula!  São Miguel das Missões é parte importantíssima da história do Brasil e das missões (ou reduções), também na Argentina e no Paraguai. Consideradas Patrimônio Mundial da Unesco, as construções dessa região (Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo) tiveram início em 1687, e seu objetivo era trazer o cristianismo aos índios. As reduções ficaram conhecidas como os Sete Povos das Missões, compreendendo as cidades de Santo Ângelo, São Nicolau, São Luiz Gonzaga, São Lourenço Mártir, São João Batista, São Miguel das Missões e São Francisco de Borja.

No caminho para São Miguel das Missões

Catedral Angelopolitana

São Miguel das Missões foi o maior agrupamento de índios e jesuítas da região. A igreja principal foi construída a partir de 1735. Durante os séculos XVII e XVIII os índios aderiram às missões não por serem obrigados, mas porque, desse modo, aprendiam técnicas de agricultura e tinham melhores condições sanitárias e de saúde, embora, para isso, precisassem abdicar de seus costumes.

Praça da Catedral Angelopolitana

Praça da Catedral Angelopolitana

As missões foram abandonadas na região por conta da Guerra Guaranítica, quando os índios e os jesuítas foram expulsos em razão do Tratado de Madri. Esse é só um resumo, mas visitando a cidade você poderá conhecer mais detalhes sobre as missões e a história do local nessa época.

Placa indicativa (mas a entrada é a 100 m, repare que foi escrita à mão rs)

Sítio arqueológico de São João Batista

A catedral em São Miguel das Missões, feita com pedra grês, é o que está mais preservado nas ruínas do Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo. Porém, na cidade de Santo Ângelo, a quase 60 km de lá, você pode ver uma igreja que imita o estilo do que seria a catedral em São Miguel das Missões. Essa catedral em Santo Ângelo se chama Catedral Angelopolitana, também de pedra grês, mas datando de 1929. Em seu pórtico estão esculpidos os santos padroeiros dos Sete Povos das Missões.

Sítio arqueológico de São João Batista

Sítio arqueológico de São João Batista

Algumas pessoas visitam São Miguel das Missões seguindo a Rota das Missões, em uma viagem mais longa englobando as missões dos países vizinhos. Há também o Caminho das Missões, que tem 180 km e passa por várias cidades que abrigavam as missões. Algumas pessoas percorrem de carro, outras a pé. Porém, eu fiz um roteiro mais básico: um fim de semana partindo de Porto Alegre. É um pouco cansativo, mas recompensador se o assunto te agrada, e um passeio diferente no Rio Grande do Sul, que foge dos mais tradicionais em Gramado, Canela e Bento Gonçalves.

Portal de São Miguel das Missões

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo e a Cruz Missioneira

A melhor maneira de visitar as missões no Rio Grande do Sul é de carro. Eu aluguei um veículo em Porto Alegre, a cerca de 480 km de São Miguel das Missões, levando mais ou menos 6h. Como a cidade de Santo Ângelo fica antes na rodovia, aproveitei para dar uma passada na praça que abriga a formosa Catedral Angelopolitana.

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Se você não for alugar carro, é possível ir de ônibus. Não há ônibus direto, mas a viação Ouro e Prata te leva até Santo Ângelo, e de Santo Ângelo a São Miguel das Missões o trajeto é feito pela viação Antonello (neste site e neste site).

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Detalhe do Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Saindo de Santo Ângelo, mas ainda antes de chegar a São Miguel das Missões, há uma entrada na rodovia para o sítio arqueológico de São João Batista. Há uma placa, mas a entrada é um pouco confusa, pois há uma saída de carros bem na placa, mas a entrada em si fica alguns metros à frente. Tive que perguntar para certificar-me de que estava no sentido correto. Então segui por uma estrada de terra em boas condições (onde furei meu pneu no cascalho) para, então, chegar ao sítio arqueológico. Esse local está no município de Entre-Ijuís, a 24 km de São Miguel Arcanjo. São João Batista foi a primeira fundição de ferro do território brasileiro. As ruínas estão bem degradadas em relação às de São Miguel Arcanjo, mas, apesar de simples, pode ser um complemento a sua visita à região.

