Metéora: a Grécia além do básico

Quando se pensa na Grécia logo vem à cabeça uma belíssima praia paradisíaca (como a que descrevi no post sobre Zakynthos) ou uma incrível ruína sobrevivente ao tempo. Porém, nesta postagem quero chamar a atenção para mais um deslumbrante e diferente lugar: os monastérios de Metéora.

Vista de Metéora a partir de Kalambaka

Varlaam

Este Patrimônio Mundial da Unesco está a 514 km de Atenas, cerca de 6 horas de viagem. Metéora significa “suspenso no ar”. O lugar é composto por curiosas formações rochosas de 600 metros de altura, esculpidas pela erosão há milhares de anos.

Varlaam ao fundo

Mosteiro Varlaam

Acredita-se que os primeiros monges chegaram ao local no século XI, atraídos pelo total isolamento e tranquilidade. Até os séculos XV a XVII foram construídos 24 mosteiros no topo das formações rochosas, que serviram de refúgio aos monges durante a ocupação do Império Otomano. Na época, a única forma de acessar os mosteiros era por um sistema de cordas e roldanas, em que as pessoas eram içadas. Hoje, 6 dos mosteiros ainda estão ativos e podem ser visitados: Great Meteoron, Varlaam, Roussanou (o único feminino), St. Nikolaos Anapafsas (Agios Nikolaos Anapafsas), St. Stephen (Agios Stefanos) e Aghia Triadas (Holy Trinity).

Subindo a escadaria do Great Meteoron

Interior do do Great Meteoron

Como chegar?

Você pode chegar a Metéora de carro alugado, trem ou ônibus.

De trem: é possível comprar sua passagem pelo site da Trainose. Pesquise de “Athens” a “Kalambaka”. Kalambaka é a cidade que está aos pés de Metéora. Na pesquisa que fiz no momento da escrita deste post o valor de ida e volta ficou em 48,70 euros. A maioria dos trens contém uma baldeação em Palaeofarsalos, e a viagem dura 6 horas. Os trens saem da estação Larissa em Atenas.

De ônibus: você sairá do terminal B da KTEL (Rua Liosson). Aqui no site da KTEL estão os preços e horários.

Interior do do Great Meteoron

Vista de Kalambaka de cima do mirante

Como comigo as coisas são sempre “com emoção”, eu visitei a Grécia em plena crise de 2015, quando as manifestações estavam em seu auge. Então o que aconteceu? Havia comprado a passagem de trem via internet, e quando cheguei à estação horas antes para checar meu trem noturno: surpresa! Os trens estavam em uma greve de 24h! Justo comigo, que faço roteiros planejados e apertados, e teria então só aquele dia para conhecer Metéora. A solução: corri na rua Liosson e comprei uma passagem de ônibus para a manhã seguinte. Com isso, em vez de ter um dia todo em Metéora reduzi minha visita a meio período e “me virei nos 30”!

Mosteiro equilibrado no alto da montanha

Escadaria do Varlaam

Chegando em Kalambaka já se percebe a grandiosidade das rochas. Minha ideia inicial era fazer tudo a pé já que teria um dia inteiro. Porém, como tive meio período reduzido, chegando lá me informaram que havia um ônibus que sobe até os mosteiros, porém, a cada 2h. Subi com esse ônibus e para descer a recomendação era pedir para chamarem um táxi dos mosteiros. É um percurso bem rapidinho, menos de 10 minutos.

Ônibus de Kalambaka a Metéora: 9h, 11h, 13h, 15h.

Ônibus de Metéora a Kalambaka: 10h, 12h, 14h, 16h.

Valor ida e volta: 3 euros.

Vestimenta improvisada com os lenços na entrada do Varlaam

Interior do Varlaam

Do centro de Kalambaka até o mosteiro Great Meteoron, onde o ônibus me deixou, são quase 7 km. Este é o maior dos mosteiros, indispensável de se conhecer. Para informações gerais o site Visit Meteora é bastante útil. Cada mosteiro fecha num dia diferente da semana, por isso é importante que se atente a isso na hora de escolher quais visitar.

Tudo é bem sinalizado

Vista do mirante

Great Meteoron: funciona das 9h às 17h (fecha às terças).

Holy Trinity: funciona das 9h às 17h (fecha às quintas).

Roussanou: funciona das 9h às 14h (fecha às quartas).

St. Nikolaos Anapafsas: funciona das 9h às 15h30 (fecha às sextas).

Varlaam: funciona das 9h às 16h (fecha às sextas).

St. Stephen: funciona das 9h às 13h30 e das 15h30 às 17h30 (fecha às segundas).

Belo mosteiro no alto da montanha

Escadaria do Agios Stefanos

Atente-se às vestimentas, pois não se pode entrar nos mosteiros de regata, short, saia acima do joelho e alguns, para as mulheres, calça. Por isso, na entrada, todos emprestam “cangas” para fazer saias e blusas improvisadas. A entrada em cada mosteiro custa 3 euros.

Agios Stefanos

Agios Stefanos ao fundo

Você pode baixar o mapa de Metéora aqui para planejar melhor sua visita.

Clique para aumentar. Mapa de Metéora. Fonte: http://www.visitmeteora.travel/

O mosteiro mais próximo de Kalambaka é o St. Nikolaos, fundado no final do século XIV. Ele é menor que os outros, mas também se equilibra grandiosamente num estreito topo de montanha.

Sistema de engrenagens que içava as pessoas para subiram ao mosteiro

O primeiro mosteiro que visitei foi o Great Meteoron, fundado no século XIV. Ele funciona como uma espécie de museu, mostrando utensílios, obras de arte e ferramentas, ilustrando como viviam os monges naquela época. Alguns monges ainda vivem lá, mas são extremamente discretos, e quase passam despercebidos. Desse mosteiro também há excelentes vistas da região, como a do mosteiro Varlaam.

Agios Stefanos

Agios Stefanos ao fundo

Saindo de lá fui caminhando até o mosteiro Varlaam, o segundo maior da região, a 750 metros de distância. Também fundado no século XIV, ele abriga muitas pinturas religiosas. Hoje o acesso aos mosteiros é feito por escadas, mas a antiga rede ainda está lá, para ilustrar como era feito antigamente.

Placa indicando os mosteiros

Como eu estava com pouco tempo, acabei pegando algumas caronas com outros turistas para os outros mosteiros. Pelas pesquisas que fiz, se andasse entre os 6 mosteiros seriam cerca de 9 km de caminhada. No caminho para o Roussanou há um belo mirante. Roussanou, dedicado a Santa Barbara, foi fundado no final do século XVI. Em 1988 ele tornou-se um convento.

Passei pelo Holy Trinity, mas não visitei. Segui direto para o St. Stephan, construído na primeira metade do século XV. Todos os mosteiros proporcionam vistas maravilhosas.

Em Kalambaka, os mosteiros estão lá acima das montanhas

Não consegui visitar todos os mosteiros por causa dos imprevistos que tive, mas conhecer Metéora foi extremamente gratificante e bonito. Saindo desse mosteiro decidi ir caminhando até a cidade, pois meu ônibus sairia para Atenas no final da tarde, porém, logo consegui uma carona com um casal de turistas até Kalambaka. De onde me deixaram, num posto de gasolina, não segui até a rodoviária, pois meu ônibus passaria por esse local e eu conseguiria embarcar.

Metéora é um daqueles lugares fascinantes e inesperados de se visitar, e com certeza valeu todo o perrengue que passei para ir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *