Você se lembra do meu relato sobre a queridíssima Zermatt, na Suíça? Pois bem, junto com a cidade de Zermatt, eu também visitei a cidade de Interlaken, outra joia desse fascinante país. Em relação a Zermatt, Interlaken já é uma cidade maior e mais turística, cheia de bares, restaurantes, cassinos, hotéis etc.

Chegando de trem em Interlaken

Interlaken

Interlaken

E por que visitar Interlaken? Porque se você quer realmente conhecer os alpes suíços, lá está uma das montanhas mais famosas (e difíceis de se pronunciar – treinei a viagem inteira! rs) da Suíça, o Jungfraujoch. Esta belíssima montanha tem 3.454 metros. Ela é conhecida como Top of Europe e abriga a estação de trem mais alta da Europa. Além disso, na região estão várias outras belas montanhas, como Schilthorn (que já foi cenário de um filme do James Bond), First, Schynige Platte, Pfingstegg, Harder Kulm, dentre outras. Veja a seguir o mapa da região.

CLIQUE PARA AUMENTAR. Fonte: http://ontheworldmap.com/switzerland/ski/interlaken/interlaken-summer-map.jpg

Assim como Zermatt, Interlaken também pode ser visitada o ano todo, mas no inverno as condições climáticas estão mais favoráveis aos praticantes de esportes de inverno. No verão, há mais possibilidades de caminhar e ver as paisagens. Porém, no topo das montanhas há neve durante todo o ano.

Pessoal aproveitando o lago Brienz

Passeio de barco pelo lago Brienz

Lago Brienz: Giessbach

Como contei no relato de Zermatt, eu adquiri um Swiss Pass de 4 dias, o que me possibilitava ter todos os deslocamentos de trens na Suíça incluídos durante esses dias. Esse passe de trem, além dos deslocamentos pelo país, incluiu também os passeios de barco em Interlaken e me deu 50% de desconto para subir no Jungfraujoch e no Harder Kulm. Por isso, o custo-benefício valeu muito a pena, o trem mais a visita ao Jungfraujoch custa mais de CHF 200 (dá quase mil reais, por isso esse desconto do Swiss Pass é muito bem-vindo).

Passeio de barco pelo lago Brienz

Giessbach Falls

Giessbach Falls

Para saber se o Swiss Pass vale a pena para você, é necessário entrar no site da SBB e somar os valores dos trens que vai pegar, e verificar o valor das montanhas que quer visitar, vendo quanto desconto terá se tiver um Swiss Pass. Daí você tem sua resposta!

Por trás das Giessbach Falls

Por trás das Giessbach Falls

Hotel Giessbach

A cidade de Interlaken está mais ou menos centralizada na Suíça e, graças à excelente malha de trens do país, você pode chegar facilmente descendo em Interlaken West. Como contei no outro post, eu cheguei na Suíça por Genebra, visitei primeiro Zermatt, depois Interlaken e fui embora por Zurique. Você pode pesquisar valores de trens e horários no site da SBB. De Genebra a Interlaken, por exemplo, são quase 3 horas de viagem de trem, e de Zurique a Interlaken, cerca de 2 horas. De qualquer forma, essas viagens de trem pela Suíça sempre passam num piscar de olhos, pela extrema beleza das paisagens vistas da janela. No mapa a seguir você pode ver como a malha de trens é abrangente!

Clique para abrir maior. Malha de trens na Suíça. Fonte: http://www.swissvistas.com/support-files/sts-gb-m-13-en-web.pdf

Como você viu no mapa de Interlaken, a cidade tem esse nome por estar entre dois incríveis lagos (Inter + Laken), o Brienzersee (ou lago Brienz para os íntimos rs) e o Thunersee (ou lago Thun para os íntimos rs).

Eu tive apenas 2 dias para visitar Interlaken, mas depois que conheci, vi que passaria fácil uns 15 dias lá, tem muita coisa para conhecer!

Giessbach Falls

As Giessbach Falls caem no lago

Vilarejo nas margens do lago Brienz

Agora vamos ao relato!

Meu primeiro passeio foi algo imperdível de se fazer em Interlaken: um passeio de barco por um dos lagos. Como contei antes, se você tem o Swiss Pass, o passeio de barco é grátis. Ou seja, minha única dificuldade foi escolher entre os dois lagos, já que tinha pouco tempo. Os dois lagos têm várias atrações para se visitar, pois os barcos param em vários vilarejos, e você pode escolher desembarcar em algumas paradas e pegar o barco seguinte. Além disso, eles acabam sendo uma espécie de praia, pois as pessoas aproveitam para nadar, andar de caiaque e fazer esportes náuticos. Este é o site da empresa que opera os barcos, nele pode ver os horários e tarifas.

Harder Kulm

Vista do Harder Kulm

Vista do Harder Kulm

Optei pelo passeio de barco pelo lago Brienz, e como cheguei após o almoço na cidade, consegui descer em apenas 2 paradas. Uma delas foi a Giessbach. E o motivo foi conhecer a Giessbach Falls, uma linda cascata que cai em frente a um hotel. Esse local é bem interessante, você pode acessar o hotel de funicular, mas dá para ir a pé também. Há uma passarela em frente à cachoeira, e você pode passar num pequeno túnel atrás dela, é super lindo! Depois da visita parei numa outra vila, para lanchar e ver lojinhas.

Vista do Harder Kulm

No Harder Kulm

Harder Kulm

Não passeei de barco pelo lago Thun, mas parece ser tão interessante quanto o lago Brienz. Lá um dos atrativos são as cavernas de St. Beatus, que também têm uma cascata, e o castelo Oberhofen, aberto a visitação.

Se estiver com tempo, visite todas as vilinhas ao redor dos lagos, elas são charmosíssimas!

Lauterbrunnen

Staubbach Falls

Subindo para as Staubbach Falls

Depois do passeio de barco, segui para o Harder Kulm, uma pequena montanha com 1322 metros. O trem funicular que acessa o Harder Kulm fica próximo à estação de trem de Interlaken, e são cerca de 10 minutos de subida. O trem opera de abril a novembro, de 30 em 30 minutos. No site você pode ver o valor (hoje 32 euros, mas com o Swiss Pass você tem 50% de desconto, e as hospedagens da região costumam dar esse mesmo desconto para os hóspedes; aliás, como em outras cidades da Suíça, você tem os transportes internos na cidade grátis com um cartão dado pelas hospedagens).

Chegando lá no topo, tem um restaurante/lanchonete e o mais importante: um mirante espetacular! Taí o motivo de subir no Harder Kulm, você verá a cidade entre os lagos Thun e Brienz, e ao fundo, se o dia estiver limpo, as montanhas Jungfrau, Eiger e Mönch.

Atrás das Staubbach Falls

Atrás das Staubbach Falls

No dia seguinte fui concretizar o motivo de minha visita a Interlaken: o Jungfraujoch. O nome da montanha é Jungfrau, e Jungfraujoch seria o topo da montanha. Top of Europe são os atrativos que estão lá em cima. No site do Jungfrau você pode ver os valores atualizados. Com meu Swiss Pass comprei meu ticket com 50% de desconto. Esse ticket inclui o Jungfraubahn (o trem), que é a única forma de chegar lá, e a entrada no local.

Saindo de Lauterbrunnen

Lauterbrunnen (ou Valfenda?)

Agora uma dica de outra forma de conseguir 50% de desconto se você não estiver com o Swiss Pass: a empresa desse trem que leva ao Jungfrau é a mesma empresa do trem do Corcovado, no Rio de Janeiro. Então, se você tiver um ticket usado do trem do Corcovado de até 1 ano antes da sua visita ao Jungfraujoch, conseguirá 50% de desconto no ato da compra. ATENÇÂO: eu não sei se esse desconto funciona o ano todo e se é limitado a uma quantidade de pessoas por dia, ou se tem alguma outra regra de uso. Portanto, entre em contato pelo e-mail informado no site do Jungfrau para verificar.

Saindo de Lauterbrunnen

Bye bye, Lauterbrunnen

Depois de adquirido meu ticket, embarquei com destino a Jungfraujoch, mas nessa hora precisei decidir o percurso: é possível ir por Grindelwald ou então por Lauterbrunnen, voltando pelo outro, em um percurso circular do trem (veja no mapa acima). Você pode entrar e sair do trem quantas vezes quiser nesse dia. Por isso, é importante que separe um dia inteiro para esse passeio, iniciando cedo, pois só no percurso de trem, contando com as baldeações, gastará cerca de 2 horas.

Caminho para o Jungfraujoch

Caminho para o Jungfraujoch

Outro detalhe importante: esteja com roupas confortáveis, tênis e leve um bom casaco para frio, bem como gorro, luvas e o que mais precisar. Peguei 0 grau lá em cima!

Embarquei em Interlaken Ost e minha primeira parada do dia foi em Lauterbrunnen, 30 minutos depois. Se você for apenas até Lauterbrunnen, sem estar a caminho de Jungfraujoch, seu trajeto estará incluído no Swiss Pass. Caso você seja um fã de Senhor dos Anéis, assim que ver Lauterbrunnen vai cair para trás! J. R. R. Tolkien visitou essa cidade em sua juventude, que claramente inspirou sua criação da terra média, Valfenda.

Que ansiedade!!!

Alpine Sensation

Lauterbrunnen é uma charmosa cidadezinha com enormes penhascos, com uma grande cascata caindo deles. Na verdade, ela abriga 72 cachoeiras e é repleta de trilhas. De lá, com cable car seria o caminho para alcançar o Schilthorn, que no inverno é estação de esqui, mas no verão, essa região rende mais de 100 km de trilhas.

