Você se lembra do meu post sobre Zakynthos, a fantástica ilha grega e sua bela e azul Navagio Beach? Pois bem, se você for para Zakynthos, indico fortemente que visite sua vizinha Cefalônia (ou Kefalonia), pela proximidade (cerca de 1 hora de distância) e beleza.

Praia de Pesada

Praia de Pesada

Lourdas Beach

A Kefalonia é a maior das ilhas jônicas (eu expliquei as diferenças entre as ilhas jônicas, as cíclades e outras no meu post de Zakynthos). Retomando rapidamente, as jônicas são as ilhas de águas azuizíssimas! As cíclades são as de “mar escuro” (decorrente de areia vulcânica) e casinhas brancas com telhados azuis. Relembre o mapa que postei do mar grego e localize a Kefalonia.

Clique para abrir maior. Mapa das ilhas gregas. Fonte: http://www.greekisland.co.uk/greeks/greek-maps.htm

Lourdas Beach

Lourdas Beach

Como chegar

Se for de avião:

Existem algumas cidades da Europa que oferecem voos diretos para Kefalonia. Mas de Atenas com certeza tem. Portanto, consulte os sites da Aegean Air, da Olympic Air, da EasyJet e da Ryanair. Eu somente voltei da Kefalonia para Atenas com a Aegean, os preços estavam muito bons e é apenas 1 hora de voo.

Os deliciosos Giant Beans

Se for de ônibus (ou carro alugado) + ferry boat:

Em Atenas você pode pegar um ônibus no terminal KTEL (Rua Kifissou, 100). Esses são os preços e horários que ligam a capital do país a Kefalonia e Zakynthos. São 3,5 horas de viagem.

Melissani Cave

Melissani Cave

Melissani Cave

Na verdade, de ônibus (ou carro), você primeiro precisa ir até Kilini (ou Kyllini). Esse é o ponto no continente onde você pegará o ferry boat, e daí pode ser ou para Zakynthos ou para Kefalonia. A Kefalonian Lines e a Levante Ferries são as empresas de ferry boat que fazem o trajeto de Kilini a Kefalonia (ou Zakynthos) e vice-versa. Nos sites você pode ver os preços atualizados, bem como os horários. O percurso é de 1 hora. (Note que há um preço para quem atravessa a pé e outro para quem vai atravessar com um carro.) Consulte também o Ionian Group e o Direct Ferries.

Antisamos Beach

Antisamos Beach

Antisamos Beach

No verão, há também 2 horários por dia para fazer o trecho de ferry entre Zakynthos e Kefalonia, porém, como são poucos horários e o ferry não sai do centrinho principal de Zakynthos, mas sim de um lugar mais distante (Agios Nikolaos), achei que seria mais trabalhoso, no meu caso, ir de uma ilha à outra dessa forma, e preferi, assim, sair de Zakynthos, ir a Kilini e de Kilini a Kefalonia. Porém, se você tiver alugado um carro em Atenas e for atravessar para as ilhas no ferry com esse carro, imagino que será mais fácil circular pela ilha e escolher sua logística perfeita. Eu comprei na hora o ferry e foi bem tranquilo conseguir passagem.

Lake Karavomilos

A capital da ilha é Argostoli, mas a ilha toda tem várias cidades e vilarejos. Lá tem um centro maior, com uma espécie de calçadão com lojas. Em comparação com Zakynthos, achei Kefalonia mais povoada e com cidades mais desenvolvidas.

Eu fiquei apenas 2 dias nessa ilha, mas é possível fazer diversos roteiros diferenciados. A Kefalonia tem mais de 30 praias, e não é fácil escolher quais visitar!

Uma das estradas da ilha

Agia Efimia

Agia Efimia

Quando desembarquei do ferry de Kilini no porto de Poros, na Kefalonia, já estava “escolada”: você se lembra que passei o maior perrengue por não saber que o transporte público em Zakynthos era inexistente e precisei alugar um carro de última hora? Pois bem, desci do ferry na Kefalonia já preparada para fazer o mesmo!