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Continuando o passeio, segui para meu destino principal. São Miguel das Missões é bem pequena, com poucos atrativos, e você vai encontrar facilmente as ruínas. Antes disso, o portal da cidade já chama a atenção, uma homenagem ao povo Guarani com a frase em Guarani “Co Yvi Oguereco Yara”, que significa “Esta terra tem dono”. A visita ao Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo é de terça a domingo das 9h às 12h e das 14h às 18h, porém, no horário de verão, funciona até 20h. O ingresso custa R$ 5,00. É possível contratar um guia para contar sobre a história do local, e no início você pode assistir a um vídeo de apresentação. A grandiosidade desse sítio arqueológico é notável, é impossível não se impressionar! A poucos metros da ruína da catedral está a bela Cruz Missioneira.

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo

Ao lado do sítio arqueológico havia o Museu das Missões (Museu Lúcio Costa), construído em 1940, baseado nas residências missioneiras, e abrigava esculturas feitas pelos Guaranis. Administrado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), o museu foi destruído em abril de 2016 pelo tornado que passou no local. Porém, as obras foram salvas e estão em exposição temporária. Atualmente o museu está em obras de recuperação.

Esculturas do Museu Lúcio Costa

Todos os dias, incluindo as segundas-feiras, acontece o Espetáculo Som e Luz, e custa R$ 15,00 (no horário de verão, às 21h30; em fevereiro, março, abril, setembro e outubro, às 20h; e de maio a agosto, às 19h). Informações atualizadas e também sobre horários do Espetáculo Som e Luz em espanhol e em inglês podem ser acessadas neste site (lá também tem informações sobre outros passeios na região). O espetáculo é interessante por apresentar, durante 50 minutos, mais um pouco da história das missões na região. É um show de luzes que deixa as ruínas muito bonitas gravado com vozes de atores famosos. Minha dica é levar roupas para frio para assistir ao espetáculo, pois nessa região à noite a temperatura costuma cair bem.

Espetáculo Som e Luz

Espetáculo Som e Luz

Não visitei, mas na cidade há também a Fonte Missioneira, que abastecia os guaranis na época, a 1 km de São Miguel Arcanjo. O Ponto da Memória Missioneira tem vários documentos e objetos que trazem um pouco da história da região. A Aldeia Indígena Tekoa Koenjú (Secretaria Municipal de Turismo: (55) 33811294) e a Fazenda da Laje (Agendamento: (55) 9972-1148) também são pontos para incrementar seu passeio. É possível também visitar o Sítio Arqueológico de São Lourenço Mártir, no município de São Luiz Gonzaga, e o Sítio Arqueológico de São Nicolau, na cidade de mesmo nome. Você pode pesquisar mais sobre esses locais no site da Pousada das Missões, na aba Atrativos Turísticos.

Clique para aumentar. Mapa das Missões. Fonte: http://www.fenamilhointernacional.com/site/conheca-santo-angelo/

As ruínas das missões são muito interessantes e inusitadas, inseridas em uma região onde o turismo não é ainda tão explorado. Cada detalhe tem sua beleza própria e a história e as ruínas te transportam numa viagem pelo tempo!

Planejar um roteiro pela Chapada Diamantina não é fácil. Isso porque a região tem tantas opções de passeios que seria preciso muito tempo para conhecer tudo. Também, com cerca de 152 mil hectares não é fácil escolher o que fazer! Administrado pelo ICMBio, o parque faz limite com os municípios de Lençóis, Mucugê, Ibicoara, Andaraí, Itaetê e Palmeiras, mas é composto por dezenas de outras cidades.

Lençois

Lençois

Além das belezas naturais da região, no passado o local teve exploração de ouro e de diamantes, e o legado foi uma rica arquitetura tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) nas principais cidades. O Parque Nacional da Chapada Diamantina (PNCD) foi criado em 1985 e tem grande importância na conservação da biodiversidade da região. Com seus cânions, cachoeiras, cavernas e montanhas, o Parque tem mais de 30 trilhas divididas entre seus municípios. A Chapada Diamantina pode ser visitada o ano todo, mas, geralmente, entre maio e outubro haverá menos chance de chuva. De novembro a janeiro pode chover mais, mas terá mais água nas cachoeiras, e de fevereiro a abril é a época que a vegetação estará mais verde.