A cachoeira que cai diretamente em Lauterbrunnen é a Staubbach, com 300 metros de altura. À medida que me aproximava da cachoeira, fazia fotos cada vez mais belas. Chegando na base, há uma pequena trilha que sobe até um trecho e vai atrás dela. Recomendo fortemente que suba, a trilha é curta e a vista é muito recompensadora!

Ice Palace

Ice Palace

Um dos destaques que será motivo para eu voltar a essa região são as Trummelbach Waterfalls, 10 cachoeiras que caem dentro da montanha, formadas por água de degelo. Parece ser uma aventura visitá-las. Também é possível visitar a vila de Wengen e fazer outras caminhadas pela região. Porém, como meu destino era o Jungfraujoch, teria que deixar um outro dia inteiro se quisesse visitar os outros atrativos perto de Lauterbrunnen. Por isso deixei meu coração lá e parti ao meu destino.

Top of Europe

Vista do Top of Europe

Após reembarcar no trem, a próxima parada é Kleine Scheidegg, que está já a 2.061 metros de altitude. Acho que até aqui você já terá uma ideia de por que é tão caro visitar o Jungfraujoch. O trem que se embarca agora é de uma incrível engenharia, passando por dentro da montanha. Há 2 paradas nesse “túnel”, onde há sanitários e um incrível janelão construído no meio da rocha. Infelizmente, quando visitei, nesse momento o tempo estava fechado e não consegui ver muita coisa.

Chegando ao Top of Europe, há muitas coisas para se fazer. Há uma cafeteria logo na entrada. Também é possível ver um vídeo explicativo do local, o Jungfrau Panorama. Há muitos mirantes para as montanhas, e tentei ir em todos. Subi ao Sphinx para ter acesso às belas montanhas nevadas.

Vista do Top of Europe

Lojinha da Lindt

Depois, visitei o Alpine Sentation e o Ice Palace, onde estão esculturas de gelo, como as que vi no Matterhorn, em Zermatt. É tudo muito bem trabalhado, uma verdadeira experiência. Depois passeei pelo Plateau, onde havia muita gente esquiando, praticando tubbing e até fazendo tirolesa. Lá pude andar à vontade pela neve, mas a diferença, comparando com o Matterhorn, em Zermatt, é que o tubbing era pago, por isso não quis fazer. Após isso entrei, pois estava muito frio, e passei numa pequena lojinha dos chocolates Lindt, onde há uma instalação demonstrando como os chocolates são feitos.

Lojinha da Lindt

Top of Europe

Aproveito este momento para reforçar a importância de estar preparado para o frio e com um calçado adequado. Além disso, leve água e um lanchinho, para não ter muito gasto lá em cima.

Na volta, desci de trem pelo outro lado, por Grindelwald. Dei uma pequena volta pelo vilarejo, mas não fiquei muito, pois teria que também ter mais tempo para explorar as caminhadas por lá. Por isso, Grindelwald é outro motivo para voltar. Lá existem muitas e muitas trilhas interessantes, e o passeio ao Mt. First, um dos destaques da região. A caminhada até o lago Bachalpsee parece ser um sonho!

Brincando no Top of Europe

Grindelwald

Aliás, se existe um meio de sonhar acordado é indo para Interlaken! Eu já vi lugares fascinantes, mas este está na lista dos melhores! Com certeza voltarei para visitar tudo o que faltou e revisitar tantas belezas do local. Veja como é fascinante o Top of Europe:

O Parque Estadual dos Três Picos é um prato cheio para quem gosta de trilhas, além de ser um paraíso para escaladores. As mais conhecidas dentre as espetaculares montanhas do parque são os Três Picos, Capacete, Morro dos Cabritos e Pedra D’Anta, bem como as peculiares formações Dois Bicos e Caixa de Fósforos.

Entrando no Parque Estadual dos Três Picos

Estradinha para ir a pé até o camping dentro do parque

Criado em 2002, o Parque Estadual dos Três Picos é o maior do Rio do Janeiro, com 65 mil hectares, abrangendo os municípios de Teresópolis, Nova Friburgo, Cachoeiras de Macacu, Guapimirim e Silva Jardim. Ele forma um contínuo com o Parque Nacional da Serra dos Órgãos e é importantíssimo para a rica fauna e flora da região.

Estradinha para ir a pé até o camping dentro do parque

Camping Vale dos Deuses

Neste relato vou falar sobre um roteiro de 2 dias que fiz no núcleo Salinas, que é o que abriga os famosos Três Picos: Pico Maior, Pico Médio e Pico Menor. O Pico Maior é o ponto culminante da Serra do Mar, com 2.316 metros de altitude (com acesso somente por escalada). Para algumas trilhas da região, é melhor contratar um guia, como os Picos Médio e Menor, considerados de nível pesado (e para ir de um ao outro, é necessário corda). Porém, as trilhas que fiz são autoguiadas, havia placas nas bifurcações e quem tem um mínimo de experiência com trilhas pode seguir as indicações.

O parque está situado a cerca de 60 km de Teresópolis e a 150 km do Rio de Janeiro.

Camping Vale dos Deuses

Camping Vale dos Deuses: o visual de lá já é lindo!

Se você for de carro: Seguindo pela RJ-130 (Terê-Fri), passe por Bonsucesso e Vieira. Próximo ao km 46 (Posto de Gasolina Novo Tempo), antes do Mercado do Produtor Rural, vire à direita e siga placas para Salinas, São Lourenço e Barracão dos Mendes, e depois para Pesagro Rio e Ibelga. Após o Posto dos Amigos vire à esquerda, e depois de 4,3 km de estrada de terra chegará ao povoado mais próximo dos Três Picos. A estrada vai piorando, mas os principais abrigos de montanha estão nessa região, e caso você vá acampar no parque, pode deixar o carro num deles, próximo à entrada do parque já, e seguir a pé.

Camping Vale dos Deuses

Trilha para Cabeça do Dragão

Se você for de ônibus: a Viação Útil leva até Petrópolis. Depois, pegue ônibus com a Viação Teresópolis até Teresópolis e Nova Friburgo. No Mercado do Produtor Rural, na Rodovia RJ-130 (ou no terminal de integração de Nova Friburgo) você deve pegar a Linha Circular Urbana 505 (São Lourenço) até o bairro rural de Santa Cruz. Desse ponto precisará caminhar 4 km.

Trilha para Cabeça do Dragão

Trilha para Cabeça do Dragão: visual incrível!

A melhor época para se visitar é de maio a setembro, quando tecnicamente não chove. Isso porque nenhuma trilha em montanha é segura caso chova, as pedras ficam escorregadias e é bem perigoso. Portanto, sempre cheque a previsão do tempo antes de ir.

Eu visitei o Parque Estadual dos Três Picos com uma agência de ecoturismo do Rio de Janeiro, a Adrenalina. Já os conhecia e, como sempre, fui muito bem atendida, eles são excelentes!

Cabeça do Dragão: rende fotos espetaculares

Trilha para a Cabeça do Dragão: subida final

Acampei dentro do parque, no Camping Vale dos Deuses. Esse camping é gratuito, assim como a entrada no parque. A vantagem de ficar nesse camping é que já está ao lado de onde se iniciam as trilhas. Chegamos ao local de estacionamento do veículo mais de 23h, e a caminhada até o camping durou 1,5 hora de subida não muito íngreme em estrada de terra. O Camping Vale dos Deuses tem uma simples e boa estrutura: conta com uma espécie de cozinha (estilo fogão a lenha, você precisa recolher galhos secos no mato para utilizar), com pia e torneira, chuveiros frios e sanitário.

Cabeça do Dragão: tô no topo

Cabeça do Dragão: tô no topo

Se você não quiser acampar, há vários refúgios de montanha próximos (apesar de você precisar caminhar até o camping para iniciar as trilhas), como, por exemplo:

– Abrigo República Três Picos ([email protected]).

Refúgio Três Picos.

Refúgio das Águas (22) 2543-3504.

– Refúgio Pico Maior ((22) 2543-3512).

Refúgio Canto da Pedra.

Pousada dos Paula.

Recanto dos Ventos.

Refúgio Kinderdorf.

Cabeça do Dragão: admirando a vista lá de cima

Trilha para a Cabeça do Dragão: descendo

Lá no camping muitas vezes pode ser bem frio, então prepare-se com um bom saco de dormir e, se preciso, uma boa segunda pele, fleece e corta-vento. E não se esqueça de sua lanterna!

No primeiro dia acordamos, recolhemos galhos secos para acender o fogão e fizemos um bom café no melhor estilo camping. Lá do camping já é possível ver algumas das belas montanhas do parque.

Curtindo a noite no camping

Trilha para a Caixa de Fósforo

Saímos para a trilha do dia, o pico Cabeça de Dragão, com 2082 metros de altitude. Saindo do camping Vale dos Deuses, a entrada da trilha fica à direita e é sinalizada com uma placa. Ela tem 4,17 km de ida e seria de nível fácil para médio. No trecho inicial, mais arborizado, há algumas subidas, mas nada íngreme demais. Depois a vegetação se abre, já na parte alta, mostrando o incrível visual das montanhas da região. Prepare a câmera, que o meio para o final já rende excelentes fotos! O finalzinho é um tanto mais íngreme, mas nada tão intenso, é um pequeno trecho. Chegando lá em cima você verá que o esforço valeu a pena, que vista incrível!