Agia Efimia

Agia Efimia

Indo para Myrtos Beach, vejam como a ilha é bem sinalizada

Ao desembarcar, percebi que rapidamente cada passageiro se ajeitou dentro do carro de quem foi buscá-los, alguns foram de táxi e só eu sobrei. Perguntei sobre ônibus, mas não tinha realmente. Depois, pelo que pesquisei, parece que até tem um serviço de ônibus nessa ilha, mas é extremamente escasso (coisa de 1 por dia para cada localidade), e rodando bastante pela ilha, não cruzei em momento algum com qualquer tipo de transporte público. Portanto, alugue um carro, que será a melhor forma de conhecer a Kefalonia.

Mirante da Myrtos Beach na estrada

Myrtos Beach vista de cima

Myrtos Beach vista da estrada

Eu rapidamente me ajeitei, pedi um táxi numa lanchonete, que me deixou no vilarejo Skala, com várias locadoras de carros e resolvi meu problema. Skala, assim como os outros vilarejos da Kefalonia, é cheio de charme, com vários restaurantes e pequenas lojas e pousadas. As praias mais próximas dessas pequenas cidades são mais “urbanas”. Elas tem o mar muito azul, mas já há estrutura de cadeiras de praia e restaurantes. Me hospedei na região de Mousáta, não muito longe da capital Argostoli, mas estando de carro daria para se hospedar em qualquer parte da ilha.

Myrtos Beach vista da estrada

Myrtos Beach: praia mais incrível da Kefalonia

Myrtos Beach: praia mais incrível da Kefalonia

Minhas primeiras paradas foram as praias de Pesada e Lourdas, já lindíssimas!

Após almoçar os ótimos Giant Beans num restaurante local, segui para um dos lugares mais esperados da ilha para mim: a Melissani Cave. Veja no mapa abaixo, estava hospedada próximo a Pesada e Lourdas, e cruzei pela rodovia central da ilha para o vilarejo de Sami.

Clique para abrir maior. Mapa da Kefalonia. Fonte: http://kefaloniaway.com/en/kefalonia-map-with-beaches/

Myrtos Beach: impossível não se admirar!

Myrtos Beach

A Melissani Cave é uma caverna que esconde um belíssimo e azul lago. Um terremoto em 1951 fez o teto dessa caverna desabar. Paga-se 7 euros para entrar, o que inclui uma voltinha de barco pelo lago. O passeio dura cerca de 20 minutos, mas é bem bonito. O lago entre os paredões de 36 metros de altura tem 20 a 30 metros de profundidade. Para ver as águas num tom mais turquesa, tente ir entre 12h e 14h, quando o sol entra pela abertura superior da caverna. Próximo à Melissani Cave existe a Caverna Drogarati, que seria mais no estilo “comum” de cavernas, mas não visitei.

Myrtos Beach

Myrtos Beach: admirando…

Tentativa da foto anterior, que foi feita com temporizador da câmera

Saindo desse passeio, segui para a bela praia de Antisamos. Como várias praias da Grécia, essa é composta por pedrinhas brancas no lugar de areia. Antisamos tem certa estrutura, há estacionamento e um restaurante que fornece cadeiras de praia, além de alguns bares. Para acessar a praia, você desce por uma espécie de baía, de onde avista a praia do alto.

Na volta fiz uma parada no lago Karavomilos, próximo novamente à Melissani Cave, e, em seguida, em Agia Efimia, outra cidadezinha bastante charmosa.

Praia no caminho de Petani Beach

Petani Beach

Petani Beach

Depois fui para outro lugar dos mais esperados: a icônica Myrtos Beach, uma das praias mais lindas da Grécia! Do caminho há belíssimos mirantes para a praia, o que comprovava a beleza dessa praia. Myrtos Beach é o cartão-postal da Kefalonia, uma daquelas praias turquesa que enche os olhos! Lá tinha alguns bares e cadeiras de praia caso precise. Fiquei hipnotizada pelo mar dessa praia!