Lençois

Lençois

COMO CHEGAR

Muitas pessoas chegam por voo em Salvador e alugam um carro para percorrer os 417 km que separam a capital do município de Lençóis (aliás, se você tiver a cidade de Lençóis como base, prepare-se para ouvir muitas vezes questionamentos sobre os Lençóis Maranhenses: nããão, é Lençois na Bahia rs). Estar de carro na Chapada Diamantina permite um melhor deslocamento entre suas cidades e entre os atrativos que não precisarem de um guia. Porém, muitas vezes só compensa se estiver com pelo menos 4 pessoas no carro para dividir os custos.

Outra maneira de chegar é por um voo da Azul que opera algumas vezes por semana de Salvador até o aeroporto de Lençóis.

A maneira mais econômica se estiver sozinho ou em 1 ou 2 pessoas é vindo de ônibus com a Real Expresso, percurso que leva 6h (de Salvador a Lençóis). O mapa a seguir mostra o acesso e as principais cidades:

CLIQUE PARA AUMENTAR. Mapa de acesso rodoviário à Chapada Diamantina. Fonte: http://www.guiachapadadiamantina.com.br/como-chegar/mapa-e-acesso/

Planeje seu roteiro antes de reservar sua hospedagem, pois dificilmente você conhecerá a Chapada inteira numa primeira visita. Algumas pessoas utilizam somente Lençóis como base e todos os dias fazem bate-voltas para as outras regiões, o que é possível tanto de carro quanto com agências locais. Outras dividem suas hospedagens entre algumas cidades diferentes dependendo dos roteiros que escolherem. Esta opção é mais viável se estiver de carro, pois o transporte público na região não é muito regular. Além disso, há algumas agências na região que fazem transfer entre cidades. Para seu planejamento, o mapa abaixo mostra as principais localidades:

CLIQUE PARA AUMENTAR. Mapa das cidades e atrações da Chapada Diamantina. Fonte: http://www.guiachapadadiamantina.com.br/parque-nacional/mapa-do-parque/

Eu fiz da primeira maneira, me hospedei em Lençóis, local com a maior infraestrutura da região, e fechei todos os passeios com minha hospedagem, o Hostel Chapada. Lençóis conta com um belo casario do século XIX tombado pelo IPHAN. É muito agradável passear pela cidade e, depois dos passeios, escolher um dos restaurantes na cidade histórica. Estive na região por 6 dias, e usei mais 1 dia para vir de ônibus e outro para voltar. Acredito que menos de 4 dias inteiros na região não compensa, e se você tiver muito mais dias, melhor ainda.

Meu roteiro foi assim:

  • Dia 1: Cachoeira e Poço do Diabo, Morro do Pai Inácio, Fazenda Pratinha, Gruta da Lapa Doce.
  • Dia 2: Cachoeira da Fumaça e Riachinho.
  • Dia 3: Poço Azul e Cachoeira do Mosquito.
  • Dia 4: Cachoeira do Buracão e Cemitério Bizantino.
  • Dia 5: Cachoeira do Sossego e Ribeirão do Meio.
  • Dia 6: Piscinas do Serrano, Salão de Areias, Cachoeirinha, Cachoeira da Primavera e Poço Halley.

Em meu primeiro dia iniciamos o passeio até o Rio Mucugezinho, a 20 km de Lençóis. Chegando lá, foram apenas 400 metros de trilha fácil caminhando até a Cachoeira e Poço do Diabo. É uma pequena cachoeira, com poço agradável para nadar e há também uma tirolesa no local. A entrada é gratuita.

Poço do Diabo

Cachoeira do Diabo

Depois, seguimos até o cartão-postal da Chapada, o belíssimo Morro do Pai Inácio, já a 30 km de Lençóis. A trilha para acessá-lo é fácil também, apesar de ter uma pequena subida, com duração de uns 20 minutos. É lá que os guias contam a lenda do Pai Inácio, mas se você tiver ido de carro e estiver sem guia pode conhecê-la aqui. Para entrar no Morro do Pai Inácio há uma taxa de R$ 6,00. A vista é excepcional, a mais linda da Chapada! Ele tem 1.120 metros de altura e é um passeio que não pode faltar! Algumas pessoas visitam no por do sol, mas se for fazer isso, fique atento ao horário máximo de entrada, às 17h.