Trilha para a Caixa de Fósforo: início

Trilha para a Caixa de Fósforo: tem placa na bifurcação

Depois voltamos para o camping para preparar nosso almojanta. Para essa trilha não é necessário madrugar, em meio período do dia dá para fazê-la tranquilamente. O pessoal acendeu uma fogueira que pode ser feita numa área delimitada para isso, descansamos e curtimos esse clima de montanha e camping!

Trilha para a Caixa de Fósforo: corrente para o trecho final

Trilha para a Caixa de Fósforo: lindo visual dos 3 Picos e Capacete

No dia seguinte fizemos nossa segunda trilha do fim de semana: a Caixa de Fósforo, com 1803 metros de altitude. Essa trilha tem 5,4 km de ida e é considerada de nível leve para médio. Ela começa do lado esquerdo do camping Vale dos Deuses, também sinalizada com placa. A primeira parte é quase plana, depois há uma entrada à esquerda (com placa), onde inicia-se uma subida, inclusive com uma parte mais inclinada com uma corrente para auxiliar. Depois dessa parte já se chega em uma grande pedra com a vista dos belos Três Picos e a Pedra do Capacete.

Trilha para a Caixa de Fósforo: lindo visual dos 3 Picos e Capacete

Vista do lado da Caixa de Fósforo

Seguindo pela esquerda continua-se por um pequeno trecho até a Caixa de Fósforo em si, que é uma grande rocha equilibrada em uma rochinha menor, parecendo uma caixinha. Dá para ficar nesse ponto superior, ou descer até a base dela, onde há uma corrente para subir uns 3 metros. Só suba se estiver se sentindo seguro para isso, para que não aconteça nenhum acidente. Sempre que se fala em montanha, seja prudente. Essa trilha também durou aproximadamente meio período do dia.

Essa é a Caixa de Fósforo

Debaixo da Caixa de Fósforo

Esse roteiro que fiz cabe direitinho num final de semana, porém o parque oferece diversas outras trilhas. Uma delas é a famosa travessia Vale dos Deuses x Vale dos Frades, com 19 km, que passa pela cachoeira dos Frades e vai ficar para uma outra ida minha ao parque.

Trilha para a Caixa de Fósforo: vista dos 3 Picos e Capacete

Caixa de Fósforo se equilibrando numa pedrinha menor

Achei o Parque Estadual dos Três Picos muito organizado, os guarda-parques estavam presentes pouco antes do camping e às vezes passavam para verificar se estava tudo bem, e foram muito atenciosos. Se você ama trilhas e belas montanhas, certamente ficará admirado com o belo visual desse parque!

Ao lado da Caixa de Fósforo

Zermatt é um dos lugares mais icônicos da Suíça, um paraíso para quem quer conhecer os alpes suíços e estar num lugar que parece ter saído de um filme. A pequena cidade no sul do país reúne tudo o que se espera de um vilarejo alpino: casinhas no melhor estilo suíço de ser, oportunidade de ver neve e esquiar o ano todo e a montanha mais famosa do país, o Matterhorn.

Trem de Visp a Zermatt

Vista do trem de Visp a Zermatt

Aliás, você já conhece o Matterhorn se já comeu o chocolate Toblerone, estampado com sua imagem, que figura também na caixa de lápis de cor Caran d’Ache, além do chocolate Alpino, que faz uma alusão à montanha. O Matterhorn em si está já na fronteira com a Itália, e do lado italiano ele é conhecido como Cervino.

Da janela do trem de Visp a Zermatt

Trem de Visp a Zermatt

Quando mochilei pela Europa pela primeira vez nunca nem tinha ouvido falar de Zermatt. Mas encontrei uma amiga na Alemanha e ela tinha ido para Zermatt e relatou ter sido uma gratíssima surpresa. Corri para ver fotos do local e, desde então, Zermatt entrou para a lista de sonhos!

Trem de Visp a Zermatt: o degelo forma cachoeiras pelo caminho

Trem de Visp a Zermatt

Dois anos depois embarquei rumo à Suíça. Fui no mês de julho, mas, como disse, apesar de o local ser bastante procurado no inverno por causa das excelentes estações de esqui, mesmo no verão há neve no topo das montanhas e, assim, possibilidade de esquiar. Porém, indo no verão pode-se fazer também excelentes trilhas a pé.

Único tipo de “carro” em Zermatt

Rua principal

Fonte das marmotas para você encher suas garrafinhas

Entrei na Suíça por Genebra, cidade com o aeroporto internacional mais próximo de Zermatt. Porém, também é bem tranquilo visitar a cidade se você chegar por Zurique. Isso porque a Suíça toda está muito bem integrada por uma excelente malha de linhas de trem. E provavelmente, estando no país, você não vai visitar somente Zermatt, mas combinará o destino com outras cidades da região.

Igreja St Mauritius

Vista da parte alta da cidade

Do rio que corta a cidade já é possível avistar o Materhorn

Meu roteiro foi chegar por Genebra, visitar Zermatt por 2 dias, visitar Interlaken por 2 dias e sair do país por Zurique. Para mim, a opção com melhor custo-benefício foi adquirir um Swiss Pass, o que fiz daqui do Brasil, mas pode ser comprado na hora também. Para chegar a essa conclusão fiz um cálculo do valor de todos os trens que teria de comprar para meu roteiro completo no país. Pelo menos na época de minha viagem, o valor somado dos trens e o valor de um Swiss Pass válido por 4 dias ficaria muito semelhante. Porém, comprando o Swiss Pass eu teria um diferencial: ele dá 50% de desconto para subir as 3 montanhas que eu queria, Matterhorn Glacier Paradise (preços) e Gornergrat (preços) (em Zermatt) e Jungfraujoch (em Interlaken, tema de outra postagem). Fora isso valeu também para o passeio de barco em Interlaken, o transporte público em todas as cidades e 50% de desconto no Harder Kulm (mirante em Interlaken).

Chocolates homenageando o Materhorn

Finalmente, o Matterhorn!

A SBB opera os trens na Suíça, e de Genebra até Zermatt são aproximadamente 3h50 de viagem (de Genebra a Visp e de Visp até Zermatt). Neste mapa é possível ter uma ideia do percurso. No mapa seguinte, da SBB, veja como é abrangente a malha de trens na Suíça!

Clique para abrir maior. Percurso de Genebra a Zermatt. Fonte: http://ski-zermatt.com/photo_tours/swiss_map.html

Clique para abrir maior. Malha de trens na Suíça. Fonte: http://www.swissvistas.com/support-files/sts-gb-m-13-en-web.pdf

Quando desembarquei em Genebra encontrei uma máquina revolucionária antes da área de desembarque: uma máquina que fornece tickets gratuitos do transporte público dentro da cidade de Genebra por 1,5 hora, incluindo o trecho do aeroporto até o centro. Inclusive, todas as hospedagens pelo país oferecem um cartão de gratuidade de transporte público da cidade em que estiver válido pelos dias de sua estada. Ah se todo país pensasse nos turistas assim!

Teleférico tipo gôndola subindo pelas montanhas

Subindo ao Glacier Paradise

Subindo ao Glacier Paradise: parada em Schwazsee

De qualquer forma eu já estava de posse de meu Swiss Pass, que retirei no aeroporto, e segui para dar uma rápida volta por Genebra, visitando o belíssimo lago Léman e a praça das Nações, onde fica a Broken Chair e a ONU. A cidade estava animadíssima com um evento de triathlon. Essa foi também uma vantagem do Swiss Pass: eu não precisei marcar assentos em nenhum trem que peguei, portanto poderia embarcar em qualquer um a qualquer horário que estivesse indo para meu destino.

Subindo ao Glacier Paradise: parada em Schwazsee

Lago Schwazsee

Lago Schwazsee

A viagem de Genebra até Visp, apesar da distância, não é NADA entediante. As paisagens na Suíça são BELÍSSIMAS! Tive que viajar com a câmera no colo, pois cada momento era um vislumbre de belezas.

Lago Schwazsee

Subindo ao Glacier Paradise

Subindo ao Glacier Paradise

Chegando em Visp, é preciso trocar de trem. Nesse momento você pegará o trem panorâmico para Zermatt. À medida que o trem se aproxima da cidade, as paisagens vão ficando cada vez mais de tirar o fôlego! Montanhas nevadas, o rio que acompanha o trem, as casas em estilo alpino, belíssimas cachoeiras formadas pelo degelo caindo das montanhas… Eu realmente não entendo até hoje como os outros passageiros desse trem estavam quietinhos mexendo em seus celulares, sem prestar atenção ao que estava se passando janela afora. Eu, ao contrário, como boa turista brasileira, estava “causando”, indo incessantemente de uma janela à outra tirando 1001 fotos!!!

Chegando em Zermatt é simples assim: paixão à primeira vista!

No alto do Glacier Paradise

Glacier Paradise: pisando na neve, que emoção!

Esse é o tubbing

Agora um parênteses: algumas pessoas podem estar visitando Zermatt em uma road trip, de carro. Então é importante que eu ressalte aqui que é proibida a circulação de carros na cidade. E #comofaz? Você precisará estacionar em Tasch, que fica 5 km antes de Zermatt, e de lá seguir por uns 20 minutos de trem.

Tubbing, é muito divertido!