Petani Beach

Petani Beach

Estradinha de Kefalonia

Eu meu outro dia fui para uma praia mais afastada, a Petani Beach. No caminho vi algumas praias lindas que não estavam nos planos, e tive vontade de parar, mas uma delas tinha que descer por uma estradinha ruim, não asfaltada, e como estava totalmente deserto (sem ninguém para me ajudar se desse algum problema) fiquei com medo e desisti.

Aproveitando, o asfalto das estradas em Kefalonia é ótimo. Porém, no geral, as rotas ficam no alto, e assim você pode sempre ter mirantes magníficos das praias. Mas isso significa também que essas estradas ficam em encostas, em sua maioria estreitas e cheias de curvas. Portanto, tome cuidado ao dirigir pela ilha.

Mouda Beach, próxima do vilarejo Skala

Estradinha na Kefalonia: cuidado!

A praia de Petani era tão linda quanto todas as outras maravilhosas da ilha! Depois voltei para almoçar em Skala e aproveitei a praia por lá. Repeti das praias perto de minha hospedagem e fui para o aeroporto seguir para o próximo destino.

Mouda Beach, próxima do vilarejo Skala

Mouda Beach, próxima do vilarejo Skala

Visitei o principal da ilha, mas gostaria de ter visitado outras praias que não fui, como a região de Assos (com seu vilarejo e seu castelo), Foki Beach (próxima a Fiskardo), Vouti Beach, dentre muitas outras. Se você abre um mapa da Kefalonia no Google e começa a dar zoom para ver os nomes das praias e procurar foto de todas elas, vai sempre descobrir uma mais maravilhosa que a outra.

Portanto, Kefalonia é aquele lugar paradisíaco que sempre terá praias para conhecer, e também aquelas joias para retornar!

No meu post sobre a ilha grega Zakynthos dei uma visão geral de como é a divisão das ilhas gregas e algumas de suas características (e sugiro que dê uma lida para clarear a geografia da região). Agora vou falar sobre uma das mais famosas ilhas Cíclades: a charmosa Santorini.

O ferry boat mais parece um navio de cruzeiro

Chegando em Santorini

Não parece uma camada de glacê num bolo?

Santorini povoa o nosso imaginário com aquelas famosas casinhas brancas, com detalhes em azul, e um dos mais famosos pores do sol do mundo! E eu garanto, é tudo encantador!

Quando ir? Como na outra postagem, continuo indicando o verão ou meses próximos como ótimas épocas para conhecer as ilhas gregas, ou seja, de maio a outubro.

Passeando em Fira

Porto de Fira

Visual de Fira

Há duas formas de se chegar à ilha: de avião e de ferry boat.

De avião, pode-se consultar as viações: Aegean Air, Olympic Air, Ryanair e EasyJet, dentre outras.

Passeando por Fira

Fira é muito incrível!

Por do sol em Fira

Como para as ilhas Jônicas eu fui de avião, resolvi fazer o trecho de Atenas a Santorini de ferry boat. Há muitas empresas que vendem esse percurso. Para cotar e comprar, caso você saia de Atenas, como eu, deve colocar Piraeus na busca, que é o porto da cidade. Comprei minhas passagens com a Greek Ferries, mas existem muitas opções, como Blue Star Ferries, Ferries-booking, Paleologos, Anek, Ferries.gr, Danae, Hellenic Sea Ways e outras.

Magnífico por do sol em Fira

Teleférico para descer ao porto em Fira

Vulcão Nea Kameni

Ao chegar em Atenas, precisei passar na agência para trocar o voucher da compra pela passagem em si. O dia de embarcar é a maior animação, pois é uma multidão de gregos e turistas, carros e pessoas a pé, e vários ferries que mais parecem navios de cruzeiro. (Um parêntese aqui: os gregos são como os italianos no seu modo “enérgico” de ser! Aqui um vídeo engraçado mostrando um pouco). São cerca de 7h de viagem de Atenas a Santorini, mas no ferry tem Wi-Fi, restaurante, lanchonete, lojas, caixas eletrônicos, mais parece um shopping! Além de uma bela vista pro mar do lado de fora!

Vulcão Nea Kameni

Isso amarelo é enxofre, e veja também o vapor

Caminho pelo vulcão Nea Kameni

Chegando em Santorini você já vai se deliciar com as casinhas brancas em cima das encostas, mais parecendo uma camada de glacê cobrindo um bolo!

Santorini foi formada por uma enorme erupção e, inclusive, a paisagem da ilha em frente a Fira (ou Thira), capital de Santorini, é chamada de Caldeira. O centro da ilha foi destruído pela erupção, e a cratera do vulcão hoje está encoberta pela água. O vulcão anda hoje é ativo, mas é extremamente monitorado (não tenha medo!), e sua última explosão foi em 1959! Em 1600 a.C., a maior erupção de todas enterrou uma vila inteira na lava.

Trilhazinha no vulcão Nea Kameni

Portinho do vulcão Nea Kameni

Escadaria para subir a Oía

O fato de ser uma ilha vulcânica, então, é o que deixa, apesar de a água ser super transparente, o visual das praias “escuro”. Pois para termos um mar de tom turquesa, é preciso areia branca debaixo, como nas ilhas Jônicas (vide Zakynthos). O solo vulcânico (de areia e pedrinhas escuras) de Santorini deixa as praias escuras também, apesar da água transparentíssima.

Porto de Amoudi Bay, acima de Oía

Finalmente, Oía

Uma das muitas igrejas em Santorini

Quando cheguei a Santorini de ferry boat logo havia várias empresas oferecendo transfer na saída da balsa, e foi bem fácil ir para minha hospedagem. Fiquei hospedada na região de Fira, mas não na parte histórica, mas numa área mais central. Isso quer dizer que é uma parte mais comum, com ruas e casas normais, e as sonhadas casinhas brancas ficam mais nas bordas da ilha.

Vista de Oía

Vista mais clássica de Oía

A vista mais linda de Santorini

A maioria dos visitantes permanece em Santorini por 2 a 4 dias. Fiquei 2 dias inteiros em Santorini, e mais metade do primeiro dia e metade do quarto dia. No mapa abaixo dá para ter uma ideia das regiões que vou comentar neste relato:

Clique para aumentar. Mapa com os pontos comentados e outros. Fonte: http://www.emmanouelastudios-santorini.com/wp-content/uploads/2011/01/santorini-map-island.jpg

Caminhei até a parte turística de Fira, e em meu primeiro dia fiz uma das coisas mais gostosas de se fazer em Santorini: passear pelas estreitas ruazinhas admirando cada detalhe das casinhas brancas, olhar as lojinhas, restaurantes, bares, se perder pelos labirintos de Fira. Isso sem contar as vistas de tirar o fôlego para o mar. No fim da tarde já aproveitei um maravilhoso por do sol visto de Fira. Eu não visitei, mas quem gosta de história deve conhecer o Museu Pré-histórico de Fira.

Encantada com Oía

Oía

Lá na frente está o disputado castelo para ver o por do sol

No dia seguinte, foi a hora de fazer o passeio de barco para conhecer o vulcão Nea Kameni. Alguns desses passeios param na ilha de Thirasia também, para as pessoas aproveitarem a praia. Alguns param nas Hot Springs, regiões onde, pela proximidade do vulcão, a água é mais quente. E eu escolhi um passeio que para no vulcão e depois segue para o por do sol mais famoso de Santorini, em Oía (pronuncia-se “ía”). Há várias agências oferecendo o passeio, que sai do porto de Fira (na faixa de 20 euros). Para acessar o barco, você pode descer de teleférico (uns 4 euros) ou a pé.

Ruazinhas charmosas de Santorini

Lá na frente está o disputado castelo para ver o por do sol

Finalmente, o esperado por do sol em Oía

Achei o passeio ao vulcão super interessante, é daqueles lugares que se parecem com a superfície da lua. Algumas pessoas não gostam desse tipo de passeio, acham turístico demais. Porém, eu adoro um vulcão e não perderia a oportunidade! Chegando ao vulcão, você subirá por uma espécie de trilha demarcada por algo que já foi lava um dia, e hoje é uma espécie de areia vulcânica. Algumas pessoas preferem estar de tênis para essa caminhada, por causa do calor dessa areia. Chegando lá em cima, pode-se sentir o cheiro de enxofre e ver um pouco de vapor saindo nas encostas da cratera principal.