Morro do Pai Inácio

Morro do Pai Inácio

Morro do Pai Inácio

Morro do Pai Inácio

Em seguida fomos à Fazenda Pratinha, que fica a cerca de 40 minutos de carro do Morro do Pai Inácio (cerca de 22 km de distância), já no município de Iraquara (pouco menos de 50 km de Lençois). A entrada no complexo custa R$ 30,00. Lá você pode visitar a Gruta da Pratinha e a Gruta Azul. É possível fazer flutuação (R$ 40,00) ou alugar um caiaque (R$ 10,00), mas não é necessário se quiser economizar, só caminhar pelo local já compensa. O lugar é lindo, as águas são muito azuis, achei que a visita vale a pena! A Gruta Azul já não achei tão interessante, ela é somente para observação, não podendo nadar em suas águas. Nos meses centrais do ano a observação desse tipo de formação de gruta com água azul é mais interessante, pois é quando os raios de sol iluminam o local, “acendendo” a água.

Gruta da Pratinha

Gruta da Pratinha

Gruta da Pratinha

Perto dessa Fazenda Pratinha está a Gruta da Torrinha e a Gruta da Lapa Doce. Não visitei a Gruta da Torrinha, mas a trilha é um pouco mais intensa (chegando a 2,5 horas). Em meu tour segui para a Gruta da Lapa Doce, com trilha fácil de 850 metros. Ela possui várias formações de caverna e o valor de entrada é de R$ 30,00. Acho que para quem já visitou outras cavernas antes, talvez essa seja meio sem graça, nesse caso indico a Gruta da Torrinha, que é para viajantes mais exigentes no quesito cavernas. Aqui estão mais informações sobre as grutas da região.

Lago da Pratinha

Gruta Azul

Apesar de fazer com agência, se você estiver de carro é possível fazer tranquilamente todo esse roteiro do meu primeiro dia por conta própria.

Gruta da Lapa Doce

Gruta da Lapa Doce

No segundo dia saí bem cedo para visitar a Cachoeira da Fumaça, segunda maior cachoeira do Brasil, com 380 metros de altura. Ela na região do Vale do Capão, a cerca de 72 km de Lençóis (apesar de a cachoeira em si ficar a 36 km de Lençóis, o início da trilha está a 72 km), por isso algumas pessoas dormem no local e combinam com outras atrações próximas. Para esse passeio aconselho a buscar um guia local para a trilha no Vale do Capão, que dura aproximadamente 5h ida e volta (mais ou menos 12 km o total). Acho a trilha de nível médio, não só pela distância, mas porque na volta os joelhos sofrem um pouco com a descida (havia cabos de vassoura na entrada da trilha à disposição para os caminhantes). No meu caso, já saí com o guia desde Lençóis. Você pode buscar seu guia na Associação dos Condutores de Viajantes do Vale do Capão (site e Facebook).

Caminho para a Cachoeira da Fumaça

Cachoeira da Fumaça

Cachoeira da Fumaça: olha ela voando, virando “fumaça”!

Uma dica muito importante para esse passeio é que essa cachoeira é sazonal, ou seja, ela não tem água o ano todo. Em alguns períodos do ano ela fica seca, outros tem pouca água, chegando a formar uma “fumaça”, aquele fenômeno que a água “vai para cima”, pois é levada pelo vento. Fui no verão, então tive a sorte de ela estar com água e muito bonita, além de pegar a bela vista do morro de 400 metros de onde ela cai. Se ela estiver seca esse passeio não vale a pena, portanto, informe-se com seus guias e hospedagens sobre o estado dela quando for.

Mirante ao lado da Cachoeira da Fumaça

Cachoeira da Fumaça “voando”, virando ‘fumaça”

Cachoeira da Fumaça do outro lado dela

Logo depois da Cachoeira da Fumaça seguimos para o Riachinho (R$ 6,00 de entrada), uma pequena e bela cascata que oferece um banho revigorante depois da caminhada. Para essa cachoeira são somente 10 minutos de caminhada. Na região ainda existem outros atrativos que não visitei e seriam interessantes se eu tivesse me hospedado por lá, como: o Rio Preto e a Cachoeira das Rodas, a Cachoeira da Purificação e Angélica, a trilha para Águas Claras (de onde se avista o Morrão – parece ser lindíssima), o Morrão (que é uma trilha mais difícil), o Poço do Gavião e a trilha do Gerais do Vieira. Além disso, de lá saem: a travessia do Vale do Capão até Lençóis (25 km feitos em 1 dia), a famosa travessia do Vale do Paty (de 3 a 5 dias, incluindo a visita ao Cachoeirão Grande do Paty, com 280 metros de altura) e a Fumaça por baixo (de 3 a 5 dias). Para todas essas, você pode consultar a Associação dos Condutores de Viajantes do Vale do Capão.