Túnel de gelo no Glacier Palace

Escultura de gelo no Glacier Palace

Em Zermatt o único meio de transporte, além de suas pernas, são uns pequenos carrinhos elétricos, que funcionam como táxis. A cidade é realmente pequena e fácil para se deslocar a pé, mas se estiver com bagagem pesada e sua hospedagem for na parte alta da cidade pode preferir pegar esse transporte.

Escultura de gelo no Glacier Palace

Escultura de gelo no Glacier Palace

Vista no mirante do Glacier Paradise

Como não cheguei muito cedo e não dava para subir as montanhas, corri para a parte alta, onde ficava meu hostel, para deixar minha mochila, e #partiu visitar centrinho de Zermatt! Lá tem muitas lojas fofas. Na praça principal está a igreja de St. Mauritius. Aproveitei o tempo também para visitar o Matterhorn Museum, que conta a história da cidade, do Matterhorn e fala sobre uma tragédia que ocorreu com os primeiros alpinistas que tentaram escalar a famosa montanha. Bem ao lado do museu está a fonte das Marmotas, onde abasteci minha garrafinha de água todos os dias. A água de degelo é uma das mais deliciosas, além de sair gratuitamente na fonte das Marmotas!

Vista no mirante do Glacier Paradise

Esquiando no Glacier Paradise

Eu já amo o Glacier Paradise

Não vou mentir, a Suíça é um lugar caro, gente! Mas com o farto café da manhã do hostel (e um lanchinho guardado desse café para a hora do almoço) e um belo almojanta consegui economizar um pouco, apesar de ter de caminhar por toda a cidade para achar uma refeição ou lanche por menos de 20 euros. Outra boa opção é comprar sua alimentação nos mercadinhos da cidade.

Teleférico descendo o Glacier Paradise

Zermatt pequenina lá embaixo

As trilhas são bem sinalizadas

No dia seguinte adquiri meu ticket com desconto para o trem para o Gornergrat (na Gornergratbahn em frente à estação central) e depois meu ticket para subir ao Glacier Paradise de teleférico (este é o teleférico mais alto da Europa). Eu pretendia subir nos dois no mesmo dia, portanto precisava dos dois tickets na mão, pois iria embarcar no meio do caminho no Gornergrat, em vez de pegar esse trem na estação central, apesar de subir ao Glacier Paradise primeiro (se você for fazer o contrário também precisa dos dois tickets comprados no centro antes de seguir para o passeio). Para que se localize, veja o mapa das montanhas de Zermatt. Neste outro link de mapa você pode ver as trilhas da região. E aqui neste link tem um descritivo de todas as trilhas com grau de dificuldade e distâncias. Lá tem muita trilha e vejo que precisarei retornar a Zermatt para fazer todas!

Clique para abrir maior. Mapa das montanhas de Zermatt. Fonte: https://skimap.org/data/987/2052/1460750662.pdf

Como eu só tinha um dia inteiro, eu subi as 2 montanhas no mesmo dia e deixei uma pequena trilha para o segundo dia, por isso já deixei os 2 tickets comprados. Se você estiver indo no inverno veja este outro mapa neste link, que mostra as pistas de esqui. Além disso, este site de lá loca equipamentos de esqui.

“Trilha” de Furi até Findelbach

Esta é a parada em Rotenboden

Parada em Rotenboden

Fui primeiro no Glacier Paradise e depois no Gornergrat, porque dizem que se estiver muito calor no verão é possível que na parte da tarde não tenha mais neve no Glacier Paradise.

Mesmo no verão, como eu fui, é importante levar roupas de frio para o alto das montanhas. Eu cheguei a pegar 0 grau lá em cima. Se o tempo estiver ruim e não estiver avistando o Matterhorn talvez não valha a pena subir, pois não verá nada.

Lago Riffelsee

Lago Riffelsee e seu reflexo

Lago Riffelsee e seu reflexo

A subida de teleférico ao Matterhorn Glacier Paradise (para avistar o Klein Matterhorn, ou pequeno Matterhorn), a 3883 metros de altitude, é dividida em lances. Estes são os horários do teleférico. Vamos considerar 1 hora para toda a subida. O primeiro lance de teleférico leva de Zermatt até Furi. De Furi ou é possível pegar um teleférico maior (gôndola) direto a Trockener Steg ou então um menor até Schwarzsee Paradise, e deste até Trockener Steg. Eu escolhi essa opção, e queria voltar pelo outro caminho, pois o outro parece proporcionar uma incrível vista, mas quando voltei a outra opção estava fechada (às vezes as condições climáticas impossibilitam o percurso).

Lago Riffelsee: aqui começou uma brisa e o reflexo sumiu

Outra vista perto do Lago Riffelsee

Outra vista perto do Lago Riffelsee

Todas as paradas têm pontos de trilhas se iniciando, e tudo é muito bem sinalizado. Zermatt parece ter trilhas incríveis e eu queria ter tido mais dias lá para explorar todas! Eu desci na segunda parada do teleférico para ver o lago Schwarzsee, pois havia visto belíssimas fotos do local. A vista de Zermatt pequenina lá embaixo entre as montanhas era de arrepiar! Do lago Schwarzsee passavam muitas pessoas por mim, indo a um ponto bem próximo do Klein Matterhorn, mas que ficava a 2h de distância. Me deu muita vontade de seguir essas pessoas, mas precisava focar em alcançar o Glacier Paradise. Passavam também pessoas com equipamento de escalada.

Outra vista perto do Lago Riffelsee

Parada do trem em Rotenboden

Vista do Gornergrat

Chegando no Trockener Steg troca-se para um teleférico grande estilo gôndola, que dividi com vários esquiadores. Lá em cima no Glacier Paradise minha primeira atividade foi o tubbing (gratuito), que é um tipo de boia em que você senta e escorrega por uma rampa. É muito divertido, não deixe de fazer, apesar de a rampa ser bem pequena. Depois de mil fotos na neve e nos mirantes, visitei o palácio de gelo, ou Glacier Palace. Ele fica na parte interna da montanha (é bem frio lá dentro), então você segue por um túnel de gelo e há muitas esculturas feitas de gelo, achei interessantíssimo!

Vista do Gornergrat

Vista do Gornergrat: este é o hotel que há lá em cima

Vista do Gornergrat: o hotel também é um observatório

Acho que a maioria das pessoas (que não são hiperativas como eu e têm mais dias de férias que eu) fazem Glacier Paradise num dia e Gornergrat em outro dia. Mas como gosto de otimizar tempo e fiz os dois no mesmo dia (o que é perfeitamente possível e tranquilo se iniciar cedo), em vez de retornar direto a Zermatt na volta do Glacier Paradise, eu desci em Furi e fiz uma caminhada de 20 minutos até a estação de trem Findelbach (se você tiver visitado primeiro o Gornergrat é só você caminhar de Findelbach até Furi). É por isso que eu comprei cedo meu ticket para esse trem na Gornergratbahn, se não, não conseguiria embarcar assim no meio do caminho.

Gornergrat: há um restaurante do hotel lá em cima

Na trilha para Zmutt

A subida é num trem estilo cremalheira e dura mais ou menos 30 minutos. Porém, antes de ir ao Gornergrat, desci numa parada antes (Rotenboden) para ir a um lugar espetacular! O lago Riffelsee! Se você estiver com sorte e não estiver ventando, o lago forma um espelho perfeito do Matterhorn! É uma das vistas mais lindas que vi! Tem mirantes perfeitos nesse local, recomendo fortemente que faça uma parada nessa estação.

Na trilha para Zmutt

Trilha para Zmutt

Na trilha para Zmutt

O Gornergrat fica a 3100 metros de altitude. Lá em cima está o hotel mais alto da Europa, o Hotel 3100 Gornergrat, além de um observatório para quem se hospedar lá. Tudo rende fotos excelentes!

No caminho para Zmutt

Quase em Zmutt

Vilarejo Zmutt

No dia seguinte fiz uma pequena trilha circular saindo de Zermatt até Zmutt, passando por Furi, e deste ponto desci de volta a Zermatt de teleférico (pois o ingresso vale por vários dias). Ao percorrer a rua principal de Zermatt, é só acompanhar o rio que passa na cidade. Depois de alguns minutos você verá as placas indicativas de trilha que apontam também para Zmutt. Acho que demorei cerca de 1,5 hora nessa trilha, e ela é bem fácil. Zmutt é uma vilinha preservada com as antigas casas de madeira da região (há casas de até 500 anos), que é bem fofa.

Esta é Zmutt

Zmutt tem casas históricas de 500 anos

Além da Glacier Paradise e do Gornergrat, há ainda mais 2 montanhas para subir com cable car em Zermat, Rothorn e Sunnegga, que não tive tempo de ir.

Certamente voltarei a Zermatt me programando para fazer tooodas aquelas trilhas mostradas no link. A bela cidade suíça agrada a todos, desde os menos até os mais aventureiros, e é um dos locais mais encantadores que já visitei!

Acho que não tem como se perder rs

O Monte Roraima povoa o imaginário de muitos mochileiros e trilheiros. Mas por que não tornar esse sonho realidade? Esse tepui (tipo de relevo em forma de mesa formado há cerca de 2 bilhões de anos) encontra-se em 3 países: Brasil, Venezuela e Guiana, porém, apenas 10% estão no Brasil. Do lado brasileiro ele pertence ao Parque Nacional Monte Roraima, já do lado venezuelano, ao Parque Nacional Canaima (que se estende desde a região do Salto Angel, o mais alto do mundo, até Santa Elena de Uairén, abrangendo também a região da Gran Sabana). Há mais de 100 tepuis na região, sendo o Monte Roraima o mais elevado da cadeia, com 2810 metros de altitude (no seu ponto mais alto, a rocha Maverick). A parte superior tem 31 km2, com suas falésias caindo por 400 m de altura.