As casinhas mudam de cor conforme o sol baixa

Por do sol deslumbrante

Voltando ao barco, ele seguiu para o esperado por do sol em Oía, que fica na parte norte de Santorini. Após atracar no porto de Amoudi Bay, há uma subida íngreme, porém não muito longa, para acessar as casas. Recomendo que suba tranquilamente a pé sim! Isso porque algumas pessoas sobem no lombo de pobres burrinhos, o que não indico em hipótese alguma.

Um dos pores do sol mais lindos do mundo

Visual incrível do sol se pondo em Oía

Primeiro passeei pelas ruazinhas de Oía, todas um encanto! Parecia que estava num filme! Em Oía estão as mais clássicas fotos das casinhas brancas e das igrejas com seus tetos azuis. Para quem gosta de fotografia é um prato cheio! Aproveite, você estará em um dos lugares com as melhores vistas de por do sol do mundo! Para esse momento, algumas pessoas preferem procurar restaurantes para ver o sol baixar, mas o lugar mais concorrido é uma espécie de castelo. Como quis ver do castelo, precisei chegar umas 2 horas antes do por do sol para ter um dos melhores lugares para avistar, fica lotado! Se quiser ver do castelo, então, recomendo que faça o mesmo, chegue cedo para pegar um bom lugar. Foi imperdível esse por do sol, quase bati palmas quando acabou!

Praia de Perissa

Praia de Perissa

Oía fica a 11 km de Fira. Após o por do sol, peguei um ônibus para retornar a Fira. Falando sobre locomoção em Santorini, muitas pessoas alugam carro, ou scooter, ou quadriciclo. Porém, eu que viajo do modo mais econômico possível não achei muito necessário, pois o sistema de ônibus público na ilha funciona muito bem. A passagem estava na faixa de 2 euros e em todos os dias que permaneci em Santorini não fiquei mais de 15 minutos esperando por um ônibus. O eficiente transporte me levou até todos os cantos da ilha que quis ir.

Praia de Perissa

Sítio arqueológico de Akrotiri

No dia seguinte fui conhecer a praia de Perissa. A cor da água é muito bonita, mas as pedrinhas acinzentadas escondem um pouco.

Depois segui para o sítio arqueológico de Akrotiri, na parte sul da ilha, a cerca de 9 km de Fira. Lembra que eu falei do povoado que foi enterrado pela erupção em 1600 a.C.? Pois então, esse local está muito bem preservado, e foi até construído um telhado para abrigar essa área, que virou um museu, com uma ótima estrutura. Parecia que eu estava caminhando na antiga civilização. O ingresso foi mais ou menos 12 euros.

Sítio arqueológico de Akrotiri

Red Beach

Após a visita segui para a Red Beach, a 1 km de Akrotiri. A paisagem da praia é bem exótica, com suas falésias avermelhadas (daí o nome). Algumas pessoas me alertaram para tomar cuidado com as pedras dos penhascos, que podem rolar lá de cima, mas parecia bem tranquilo. Em vez de areia a praia é composta de pequenas pedrinhas, de modo que é impossível andar descalço. As praias de Santorini em geral têm estrutura de cadeiras de praia com seus guarda-sóis. De lá havia passeio de barco para a White Beach e a Black Beach por 5 euros, mas acabei indo a pé para outra praia próxima, a praia de Akrotiri.

Red Beach

Red Beach: olha a “areia”

Outras praias de Santorini são as praias de Kamari e Vlichada, que não visitei. E próximo há as ruínas da antiga Thira, no topo do morro Mesa Vouno, um local que além das ruínas parece oferecer uma excelente vista. Outro passeio que não fiz foi visitar as vinícolas de Santorini.