Mirante do outro lado da Cachoeira da Fumaça

Riachinho

Em meu terceiro dia fui para o Poço Azul (R$ 30,00 de entrada), na região de Nova Redenção, a 87 km de Lençóis. Nessa área também está o Poço Encantado (R$ 30,00 entrada), a mais 88 km de lá, em Itaetê. Assim como na Gruta Azul, que fui no primeiro dia, os melhores meses para apreciar a entrada de luz que deixa a água azul são de maio a setembro. No Poço Encantado é proibido nadar, por isso fui no Poço Azul, o único que permite o banho. Muitas pessoas dormem em Igatu ou Andaraí para visitar essas atrações, e outras, que tiveram base em Lençóis todos esses dias, combinam o Poço Azul com a Cachoeira do Buracão, dormindo em Mucugê apenas nessa noite e aí vira um passeio de 2 dias.

A visita ao Poço Azul dura meia hora e são fornecidos snorkel e colete para a flutuação. O espaço tem 20 x 40 metros e pode chegar a até 20 metros de profundidade. Dizem que no local foram encontradas várias ossadas pré-históricas. Só digo que é um lugar deslumbrante, a cara da Chapada!

Poço Azul

Poço Azul

Poço Azul

Voltando para Lençóis, segui para a Cachoeira do Mosquito, a 40 km da cidade (R$ 15,00 de entrada). Ela tem esse nome por causa dos mosquitos, que eram os pequenos diamantes encontrados na região (não tem mosquito de verdade rs). A trilha é fácil, cerca de 20 minutos de caminhada. A queda d’água é linda, tem 60 metros de altura e fica no meio de uma formação que parece um cânion, tornando a aproximação a ela deslumbrante. Achei imperdível!

Cachoeira do Mosquito

Cachoeira do Mosquito

Cachoeira do Mosquito

Em meu quarto dia fiz um dos passeios mais esperados e, das atrações que visitei, a mais linda: a cachoeira do Buracão, com 90 metros de altura. Como ela fica distante de Lençóis (200 km), muitas pessoas fazem um roteiro de 2 dias, às vezes combinando com o Poço Azul, como mencionei acima (dormindo em Mucugê, a 98 km da Cachoeira do Buracão). Ela fica no município de Ibicoara, no Parque Municipal do Espalhado (R$ 6,00 de entrada). Como isso encareceria minha viagem, pois não estava de carro e já estava com a noite paga em Lençóis, optei por um bate-volta, sendo necessário sair muito cedo e voltar tarde. Porém, isso barateou meu roteiro com a agência do hostel.

No caminho para a Cachoeira do Buracão

No caminho para a Cachoeira do Buracão

No caminho para a Cachoeira do Buracão: ela cai por dentro de uma rocha

Caso você tenha ido com carro próprio, é necessário contratar um guia na associação local para esse passeio (você pode contratar na Associação Bicho do Mato, site,  e Facebook, ou na Associação dos Condutores de Visitantes de Ibicoara). A trilha é fácil, são 3 km ao longo do Rio Espalhado passando pela Cachoeira das Orquídeas e a do Recanto Verde até o Cânion do Buracão. Chegando no cânion, há coletes salva-vidas e é necessário entrar no rio, contornando o cânion por 150 metros. Em alguns metros você terá o mais lindo vislumbre dessa maravilhosa cachoeira. Daria para caminhar pelas pedras laterais para acessar a cachoeira, porém é meio escorregadio, e é melhor só sentar nas pedras quando chegar, indo pela água mesmo (não precisa ter medo caso não saiba nadar, pode ir se segurando pelas pedras conforme flutua). Na volta você ainda pode apreciar a cachoeira do Buracão do topo. Essa cachoeira está no top 5 de cachoeiras de muita gente, uma das mais lindas da Chapada, não deixe de ir!

Cachoeira do Buracão: agora precisa entrar na água para seguir

Cachoeira do Buracão: não consegui uma foto boa por causa do grande volume d’água no dia

Na volta para Lençóis, passamos ainda no Cemitério Bizantino, próximo de Mucugê. Ele fica na beira da estrada e a visita é rápida. É um local curioso, pois data do século XIX e todas as esculturas são bem branquinhas, mais parecem miniaturas de igrejas.

Cachoeira do Buracão: precisa entrar na água para seguir

Cachoeira do Buracão vista de cima

Cachoeira do Buracão vista de cima

Muitas pessoas dormem na região de Ibicoara (povoado do Baixão) para conhecer a Cachoeira da Fumacinha num roteiro de 2 dias combinado com a Cachoeira do Buracão. Eu não consegui fazer essa trilha, pois não havia grupo disponível para acompanhar no dia. Ela parece ser espetacular, mas é de nível difícil, são 18 km ida e volta (umas 9h de caminhada) por cima de pedras no leito do rio. Ainda vou retornar à Chapada para conhecer essa cachoeira de 100 metros de altura. Você pode agendar um guia no mesmo local que indiquei acima, para a cachoeira do Buracão.

Cachoeira do Buracão vista de cima

Cemitério Bizantino

Cemitério Bizantino

Em meu quinto dia contratei um guia em Lençóis, com meu hostel, e fui à Cachoeira do Sossego. Nessa dá para ir a pé da cidade em meio período. A trilha toda é pelo leito do rio e, honestamente, apesar de ela ser bonita, não achei que o visual compensou a caminhada, bem complicada por conta das pedras escorregadias do rio. Na volta passamos no Ribeirão do Meio, um grande tobogã natural, que estava um pouco cheio, com pessoas fazendo piquenique e churrasco. No Ribeirão do Meio dá para ir sem guia e fica bem perto da cidade se quiser ir somente lá.

Cachoeira do Sossego

Ribeirão do Meio

Ribeirão do Meio

Já no meu sexto dia fiz outra trilha a pé saindo de Lençóis, mas não contratei guia. Como o local estava relativamente cheio, fui perguntando para as pessoas o caminho e foi tranquilo. O início da trilha é perto do Hotel Portal de Lençóis. Esse passeio durou meio período e visitei as Piscinas do Serrano, o Salão de Areias, a Cachoeirinha, a Cachoeira da Primavera e o Poço Halley. São 6 km, mas é um local que enche um pouco por conta do fácil acesso e por ser gratuito. O serrano forma pequenas piscinas naturais e tem uma boa vista da cidade. As demais cachoeiras são pequenas. Acho que esse passeio compensa se você tiver um dia livre sobrando. Do contrário, achei muito simples comparado às outras atrações da Chapada.

Piscinas do Serrano: ficam no meio das rochas

Salão de Areias

Faltaram ainda muitos passeios para fazer na Chapada Diamantina, como o Marimbus (mini Pantanal, um passeio de barco pelo rio Roncador), a Serra das Paridas (pinturas rupestres), a Cachoeira do Mixila (trilha de 2 ou 3 dias), as cachoeiras que ficam em municípios fora de Lençóis: em Igatu tem a Cachoeira da Califórnia, a Cachoeira das Cadeirinhas, a Cachoeira das Pombas; em Mucugê e Ibicoara tem o Projeto Sempre-Viva, a cachoeira Tiburtino, a Cachoeira Piabinha; no Vale do Capão tem a cachoeira Conceição dos Gatos; e muitos outros atrativos! E é claro, também voltarei para conhecer a Cachoeira da Fumacinha e a travessia do Vale do Paty e os passeios que mencionei próximos ao Vale do Capão.

Cachoeirinha

Cachoeira da Primavera

  • Tirando a cachoeira da Fumacinha e talvez as travessias de mais de 1 dia, em todos os passeios considero fácil ir sozinha, pois os grupos se formam e se juntam entre as agências em Lençóis, elas mesmas resolvem isso.
  • Não aconselho visitar a Chapada Diamantina nos períodos do Ano Novo e Carnaval, realmente lota muito.
  • Na Chapada Diamantina há um prato típico preparado com um cacto chamado palma. Come-se desde palma cozida até como recheio de pasteis e salgados.

A Chapada Diamantina é essencial na listinha de todo amante de ecoturismo!