Trilha do 1º dia: Porteador e sua “mochila indígena’

Trilha do 1º dia: Veja quanta coisa eles carregam

E o que tem lá em cima dessa “grande mesa”, Sabrina? Uma incrível paisagem que mais parece uma mistura do tempo dos dinossauros com a superfície de algum planeta estranho. Eu só digo que é fascinante e, se você gosta de travessias, deve colocar já essa na lista! Para acessar o local, é preciso entrar pela Venezuela, sendo obrigatório guia para o trekking. As agências geralmente oferecem 6 ou 8 dias de caminhada. Porém, eu recomendo fortemente que faça em 8 dias, tanto para percorrer com calma cada etapa do percurso quanto porque, assim, é possível andar de uma ponta até a outra do Monte Roraima, conhecendo os principais atrativos (sim, tem rio, tem cachoeira, tem mirante, tem rochas em formatos exóticos que não se sabe como estão equilibrados dessa maneira, tem lagos, tem vegetações de montanha, tem cavernas etc. Ou você achou que não tinha nada lá em cima? rs). Se fizer o trekking em 6 dias terá que correr mais e/ou só irá até o comecinho da parte superior (NOOO!).

Trilha do 1º dia: No começo o Monte Roraima estava um pouco encoberto

Trilha do 1º dia: nuvem cobrindo o Monte Roraima

E quando eu vou? Diz-se que de maio a setembro seria a época mais chuvosa, e de outubro a abril, a mais seca. Se você for combinar o trekking ao Monte Roraima com o Salto Angel, é importante ressaltar que em dezembro começam as secas no Salto Angel e que, a partir daí, existe a possibilidade de não ter como visitar o Salto Angel por escassez de água no rio (o barco não tem como avançar). Eu visitei o Monte Roraima e o Salto Angel em dezembro (passei meu natal e ano novo lá). Ainda consegui visitar o Salto Angel (tema de relato futuro), apesar de o rio já ter começado a baixar. Porém, amigos meus quase não conseguiram fazer esse outro roteiro em março, por exemplo. Portanto, se for programar Salto Angel também, estude bem que época ir.

Trilha do 1º dia: o sol começa a sair e um arco-íris dá o ar da graça

Trilha do 1º dia: Kukenan à esquerda e Monte Rorama à direita

Além do Monte Roraima e do Salto Angel, outro roteiro bem popular na região é a Gran Sabana, conjunto de cachoeiras bem espalhadas pelo Parque Nacional Canaima, podendo ser visitadas com roteiros de 1 a vários dias. Eu fiz 1 dia de Gran Sabana entre o Salto Angel e o Monte Roraima, na folga de dias que tinha. Isso em 26 de dezembro, porque no dia 25 de dezembro nada funcionou em Santa Elena de Uairén.

Trilha do 1º dia: tá abrindo o tempo, gente!

Trilha do 2º dia: eu não resisto a uma placa!

Muitas pessoas deixam para contratar um guia, que é obrigatório para o trekking no Monte Roraima, na hora. Porém, dessa maneira, é preciso ter uma folga de dias, pois talvez não haja nenhuma agência ou guia saindo nas datas que precisa. Eu contratei minha agência daqui do Brasil, por e-mail. As agências do Brasil geralmente cobram um valor bem maior, e as agências venezuelanas têm os melhores preços. Algumas pessoas contratam guias independentes também.

Trilha do 2º dia: a aproximação

Trilha do 2º dia: uma queda d’água de cada lado

Eu recomendo a agência Mystic (site e Facebook; e-mail: [email protected]), mas também há boas recomendações de outras agências e guias, como a Backpackers (site e Facebook) e a Kamadac (site e Facebook), por exemplo. Pesquise bem o preço de todas, bem como a reputação. Algumas pessoas que conheço foram com o guia Gregory Lans e recomendam (contato do Facebook), mas há vários que atuam na região.

Trilha do 2º dia: deslumbrada já

Trilha do 2º dia: dei sorte, nem sempre tem cachu

Outra coisa importante é pesquisar sobre pessoas que tenham ido recentemente, ou então entrar em contato por e-mail com as agências para saber como anda a situação dessa parte da Venezuela. Fui no final de 2015 e conheço pessoas que foram normalmente em 2016, e ouvi dizer de gente indo agora em 2017. Não necessariamente é perigoso ou impossível visitar esse local na situação do país hoje, mas é mais importante pesquisar e contatar as agências de lá do que especular.

Trilha do 2º dia: acampamento base

Trilha do 2º dia: olha a vista do acampamento base!

Recomendo também a contratação de um seguro-viagem que tenha a opção de resgate de helicóptero, a única maneira de ser resgatado no caso de acidentes no Monte Roraima. A melhor maneira de conhecer o Monte Roraima é pegando um voo para Boa Vista (Roraima). Meu voo chegou quase 2h da manhã em Boa Vista, e peguei um táxi (preço tabelado de R$ 30,00) para o Hotel Mecejana. Precisei me hospedar em Boa Vista, pois a essa hora não havia transporte para a Venezuela.

Trilha do 2º dia: quando o sol começa a se por a cachu fica assim

Trilha do 2º dia: já escurecendo

No dia seguinte, meu plano era pegar um táxi coletivo de Boa Vista a Santa Elena. Para isso, é preciso ir ao terminal do Caimbé (Av. dos Imigrantes, 230), em Boa Vista. Em qualquer lugar que você perguntar, todo mundo sabe de onde saem os táxis para Santa Elena. Se não conseguir um táxi para Santa Elena, pode pegar um para Pacaraima, a última cidade brasileira antes da fronteira, e de lá, outro para Santa Elena. De Boa Vista, os táxis saem um atrás do outro, assim que lotam. De Boa Vista a Santa Elena são 230 km, feitos em cerca de 3h, e o valor da viagem por pessoa é de R$ 40,00. Não se preocupe, ouvi dizer que sempre tem gente indo para Santa Elena ou Pacaraima para dividir esses táxis coletivos. Porém, aconselho que chegue bem cedo, lá pelas 7h, para garantir. Eu não sei dizer se há táxis saindo mais tarde ou no período da tarde.

Trilha do 3º dia: arepas para aguentar a terrível caminhada do terceiro dia

Trilha do 3º dia: esse é o começo, com mais terra

Agora, como eu sempre tenho que fazer as coisas “com emoção”, comigo foi diferente. Assim que cheguei ao Hotel Mecejana, de madrugada, um jovem recepcionista disse que achava que eu poderia sair umas 9h para pegar o táxi para Santa Elena. Então tive uma noite de miss no hotel, aproveitando a cama e o chuveiro ao máximo. Às 9h saí do quarto e, ao chegar na recepção, o funcionário do dia disse que os táxis coletivos já haviam todos saído cedinho (por isso eu te digo para chegar umas 7h lá no terminal para pegar esse táxi). Entrei em desespero, pois eu iria primeiro ao Salto Angel e minha passagem de ônibus para a noite já estava comprada e meus dias estavam contadinhos para os passeios.

Trilha do 3º dia: logo vêm as pedras

Trilha do 3º dia: essa é a foto mais próxima do Paso das Lagrimas que consegui… era muita água caindo lá de cima

Fiz o recepcionista telefonar para todos os taxistas da “agenda” dele. Todos estavam sem sinal, por já estarem na estrada, ou os que atendiam falavam que também já estavam na estrada e não tinham como voltar. Nesse meu momento de desespero, eis que aparece o salvador: o dono do hotel Mecejana chegou e precisava ir a Santa Elena trocar um controle remoto de uma televisão do hotel e poderia me dar uma carona. Foi um dos momentos mais felizes da viagem! A carona foi tranquila, ele foi muito simpático e salvou minha vida!

Trilha do 4º dia: ai ai, o topo…

Trilha do 4º dia: não parece outro planeta?

Fiquei na fronteira, em Pacaraima. Tinha uma enorme fila para passar na imigração, mas demorou no máximo meia hora. Chegando a minha vez, a saída do Brasil foi tranquila, um rápido carimbo. Algumas pessoas não passam na imigração, entrando direto na Venezuela. Isso é muito perigoso, pois lá na Venezuela, se algum guarda te parar, você pode sofrer as consequências, ser extorquido pela polícia e até coisas piores, como pegarem suas coisas, por exemplo. Por isso, não deixe de carimbar tanto sua saída do Brasil quanto sua entrada na Venezuela (se você pular a imigração do Brasil e for direto para a da Venezuela eles vão te fazer voltar para carimbar a saída do Brasil). Além disso, se você tiver passagem de ônibus ou de avião dentro do país obrigatoriamente vai precisar mostrar esse carimbo, se não não embarca. É possível os guardas te pararem na estrada para o Monte Roraima, por exemplo, e pedirem para ver esse carimbo. Então, por favor, carimba!

Trilha do 4º dia: plantas carnívoras lá em cima

Trilha do 4º dia: esse é o sapinho preto que só habita o Monte Roraima

Você pode entrar na Venezuela com seu passaporte ou com seu RG (que deve ter menos de 10 anos de expedição). Outro documento que podem pedir é o Certificado Internacional de Vacinação, com o carimbo de vacina de febre amarela. Importante: carteira de motorista não passa como documento de viagem, não se esqueça disso.