Red Beach

Pedrinhas em vez de areia na praia

Algo que também poderia ser bem agradável é caminhar entre algumas vilas da ilha. Por exemplo, caminhar de Fira até Imerovigli, e assim passar por muitas encostas bem fotogênicas.

Praia de Akrotiri

Praia de Akrotiri

Santorini é um dos lugares mais fotogênicos do mundo, e com certeza você deve colocar na sua lista de lugares imperdíveis para se visitar, ainda mais se você curte um belo por do sol! Santorini é um lugar que nunca vou esquecer!

Quando se pensa na Grécia logo vem à cabeça uma belíssima praia paradisíaca (como a que descrevi no post sobre Zakynthos) ou uma incrível ruína sobrevivente ao tempo. Porém, nesta postagem quero chamar a atenção para mais um deslumbrante e diferente lugar: os monastérios de Metéora.

Vista de Metéora a partir de Kalambaka

Varlaam

Este Patrimônio Mundial da Unesco está a 514 km de Atenas, cerca de 6 horas de viagem. Metéora significa “suspenso no ar”. O lugar é composto por curiosas formações rochosas de 600 metros de altura, esculpidas pela erosão há milhares de anos.

Varlaam ao fundo

Mosteiro Varlaam

Acredita-se que os primeiros monges chegaram ao local no século XI, atraídos pelo total isolamento e tranquilidade. Até os séculos XV a XVII foram construídos 24 mosteiros no topo das formações rochosas, que serviram de refúgio aos monges durante a ocupação do Império Otomano. Na época, a única forma de acessar os mosteiros era por um sistema de cordas e roldanas, em que as pessoas eram içadas. Hoje, 6 dos mosteiros ainda estão ativos e podem ser visitados: Great Meteoron, Varlaam, Roussanou (o único feminino), St. Nikolaos Anapafsas (Agios Nikolaos Anapafsas), St. Stephen (Agios Stefanos) e Aghia Triadas (Holy Trinity).

Subindo a escadaria do Great Meteoron

Interior do do Great Meteoron

Como chegar?

Você pode chegar a Metéora de carro alugado, trem ou ônibus.

De trem: é possível comprar sua passagem pelo site da Trainose. Pesquise de “Athens” a “Kalambaka”. Kalambaka é a cidade que está aos pés de Metéora. Na pesquisa que fiz no momento da escrita deste post o valor de ida e volta ficou em 48,70 euros. A maioria dos trens contém uma baldeação em Palaeofarsalos, e a viagem dura 6 horas. Os trens saem da estação Larissa em Atenas.

De ônibus: você sairá do terminal B da KTEL (Rua Liosson). Aqui no site da KTEL estão os preços e horários.

Interior do do Great Meteoron

Vista de Kalambaka de cima do mirante

Como comigo as coisas são sempre “com emoção”, eu visitei a Grécia em plena crise de 2015, quando as manifestações estavam em seu auge. Então o que aconteceu? Havia comprado a passagem de trem via internet, e quando cheguei à estação horas antes para checar meu trem noturno: surpresa! Os trens estavam em uma greve de 24h! Justo comigo, que faço roteiros planejados e apertados, e teria então só aquele dia para conhecer Metéora. A solução: corri na rua Liosson e comprei uma passagem de ônibus para a manhã seguinte. Com isso, em vez de ter um dia todo em Metéora reduzi minha visita a meio período e “me virei nos 30”!

Mosteiro equilibrado no alto da montanha

Escadaria do Varlaam

Chegando em Kalambaka já se percebe a grandiosidade das rochas. Minha ideia inicial era fazer tudo a pé já que teria um dia inteiro. Porém, como tive meio período reduzido, chegando lá me informaram que havia um ônibus que sobe até os mosteiros, porém, a cada 2h. Subi com esse ônibus e para descer a recomendação era pedir para chamarem um táxi dos mosteiros. É um percurso bem rapidinho, menos de 10 minutos.

Ônibus de Kalambaka a Metéora: 9h, 11h, 13h, 15h.