Trilha do 4º dia: só tem lá no Monte Roraima

Trilha do 4º dia: a paisagem surreal

Depois que saí da fronteira brasileira caminhei por uns 500 metros até a fronteira venezuelana. No caminho, já havia alguns venezuelanos fazendo câmbio do real para o Bolivar, moeda do país. O dinheiro deles é muito desvalorizado em relação ao nosso. Não precisa ter medo de trocar moeda assim, na rua. É assim que funcionam as coisas por lá, você pode trocar um pouco de dinheiro na fronteira para pagar o táxi até Santa Elena, e trocar o resto na rua na cidade, mas as cotações eram iguais. Eu fui com meus pacotes pagos e troquei uns 200 reais para alimentação, deu um enorme bolo de notas! Esse dinheiro rendeu bastante.

Trilha do 4º dia: lindo e intrigante

Trilha do 4º dia: Ponto Triplo

Chegando na fronteira venezuelana a fila estava pequena e foi rápido. Não me perguntaram nada e carimbaram. Ouvi histórias terríveis de extorsão ou de pegarem suas coisas na fronteira, mas comigo foi realmente tranquilo. Passando a fronteira havia uns táxis para Santa Elena e já era bem perto de lá. O táxi custou, convertendo para real, menos de 10 reais.

Trilha do 4º dia: Vale dos Cristais

Trilha do 4º dia: Vale dos Cristais

Santa Elena é uma cidade pequena, com algumas lojas e uma praça central. Não há muito o que se fazer por lá, a não ser utilizá-la como ponto de partida. Quando cheguei ainda era muito cedo para meu ônibus para o Salto Angel (passagem comprada pela agência Mystic) e o simpático funcionário da Mystic deixou eu repousar por lá e depois me acompanhou até a rodoviária. Mas essa não é a história que vou contar agora, já que estamos falando do Monte Roraima. Então, na volta do Salto Angel a Santa Elena fui para minha hospedagem (reservada daqui do Brasil), a pousada L’Auberge. Essa pousada é muito confortável e com preço bom, indico totalmente. Em Santa Elena gastei no máximo 20 reais em cada refeição incluindo bebida. Um dia almocei no restaurante da agência Backpackers. Em uma noite comi num ótimo restaurante chinês que está na praça, onde um bem servido e gostoso arroz frito com vegetais chegou à bagatela de 3 reais! Lá em Santa Elena há também locais para comprar frutas e lanchinhos de trilha, como castanhas e bananinhas, por exemplo.

Trilha do 4º dia: isso branco no chão é tudo cristal!

Trilha do 4º dia: Acampamento Quati

Até aqui eu tinha feito tudo sozinha, Salto Angel e Gran Sabana (depois vou contar como cruzei a Venezuela sozinha e fui ao Salto Angel a partir de Ciudad Bolivar), e então chegaram meus amigos que me acompanhariam ao Monte Roraima. Na noite anterior ao início do trekking os guias que nos acompanhariam passaram na pousada para nos explicar como seria cada dia da caminhada. Olha como seria nosso trekking:

CLIQUE PARA AUMENTAR. Mapa do Monte Roraima. Fonte: www.hike-venezuela.com

CLIQUE PARA AUMENTAR. Mapa do topo do Monte Roraima. Fonte: www.roraimadefato.com

O pacote ao Monte Roraima incluiu guia, transporte de ida e volta de Santa Elena ao início do trekking, barracas para os campings, todas as refeições (menos os lanchinhos de trilha), carregadores que levaram barracas e alimentos e cozinharam todos os dias, barraca que era o banheiro, saquinhos e descarte apropriado para o número 2. Era possível, também, contratar um carregador para levar nossas coisas. Eu não quis, pois estava com o dinheiro contado e, por isso, resolvi levar o mínimo possível de coisas para aguentar carregar.

Minha bagagem consistia em: 3 camisetas e blusinhas de tecido bem leve, que fosse possível eu lavar e reutilizar, sabonete biodegradável da Granado para tomar banho e lavar roupa no rio, lenços umedecidos para os dias de frio na hora do banho, fleece, corta-vento, calça de trilha, calça e blusa segunda-pele para a noite, gorro e luvas, chapéu para o sol, coisas de higiene pessoal, saco de dormir para frio, isolante térmico, capa de chuva para a mochila, lanterna e bastão de caminhada. Ou seja, roupa de trilha no geral, para calor de dia e para frio à noite. DICA: se você não tem capa de chuva para mochila, você pode usar um saco de lixo grande dentro dela, com as coisas por dentro. Levei um cantil de 2 litros d’água apenas, pois todos os dias há vários pontos de abastecimento de água, bastando, para isso, você levar Clor-in para purificá-la.

Trilha do 4º dia: Acampamento Quati

Trilha do 5º dia: Rumo à proa

Trilha do 5º dia: caminho do Lago Gladys

Eu acredito que a trilha no Monte Roraima seja entre o nível médio e o difícil de dificuldade. Não precisa ser atleta, mas é necessário ter uma boa disposição. Nesses 8 dias, caminhei cerca de 90 km. Quando chegamos ao início da trilha nos registramos na entrada do parque, e pude notar que havia muitos cachorros famintos nesse ponto. Gostaria de ressaltar aqui que se alguém puder levar ração para doar nesse lugar, por favor, ajude-os. Falando nisso, é muito bom também se você puder levar coisas de trekking e dinheiro para doar para a equipe que te assistir nessa trilha, e sugiro que entregue em mãos para cada um. Eles trabalham pesado carregando, na maioria das vezes, 15 a 30 kg numa espécie de mochila indígena, feita de fibras de madeira.

Trilha do 5º dia: um dos incríveis mirantes

Trilha do 5º dia: mirante no caminho para o lago Gladys

Trilha do 5º dia: o topo de uma das cascatas que cai lá de cima

No primeiro dia caminhamos por cerca de 12 km, de Paraitepuy ao acampamento Tek. Iniciamos meio tarde, após o meio-dia, e chegamos já quase escurecendo ao acampamento, numa caminhada de umas 4 a 5h, com algumas subidas, mas nada muito intenso. Já nesse primeiro dia dá para ter a magnífica visão do Monte Roraima e do Monte Kukenan ao seu lado, cada vez mais linda à medida que se aproxima. O acampamento Tek fica perto de um rio, como quase todos os outros acampamentos, e assim você pode banhar-se e lavar o que for preciso. A cozinheira preparou o jantar e os carregadores montaram nossas barracas. Nas refeições sempre tinha as tradicionais arepas venezuelanas, espécie de “pão” feito com farinha de milho, super aprovado!

Trilha do 5º dia: Lago Gladys

Trilha do 5º dia: Lago Gladys

Agora você vai descobrir como é essa história de barraca banheiro: é uma barraca mais alta e estreita com uma espécie de banquinho com uma privada encaixada. Você posiciona seu saquinho plástico na privada e faz o serviço! Depois você amarra e deixa do lado de fora. No final de cada dia um dos carregadores (eu não queria ser esse cara!) coloca todos os saquinhos cheios no “shit tube” e leva com ele (eu realmente espero que não seja a mesma pessoa que carrega a comida!). Na volta do Monte Roraima, já na estrada, eles param o carro e jogam tudo numa lixeira.

Trilha do 5º dia: voltando para o acampamento Quati

Trilha do 5º dia: no caminho de volta ao acampamento Quati

No segundo dia, fomos do acampamento Tek ao acampamento base, uns 11 km, mas como saímos de manhã, chegamos cedo ainda nesse ponto. Nesse dia as subidas ficam um pouco mais íngremes e a trilha mais cansativa, mas nada muito forte também. Cruzamos o rio Kukenan, onde também há outro acampamento. Para cruzar os rios, se estiver com dificuldade por causa de pedras escorregadias, pode tirar o tênis e passar somente com as meias, que aderem bem a superfícies lisas demais. Ao se aproximar do acampamento base, as paisagens vão ficando cada vez mais lindas. Tive sorte de ter duas belas cascatas caindo do Monte Roraima. Não é sempre que elas estão lá, pois ocorrem de acordo com as chuvas. Essas cascatas e o Monte Roraima inspiraram o desenho Up! Altas aventuras (muita gente pensa que é o Salto Angel, mas é o Monte Roraima quando está com as cascatas). Eu fiz um vídeo para vocês terem uma ideia melhor do Monte inteiro com as cascatas aqui.

Infelizmente em nosso terceiro dia amanheceu chovendo, e choveu por 24h. Esse é o dia de subir o Monte Roraima. São só 3 km, mas a subida é bem mais intensa e fizemos em umas 5h. De subida, ele é o trecho mais difícil. No começo há uns “degraus” de terra, que estavam molhados pela chuva. Depois há vários trechos em que é preciso segurar nas pedras para se apoiar e subir. Esse trecho se chama La Rampa. Um dos pontos que se passa nessa etapa se chama El Passo de Lagrimas. É um local que, no meio da subida, caminhando por cima de pedras, você passa debaixo de uma das cachoeiras que viu lá do acampamento base. É muito lindo e molha muito também, então tenha suas coisas que não podem molhar bem guardadas.

Trilha do 6º dia: El Fosso

Trilha do 6º dia: El Fosso

Trilha do 6º dia: caminho até o Hotel Principal

Acabamos saindo meio tarde do acampamento base por causa da chuva. Todos os grupos já haviam partido e, por isso, quando chegamos no topo do Monte Roraima tinha escurecido. Apesar de a trilha até aqui ser razoavelmente clara, nessa parte superior o local mais parecia um labirinto. Nosso guia nos levou para nos abrigar em uma espécie de caverna. Os guias chamam essas cavernas de Hotel, e cada grupo dorme em uma das muitas que existem nessa região. Foi o dia de maior perrengue porque a chuva não parou nem um minuto, justo no dia mais tenso de subida, e chegamos cansados para dormir nessa pequena caverna.

Trilha do 6º dia: olha o que tinha perto do Hotel Principal, comi tanto!

Trilha do 6º dia: Jakuzzis

Trilha do 6º dia: jacuzzis, eu juro que entrei!

Felizmente, no dia seguinte, o quarto dia, a chuva parou e não voltou mais até o fim da viagem. Quando saímos da caverna nos deparamos com uma paisagem mágica de rochas que mais parecem ter saído da lua. Nesse dia caminhamos do Hotel Índio até o acampamento Coati, passando pelo ponto triplo, cerca de 10 km feitos em umas 6h. A caminhada no topo é mais ou menos plana, mas há vários “pula pedra”. Cansa bem menos que as subidas até agora, mas é preciso ter atenção para pisar corretamente nesses trechos. Em alguns pontos passamos por belíssimos mirantes, de onde conseguíamos observar a paisagem e até uma cascata caindo lá de cima. Pegamos uns trechos com neblina, mas que não durou muito tempo. O clima lá em cima parece mudar muito rápido nessa inóspita paisagem. Outra curiosidade é que no topo do Monte Roraima existe uma espécie de sapinho preto que só tem lá.

Trilha do 7º dia: de cima do Maverick

Trilha do 7º dia: visual incrível de cima do Maverick

O ponto triplo é onde Brasil, Venezuela e Guiana fazem fronteira. De lá, saímos um pouco da trilha num trecho curto para visitar o Vale dos Cristais. Como o nome diz, o chão e as pedras são repletos de lindos cristais. Lembre-se de que não se pode retirar absolutamente nada do Monte Roraima, inclusive porque na saída do parque, no último dia, os guardas irão te revistar e toda a sua bagagem para ter certeza de que você não retirou nada, inclusive esses cristais (podem te revistar também na fronteira voltando ao Brasil). Chegamos no acampamento Coati, um incrível abrigo debaixo das pedras. Lá foi nosso ano novo, com direito a sopinha antes do jantar! Fizemos nossa contagem regressiva de acordo com o horário do Brasil. O local é bem curioso, uma espécie de caverna, mas sem o teto.

Trilha do 7º dia: eu não resisto… do mirante do Maverick

Trilha do 7º dia: AHAAAAAA, vocês acharam que eu não ia fazer o Up! Altas Aventuras?

No quinto dia caminhamos até o lago Gladys e a proa, uns 8 km por umas 6h. Para a proa é necessário corda para realmente ver o fim do Monte Roraima, e a maioria dos guias não leva, por isso só andamos até onde foi seguro sem corda. O lago Gladys tem uma linda paisagem para se avistar de cima. Dormimos novamente no acampamento Coati.

Trilha do 7º dia: ainda de cima do Maverick

Trilha do 7º dia: a descida.. tem que voltar mesmo?

No sexto dia iniciamos nosso retorno à outra ponta do Monte Roraima, em direção ao Hotel Principal, já perto do Hotel Índio, que dormimos na terceira noite. Foram mais ou menos 10 km percorridos em umas 4h. No caminho, passamos pelo El Fosso, uma espécie de buraco com um lago embaixo, de onde se pode saltar para nadar lá embaixo. Para sair há um caminho por uma gruta. Depois de chegar ao Hotel Principal, deixamos nossas coisas e fomos até as Jacuzzis, um dos lugares mais esperados para mim. São piscinas naturais de água amarelada (e extremamente gelada, como todas as águas da região) e muito convidativas para o banho pelo lindo visual delas, um incrível lugar.

Trilha do 7º dia: seus joelhos vão gritar! Mas bastão ajuda rs

Trilha do 7º dia: o paredão ta ficando longe

No sétimo dia primeiro passamos no Maverick, o ponto mais alto do Monte Roraima. Bastam apenas alguns minutos para subir, e a vista é realmente compensadora, de lá é possível ver alguns dos platôs do Monte Roraima e do Kukenan. Depois caminhamos de volta ao acampamento Tek (aquele do primeiro dia) por cerca de 15 km por umas 8h. Essa parte é bem cansativa, pois engloba a descida do Monte Roraima que foi o trecho de subida mais difícil na ida. Nessa hora eu digo: joelhos para que te quero! Essa descida força bem os músculos das pernas e os joelhos, então é bem útil se você tiver levado bastões de caminhada para te amparar. Almoçamos no acampamento base, mas em seguida prosseguimos para o Tek, onde fizemos o último pernoite.

Trilha do 8º dia: Tchau, Monte Roraima e Kukenan!

No último dia caminhamos por uns 12 km de volta ao Paraitepuy por umas 4h. Ainda paramos para almoçar na estrada na volta para Santa Elena. Chegando na cidade peguei minhas coisas que não levei para a trilha e tinha deixado no L’auberge e de lá, um táxi para a fronteira. Dali carimbamos a saída da Venezuela e a entrada no Brasil e facilmente consegui um táxi para Boa Vista no fim da tarde, pois meu voo de volta para minha cidade era a 01h30 da manhã.

O Monte Roraima, com suas paisagens surreais, foi um sonho realizado! Voltei para casa com uma gratificante sensação, lembrando dos lugares pelos quais passei e nunca vou esquecer!

Trilha do 8º dia: agora é bye-bye!

Talvez pareça um lugar presente só em nossos sonhos, ou esteja somente em algum filme ou seriado, ou quem sabe tenhamos recebido essa imagem em um arquivo de PowerPoint algum dia. Porém, esse lugar existe, e é possível realizar o sonho de caminhar por ele e apreciar essa deslumbrante paisagem. E sim, vai ser inesquecível!

Esse lugar se chama Preikestolen (ou rocha do púlpito), e é uma formação rochosa que fica sobre o fiorde norueguês Lysefjorden, próximo à cidade de Stavanger. O topo, a uma altura de 604 metros e com 25 m2, é quase plano, parece recortado à mão, e causa vertigem nos que chegam perto da borda. O acesso é por uma trilha de 3,8 km de ida, com duração de cerca de 2 horas. É importante ressaltar que esse passeio só pode ser feito no verão, ou pelo menos a partir de maio. Nos meses de inverno a trilha fica coberta de neve e o terreno fica bastante inseguro.

dscn2749

Início da trilha

dscn2823

Mapa detalhado

Stavanger tem um aeroporto com voos chegando de várias cidades não só da Noruega e países escandinavos, mas também da Europa. É possível também ir de trem a partir de Oslo. Stavanger tem diversas opções de hospedagem e muitos restaurantes, bares e lojas. A cidade é cheia de belos exemplos da arquitetura norueguesa, e um passeio no centro histórico e na região do porto é uma das maneiras de conhecer o local. Há alguns museus, como o Museu do Petróleo, e também a famosa praia Solastranden.

dscn2698

Cidade de Stavanger

Mas vamos ao que interessa: como chegar ao Preikestolen. Primeiro, é preciso pegar uma balsa de Stavanger a Tau. Há muitos horários, mas é interessante ir bem cedo, e pode-se comprar a passagem na hora. De qualquer forma, o site para consulta de horários é este. São mais ou menos 40 minutos de travessia de balsa. Bem na saída da balsa, haverá ônibus esperando, com horários casados com o horário da balsa, tanto na ida quanto na volta. O ônibus deixa os turistas bem no início da trilha. Informe-se sobre os horários da volta ao deixar o transporte.

dscn2927

Ponto onde param os ônibus e início da trilha para o Preikestolen

dscn2783

Alguns trechos da trilha ficam mais íngremes e acidentados

Não é necessário contratar guia para a trilha. Ela é bem sinalizada, há muitas placas indicando o caminho, algumas setas em forma de T pintadas nas pedras e sempre outras pessoas fazendo o passeio. A trilha tem nível médio de dificuldade, portanto, os 3,8 km são percorridos de acordo com o nível de condicionamento do caminhante. Ela começa suave, mas o grau de dificuldade aumenta por ter trechos com pedras pelo caminho e muitas subidas. Não é necessário ser nenhum especialista em trilhas, mas ter um mínimo de condicionamento e/ou uma grande vontade de conhecer o local já bastam.

dscn2762

Uma das paisagens vistas da trilha

dscn2878

No Preikestolen

Porém, só o visual do caminho para o Preikestolen já compensa. As paisagens, mirantes, lagoas e flora da região são deslumbrantes. Lembre-se de estar com um bom tênis para caminhada, roupas confortáveis, um casaco para o frio característico do local, alimentos leves e boa quantidade de água. A volta tem mais ou menos o mesmo tempo da ida.