Ônibus de Metéora a Kalambaka: 10h, 12h, 14h, 16h.

Valor ida e volta: 3 euros.

Vestimenta improvisada com os lenços na entrada do Varlaam

Interior do Varlaam

Do centro de Kalambaka até o mosteiro Great Meteoron, onde o ônibus me deixou, são quase 7 km. Este é o maior dos mosteiros, indispensável de se conhecer. Para informações gerais o site Visit Meteora é bastante útil. Cada mosteiro fecha num dia diferente da semana, por isso é importante que se atente a isso na hora de escolher quais visitar.

Tudo é bem sinalizado

Vista do mirante

Great Meteoron: funciona das 9h às 17h (fecha às terças).

Holy Trinity: funciona das 9h às 17h (fecha às quintas).

Roussanou: funciona das 9h às 14h (fecha às quartas).

St. Nikolaos Anapafsas: funciona das 9h às 15h30 (fecha às sextas).

Varlaam: funciona das 9h às 16h (fecha às sextas).

St. Stephen: funciona das 9h às 13h30 e das 15h30 às 17h30 (fecha às segundas).

Belo mosteiro no alto da montanha

Escadaria do Agios Stefanos

Atente-se às vestimentas, pois não se pode entrar nos mosteiros de regata, short, saia acima do joelho e alguns, para as mulheres, calça. Por isso, na entrada, todos emprestam “cangas” para fazer saias e blusas improvisadas. A entrada em cada mosteiro custa 3 euros.

Agios Stefanos

Agios Stefanos ao fundo

Você pode baixar o mapa de Metéora aqui para planejar melhor sua visita.

Clique para aumentar. Mapa de Metéora. Fonte: http://www.visitmeteora.travel/

O mosteiro mais próximo de Kalambaka é o St. Nikolaos, fundado no final do século XIV. Ele é menor que os outros, mas também se equilibra grandiosamente num estreito topo de montanha.

Sistema de engrenagens que içava as pessoas para subiram ao mosteiro

O primeiro mosteiro que visitei foi o Great Meteoron, fundado no século XIV. Ele funciona como uma espécie de museu, mostrando utensílios, obras de arte e ferramentas, ilustrando como viviam os monges naquela época. Alguns monges ainda vivem lá, mas são extremamente discretos, e quase passam despercebidos. Desse mosteiro também há excelentes vistas da região, como a do mosteiro Varlaam.

Agios Stefanos

Agios Stefanos ao fundo

Saindo de lá fui caminhando até o mosteiro Varlaam, o segundo maior da região, a 750 metros de distância. Também fundado no século XIV, ele abriga muitas pinturas religiosas. Hoje o acesso aos mosteiros é feito por escadas, mas a antiga rede ainda está lá, para ilustrar como era feito antigamente.

Placa indicando os mosteiros

Como eu estava com pouco tempo, acabei pegando algumas caronas com outros turistas para os outros mosteiros. Pelas pesquisas que fiz, se andasse entre os 6 mosteiros seriam cerca de 9 km de caminhada. No caminho para o Roussanou há um belo mirante. Roussanou, dedicado a Santa Barbara, foi fundado no final do século XVI. Em 1988 ele tornou-se um convento.

Passei pelo Holy Trinity, mas não visitei. Segui direto para o St. Stephan, construído na primeira metade do século XV. Todos os mosteiros proporcionam vistas maravilhosas.

Em Kalambaka, os mosteiros estão lá acima das montanhas

Não consegui visitar todos os mosteiros por causa dos imprevistos que tive, mas conhecer Metéora foi extremamente gratificante e bonito. Saindo desse mosteiro decidi ir caminhando até a cidade, pois meu ônibus sairia para Atenas no final da tarde, porém, logo consegui uma carona com um casal de turistas até Kalambaka. De onde me deixaram, num posto de gasolina, não segui até a rodoviária, pois meu ônibus passaria por esse local e eu conseguiria embarcar.

Metéora é um daqueles lugares fascinantes e inesperados de se visitar, e com certeza valeu todo o perrengue que passei para ir.