Chegando ao topo, o que se vê quase não pode ser descrito em palavras. É excelente para tirar fotos e apreciar por um bom tempo, e a sensação de realização diante da beleza natural é enorme.

dscn2819

Lago congelado visto da trilha

dscn2914

Preikestolen lá embaixo

Além do Preikestolen, há outras trilhas na região, mas nem sempre de fácil acesso sem alugar um carro. Por exemplo, o Kjerag, com a famosa Kjeragbolten, uma grande pedra encaixada em uma fenda formada por dois rochedos. Já em Stavanger há alguns passeios de barco bem agradáveis, que levam por baixo do Preikestolen. O barco passa pelos fiordes e também pelas belíssimas cascatas formadas pelo degelo. Prepare-se para o frio quando estiver na parte externa do barco.

dscn2858

Vista do Preikestolen

dscn2906

Preikestolen

Há diversos outros passeios e trilhas na região, mas o principal é o Preikestolen, que vale a pena por si só, mas também pelo conjunto da beleza da trilha, de estar na agradável cidade de Stavanger e visitar os pequenos locais da cidade nórdica.

dscn2991

Passeio de barco entre os fiordes

dscn2937

Rota que o barco faz

Ushuaia, mais conhecida como fim do mundo, é a cidade mais austral do planeta, com pouco mais de 100 anos (1884). A conhecida “Tierra del Fuego” fica localizada junto ao canal Beagle, assim chamada por causa dos povos nômades que faziam suas fogueiras devido ao frio intenso, que eram avistadas por navios estrangeiros. Foi construída em função de um presídio da região, hoje desativado e funcionando como um curioso museu que vale a visita!

dsc06390

Orla de Ushuaia

Ao chegar no aeroporto, mesmo no verão, vê-se a neve no alto das montanhas, uma visão que já mostra o que vem pela frente. Prepare-se, pois saindo do aeroporto já é possível sentir o ar gelado dessa bela região patagônica, que tem uma média de 10 graus no verão. No inverno a cidade funciona como estação de esqui. Porém, o verão também é fascinante com as geleiras, pinguins, mamíferos marinhos e árvores retorcidas.

dsc06345

Orla de Ushuaia

O aeroporto fica a 15 minutos de táxi da cidade, onde estão localizados hotéis e hostels, restaurantes, lojas de chocolate e de artesanato. Na bela cidade com casas de madeira típicas e com montanhas nevadas da cordilheira ao fundo pode-se fazer tudo a pé. Todos os passeios podem ser agendados com sua hospedagem. A charmosa cidade chama para um passeio por suas ruas e pela orla, junto aos numerosos barcos e gaivotas. É também dessa região que saem os navios para a Antártida.

dsc06415

Cais na orla

Na orla você pode escolher uma agência para fazer o imperdível passeio de barco pelo canal Beagle. Este pode ser um passeio de meio período, e nele você passará por diversas ilhas com numerosas e exóticas aves marinhas, além de muitos leões marinhos. Algumas agências têm uma parte do passeio que se caminha por terra, outras são só no barco. Portanto, o ideal é perguntar em sua hospedagem qual delas oferece essa oportunidade. A paisagem incrível fica completa quando avista-se o farol do fim do mundo, imagem que abre este post, um dos cartões-postais de Ushuaia.

dsc06481

Leões marinhos no canal Beagle

dsc06494

Leões marinhos no canal Beagle

74709_3951082387259_16066593_n

Parada no passeio de barco

Outro passeio espetacular é o Parque Nacional da Terra do Fogo. O parque tem muitas trilhas interessantes para quem gosta de caminhar, além de uma paisagem estonteante. A vegetação é bem diversa, e as trilhas são bem demarcadas. Logo na entrada do parque pega-se um mapa com todas as trilhas, e o ônibus determina um ponto de encontro e horário no fim da tarde. A trilha costeira é ótima para começar a manhã, com 8 km, mas com um percurso muito tranquilo que não exige muito do caminhante. Depois há várias outras lindas trilhas, como as que passam pelas Lagunas Negra e Verde, pelas castoreiras e pela belíssima Bahia Lapataia.

dsc07085

Trilha no Parque Nacional da Terra do Fogo

Em Ushuaia há muitas castoreiras. Os castores foram trazidos do Canadá com o objetivo de produzir peles de animal, mas como a região não tem o frio tão intenso como o do local de origem deles, sua pele não engrossava tanto e, por isso, não serviram para o propósito original. Soltos na mata, viraram praga e começaram a construir as castoreiras que com certeza verá em seus passeios, derrubando árvores para represar rios e lagos.

dsc07217

Castoreira

Outro passeio imperdível é o de veículo 4×4 que leva aos lagos Fagnano e Escondido, que dura o dia inteiro e passa em belíssimos mirantes para os lagos. No caminho há a parada no criadouro dos cães Huskies, que no inverno puxam trenós na neve. Em geral, o guia faz o almoço próximo às margens do lago, e é possível passear de canoa canadense. Se tiver sorte pode até mesmo avistar raposas selvagens.

dsc06752

Os lindos huskies no passeio de 4×4

dsc06791

Lago Fagnano

dsc06819

Raposa selvagem vista perto do lago Fagnano

dsc06901

Passeio de barco no dia do 4×4

Dentro da cidade pode-se pegar um táxi para o Glaciar Martial. Lá há um teleférico para subir até uma altura considerável e, provavelmente, mesmo no verão, você conseguirá caminhar e desfrutar de toda a experiência de brincar com a neve. Caso não pegue o teleférico, são somente 15 minutos acima caminhando. Muita gente aproveita para fazer as inúmeras trilhas na neve do local. Na base há um dos simpáticos cafés e loja de chocolates de Ushuaia. Desse ponto avista-se toda a cidade e o canal Beagle.

dsc07271

Glaciar Martial

64988_3951152669016_1525645254_n

Glaciar Martial

Se for entre os meses de dezembro e janeiro há mais uma opção: a pinguineira! Reserve logo o passeio quando chegar na cidade, pois são poucas vagas saindo do cais de Ushuaia (aliás, reserve todos os passeios assim que chegar, assim você garante a viagem!). Lá você vai de van até o local onde pegará o barco para a pinguineira. No caminho a van para num ponto muito curioso: as árvores são extremamente tortas para um lado, em função do vento. Após a parada e o trajeto de barco, chega-se à ilha dos pinguins. Há várias espécies, embora algumas tenham maior predomínio. Se tiver sorte pode avistar até mesmo pinguins imperadores! Nesse passeio interessantíssimo é possível ficar a poucos metros dos pinguins, além de ser também outra paisagem belíssima.

dsc07311

Árvores distorcidas pelo vento

dsc07340

Pinguim Imperador

550660_3951173949548_1561780441_n

Passeando na Pinguineira

Esses são os principais passeios da charmosa cidade de Ushuaia, que com certeza te cativará! Não se esqueça que no posto de serviço de atendimento ao turista há um carimbo da cidade para o seu passaporte! Além dos lugares que citei, há outras atividades em Ushuaia, pois há outros lagos e também o passeio do trem do fim do mundo.

dsc07387

Caminhando na pinguineira

A Pedra do Baú fica em São Bento do Sapucaí, a 172 km de São Paulo. Ela faz parte de um complexo com três formações rochosas: Pedra do Baú, Bauzinho e Ana Chata. Para acessá-la existem duas entradas, uma delas pelo Restaurante Pedra do Baú e outra pelo Bauzinho. Para ascender a Pedra do Baú, há 2 escadarias de ferro na rocha, a da face norte e a da face sul (que, no momento, está interditada), que levam para cima dos 340 m de altura em cerca de 40 minutos. Por uma trilha bem marcada de 30 minutos acessa-se a escadaria para iniciar a subida.

dscn5819

Chegada à Pedra do Baú

Caso o visitante não tenha cadeirinha e mosquetão próprios, aconselho contratar agência para essa subida, para garantir sua própria segurança. Por menos medo que se tenha, há alguns momentos que podem causar vertigem, e além disso temos sempre que contar com imprevistos, como, por exemplo, presença de insetos e baixa da pressão. Existem diversas agências que atuam na região, uma delas é a Baú Ecoturismo, que oferece também outros passeios além da Pedra do Baú. O passeio com guia e equipamentos custa R$ 70,00 por pessoa. Eles dividem os visitantes em grupos de três a quatro pessoas por guia, prendendo todos ao equipamento e às cordas. A subida é impressionante pela beleza da paisagem, e do alto do pico avistam-se as serras de Minas Gerais e de São Paulo, a chamada Serra do Paiol. É essencial ir com roupas apropriadas e levar água e lanche de trilha, é uma subida nível médio.

13254415_10205847418576406_1842493791636463738_n

Escadinhas: não olhe para baixo!

Se o visitante quiser passar mais de um dia no local, pode se hospedar em São Bento do Sapucaí, em Campos do Jordão, ou em Santo Antônio do Pinhal. Uma ótima opção e um passeio mais light é avistar a Pedra do Baú a partir da Pedra do Bauzinho. O estacionamento é pago e até o Bauzinho são cerca de 10 a 15 minutos de caminhada leve. Nessa formação há um lindo mirante da Pedra do Baú. Outra opção de passeio na região é a caminhada até a Ana Chata, onde é possível fazer rapel. A época ideal para visitar a Pedra do Baú, o Bauzinho e a Ana Chata é de maio a setembro, considerando que são os meses menos chuvosos. Isso porque ir à montanha com chuva é sempre um risco, por causa da possibilidade de escorregar.

13230267_10205847419736435_1197908854978455455_n

Lá em cima da Pedra do Baú, olhando para o Bauzinho

Voltando desse circuito ecoturístico, é agradável visitar também a cidade de Campos do Jordão, com inúmeras opções de compras e restaurantes. Campos do Jordão é super charmosa, principalmente no outono e no inverno, pois as casas típicas entre as árvores dão um visual diferente nessas estações. A cidade tem muitas opções de roupas para frio à venda, além dos famosos chocolates e do tradicional Festival de Inverno de Campos do Jordão.

dscn5888

Vista do vale